Início Notícias Investimentos Investimento em startups brasileiras cresceu 51% em um ano

Investimento em startups brasileiras cresceu 51% em um ano

0
(0)

O mercado nunca teve tanto dinheiro para investir em startups.

Os investimentos nesse segmento brasileiro cresceram 51% em relação a 2017, de acordo com a Associação Latino-Americana da Private Equity e Venture Capital (Lavca).

Fundos, como Monashees, Kaszek e Valor Capital, aplicaram US$1,3 bilhão em negócios inovadores criados no Brasil.

O montante é equivalente a 65% do total de aportes feitos na América Latina.

O presidente da Lavca, Piero Paolo Minardi, disse que a aplicação de capital em startups “nunca foi tão intensa”.

Em entrevista ao Estadão, ele destacou que, apesar da crise, “tem potencial de dobrar de tamanho em pouco tempo”.

Para que uma startup tenha sucesso, porém, é preciso de investimento inicial. É comum que investidores garimpem ideias que possam se tornar negócios bilionários.

No Brasil, alguns cases de sucesso são o NuBank, 99 e PagSeguro: todas startups que ultrapassaram a marca de US$1 bilhão em valor de mercado.

No vocabulário do seguimento, são denominadas de unicórnio.

startups
Por trás de startups de sucesso, existem os investimentos

Os investidores aplicam quantias de R$100 mil a R$300 mil em várias startups ao mesmo tempo. É de conhecimento deles que grande parte não alavancará.

As que obtiverem sucesso, no entanto, serão capazes de compensar os prejuízos.

Para se ter uma ideia, fundos podem avaliar mais de 5 mil empresas antes de investir. A taxa de aceitação, entretanto, é de apenas 1%.

O método é distinto de investir em empresas maduras, que já tem um negócio consolidado, com histórico e reputação construída.

A tendência é que os investimentos continuem em alta. A japonesa Softbank já anunciou um megafundo de US$5 bilhões para investir em startups da América Latina.

Esse valor representa cerca de R$19 bilhões. A tendência é que uma porcentagem desses recursos seja alocada para as empresas do Brasil.

Como conseguir investimento em startup

Para as startups, esses investidores são a fonte de recursos principal para o desenvolvimento de seus negócios no estágio inicial.

As startups explodiram no Brasil em 2005. Alguns empreendedores sem bagagem podem achar que, sem experiência, conseguirão investimentos. Mas, isso é um grande mito.

É preciso que a startup já tenha um produto funcionando e com faturamento. Incluindo a emissão de notas fiscais e com as contas em dia. Tem que gerar um caixa mínimo.

Se ponha na posição do investidor. Você investiria seu capital em uma startup cujo produto é inacabado e que mal fatura?

Para solucionar essa questão, existe uma receitinha de bolo de como conseguir investimento em startups:

1 – Crie um produto e tenha tração com ele;

2 – Future, pelo menos, de R$15 mil a R$30 mil;

3 – Estabeleça o valuation crível entre R$2 milhões e R$5 milhões;

4- Procure no mercado por um ticket de R$300 mil a R$500 mil.

Tipos de investimento em startups

Existem diversos tipos de investimentos para quem começa um negócio. Conheça cada um e determine qual melhor para sua startup.

Bootstrapping

Esse é o primeiro passo dos investimentos. O empreendedor tira o capital do próprio bolso para aplicar na empresa.

A maioria das startups começam com o sistema bootstrapping até conseguirem investimentos maiores.

Investimento-Anjo

Esse é um investimento feito por pessoas físicas com seu capital próprio.

O Investidor-Anjo tem a meta de aplicar em negócios com alto potencial de retorno.

Capital semente (Seed)

O capital semente é um tipo de investimento em startups na fase de implementação e organização de operações.

O aporte financeiro colabora para capacitação gerencial e financeira do negócio. Pode ser pessoas físicas e jurídicas.

Incubadoras

É a forma mais tradicional de investimento a partir de um projeto, apoiando-as nas primeiras etapas de implantação.

O processo de incubação ajuda na modelagem básica do negócio, como as técnicas de apresentação e acesso a recursos de ensino superior.

Venture Capital

Método para apoiar negócios pela compra de uma participação acionária, em geral minoritária.

O objetivo é ter as ações valorizadas para posterior saída da operação.

O valor costuma ser maior que um Seed, na ordem de vários milhões.

E você? Já pensou em abrir uma startup?

O que achou disso?

Deixei sua classificação

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Seja o primeiro a avaliar este post.

Bruna Somma
Jornalista formada pela UFRRJ, com passagens por redações de jornais, sites e Assessoria de Comunicação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

5 erros mais comuns ao usar cartão de crédito

Você já se complicou alguma vez utilizando o cartão de crédito? Ficou com preocupação com a fatura do próximo mês? Se a...

6 opções para trabalhar como freelancer aos finais de semana

Está em busca de aumentar a sua renda ou a da sua família nas horas vagas? Uma alternativa é ser freelancer aos...

Descubra 5 ferramentas semelhantes ao PIX

Pagamento via QR Code, transferências rápidas e que podem ser feitas 24 horas por dia, sete dias na semana: o Pix é...

Como calcular quanto você precisa de renda extra

Em tempos de crise econômica, conseguir uma renda extra se torna o objetivo de muitos profissionais. No entanto, algumas pessoas não conseguem...

Como reclamar uma cobrança bancária indevida

Uma das maiores reclamações de consumidores com relação às instituições financeiras é a cobrança bancária indevida. Esse ainda é um problema recorrente, mas que...

4 vantagens do Open Banking para clientes e empresas

Antes de descobrir quais as vantagens do Open Banking para clientes e empresas, você precisa saber o que é essa nova realidade...