Mais
    InícioNotíciasEconomiaEconomia Digital: confira o que vem por aí!

    Economia Digital: confira o que vem por aí!

    5
    (1)

    A Economia Digital chegou com força. A internet transformou os negócios e a disrupção se faz necessária e cada vez mais frequente. Será que você e seu negócio estão preparados para essa realidade?

    Mudanças nas formas de consumo talvez tenham sido as mais importantes e perceptíveis proporcionadas pela nova economia.

    São diversos os exemplos das que já estão funcionando a todo vapor. O consumo colaborativo, a troca de experiências e de serviços específicos, de propriedade compartilhada, aluguel, compra coletiva.

    Passando também pela subscrição, pelo empréstimo, pelo micro financiamento, crowdfunding, crowdsourcing e outros mais.

    A tendência do compartilhamento de bens é tão forte que foi adotada não só por novas empresas que já nasceram na nova economia, como o Uber, mas também por empresas que já estão no mercado há anos.

    Existem outros exemplos: o Airbnb, onde as pessoas se hospedam em casas de outras pessoas sem ter necessariamente que ficar hospedados em hotéis tradicionais. O Zipcar, onde qualquer pessoa pode alugar carros de outras pessoas, sem precisar de uma locadora.

    Informações, produtos, serviços… Tudo tende a ser digital nessa nova era. Desde a leitura de notícias à realização de transações bancárias, tudo está sendo digitalizado e transformado constantemente.

    Impacto da Economia Digital na “economia real”

    Um estudo realizado pela Huawei em parceria com a Oxford Economics, prevê que em 2025 a economia digital representará cerca de 24% do PIB mundial. O que é reforçado por um levantamento realizado pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento.

    O estudo demonstrou que nas últimas três décadas, para cada dólar investido em tecnologias digitais, são adicionados em média US $20,00 ao PIB mundial. 

    Ou seja, um retorno seis vezes maior que de investimentos em meios não digitais. Estes números podem ser ainda mais acentuados após o movimento pela transformação digital da economia durante a pandemia do coronavírus.

    Democratização e Economia Digital

    Essas tecnologias, abertas e escaláveis, possuem capacidade de facilitar a transformação dos negócios e dos clientes.

    Com a desmaterialização e a desmonetização, as inovações podem ser democratizadas por meio de preços baixos. Isso significa que mais pessoas terão acesso a elas e serão empoderadas pela tecnologia.

    No entanto, as mudanças na Economia Digital acontecem numa velocidade inédita. E cabe aos empreendedores refletirem:

    • O produto que você está criando hoje está pronto para essa realidade?
    • Será que ele vai sobreviver à próxima disrupção?
    • Ou será que a sua startup já está nascendo obsoleta?

    Portanto, fique atento aos conceitos de disrupção e tecnologias exponenciais no seu negócio e aplique-os.

    Streaming

    Economia Digital

    Mas nem só de compartilhamento vive a nova economia. O Streaming é um serviço que chegou com força. Muitos são pautados por assinaturas para consumo sem limites de música, ebooks, vídeo e informação.

    Neles, o cliente tem direito de ouvir/ler/ver uma quantidade praticamente ilimitada de conteúdos sem nunca possuí-los, sem nunca ser dono deles. Spotify, Amazon e Netflix são os expoentes nesse modelo de negócio que só se tornou viável com a disseminação da banda larga, principalmente em dispositivos móveis como smartphones.

    Showrooming

    Sabia que já é possível pesquisar e experimentar produtos em uma loja física e comprá-los por um preço mais barato em uma loja online?

    Esse fenômeno, conhecido como “Showrooming”, vem crescendo bastante, tirando o sono de varejistas em todo o mundo, e sendo debatido com grande intensidade nos últimos anos.

    Com essa modalidade é possível, por exemplo, monitorar a concorrência e identificar quais produtos estão com um preço muito acima do mercado. Além disso, a empresa pode oferecer outros produtos de interesse do comprador que estejam sobrando em estoque.

    Mercado financeiro

    Economia Digital

    Os impactos da Economia Digital não se limitam a serviços de streaming ou a tecnologias inovadoras. Eles também estão presentes no mercado financeiro.

    Exemplo disso são as criptmoedas. As moedas digitais quebraram a barreira do online e hoje já são aceitas como pagamento em diversos lugares.

    Criado em 2009, o Bitcoin é uma criptomoeda que independe de qualquer autoridade central e pode ser transferida sem a necessidade de mediação, uma vez que utiliza a tecnologia blockchain.

    Hoje já existem quase dois mil tipos. Confira como investir em Bitcoin.

    Medicina e Educação

    A impressão de órgãos, próteses, pele e ossos pode até parecer ficção científica, mas a união entre tecnologia e biologia já são possibilidades reais para a medicina. Uma das tendências mais modernas é a bioimpressão, técnica que utiliza células vivas como matéria-prima.

    Na educação, plataformas de cursos online são novos meios de transmissão. Tanto do conteúdo que já era produzido para aulas presenciais como para a abertura de novos cursos.

    Setor automotivo

    Automóveis elétricos são realidade em vários lugares do mundo com a Economia Digital. Outro projeto revolucionário no setor automotivo são os carros autônomos, que prometem um impacto imensurável na vida de todos.

    No caso, não só a indústria automobilística mudaria, como o mercado de seguros, uma vez que os acidentes com versões autônomas são mínimos. E até mesmo os serviços de estacionamentos, pois o carro ficará a maior parte do tempo em movimento.

    Energia

    Diversas inovações vêm surgindo no setor como forma de baratear os custos e de gerar energia de forma sustentável. Uma das soluções que ganha destaque na Economia Digital é a da empresa Semtive.

    A companhia desenvolveu um mini gerador, que utiliza placas solares e uma turbina eólica, capaz de fornecer energia suficiente para uma casa funcionar durante horas. Além disso, com essa solução será possível produzir sua própria energia e compartilhá-la com outras pessoas.

    Futuro com a Internet das Coisas

    A Internet das Coisas, ou IoT, muito provavelmente vai transcender processos e atividades conhecidas. Ela vai fazer a conectividade ativa entre sistemas e dispositivos.

    Em geral pequenos e móveis, eles vão trocar informações e tomar decisões com pouca ou nenhuma interferência humana.

    São eles: TVs, geladeiras, termostatos, relógios. Até roupas, carros, biochips e aparelhos inéditos transmitindo, analisando e distribuindo informações entre si.

    Economia Digital

    O que deve vir por aí?

    Smart wearables – Roupas e acessórios inteligentes. Elas vão monitorar o seu sono – temperatura, qualidade, tempo e respiração.

    Smart home – Casas totalmente conectadas. Portas automáticas, cozinhas inteligentes e todos os outros aparelhos. O acesso às casas será com a tecnologia de reconhecimento facial, combinada com câmeras de vigilância e uma rede cloud.

    Smart city – Cidades inteligentes. Elas serão aquelas onde a infraestrutura de serviços públicos será constantemente monitorada em tempo real. Isso vai permitir que ações sejam tomadas a partir da análise de dados que fluem de diversas origens.

    Smart environment – A tecnologia aplicada ao desenvolvimento agrícola. Essa é uma das áreas mais promissoras do mercado graças aos avanços da IoT.

    Desde sensores de umidade e temperatura que ligam a irrigação somente quando necessário, até o monitoramento de rebanhos por GPS que também dirige as grandes máquinas colheitadeiras e plantadeiras nas extensas plantações.

    Fique atento aos “novos trabalhos”

    Economia Digital

    No setor de serviços, alguns postos de trabalho estão sendo extintos pelo uso cada vez mais frequente dos softwares. Ou seja, profissões estão virando programas de computador.

    Novas profissões devem surgir e áreas relacionadas à tecnologia estarão em alta. O profissional do futuro deverá ser bastante analítico e com capacidade lógica.

    Isso será esperado nesse novo cenário. Já que existirá um grande volume de dados e o desafio será transformá-los em informação valiosa para a tomada de decisão. O FinanceOne já antecipou essa tendência: confira as tendências das profissões do futuro!

    Qual a importância de se adaptar às mudanças da economia digital?

    Diante de toda essa transformação, as empresas devem ficar cada vez mais atentas à nova economia digital. Afinal de contas, o cenário não é só de incorporação de tecnologias, mas também envolve a quebra de paradigmas e o comportamento do consumidor diante da realidade.

    Por exemplo, hoje em dia, grande parte das pessoas já prefere comprar pela internet. Mesmo nas compras presenciais, alguns clientes visitam o site da empresa, antes de irem até o estabelecimento.

    Ou seja, para sobreviver ao mercado, as empresas vão precisar se reinventar e aplicar em seus processos a lógica da economia digital, a fim de gerar inovação e gestão inteligente, com segurança, eficiência, otimização de processos e controle de custos de maneira assertiva.

    Desafios e soluções ela traz para as empresas

    A economia digital traz desafios e soluções para sua empresa. Confira quais são:

    1 – Análise de dados

    Com essa tendência, uma grande quantidade de dados está sendo gerada. Ela pode ser utilizada para trazer insights úteis para as empresas.

    Por exemplo, diante do comportamento dos clientes em um e-commerce em relação aos produtos que ele visualiza e põe no carrinho, é possível fazer uma análise preditiva sobre a demanda ou verificar a eficiência de uma ação de marketing feita recentemente.

    2 – Uso da tecnologia

    No entanto, para colher todos os benefícios, os negócios precisam investir continuamente em tecnologia. É preciso contar sempre com as principais e mais atuais tendências da transformação digital.

    Com o Big Data e a Inteligência Artificial, é possível monitorar e compreender diversos canais de contato com o cliente; com a Internet das Coisas, pode-se transformar a experiência do cliente; por meio dos ERPs, muitas tarefas manuais podem ser automatizadas e integradas a outras tecnologias.

    3 – Implementação de softwares

    Não é qualquer software que traz todos esses resultados. É preciso contar com a tecnologia de ponta. Para isso, muita pesquisa sobre as soluções precisa ser feita.

    Caso contrário, você terá um sistema que não entrega todas as promessas de insights e integração da transformação digital.

    Você gostou deste texto e ele foi relevante para você? Então siga o FinanceOne nas redes sociais e esteja sempre atualizado sobre o mercado financeiro. Estamos no FacebookInstagram e Linkedin.

    Leia mais no FinanceOne:

    Colaboração: Rafael Massadar

    O que achou disso?

    Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 1

    Seja o primeiro a avaliar este post.

    Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

    Diga-nos, como podemos melhorar?

    Redação
    Redação
    O FinanceOne é um site especializado em finanças. Desde 2003, publicamos conteúdos que buscam traduzir desde a influência do mercado financeiro no seu dia a dia até a simples economia dentro de casa. Nossa missão é mostrar que qualquer pessoa pode ter controle financeiro e fazer as escolhas certas. Assim como ter no dinheiro um aliado para viver bem e conquistar seus sonhos.

    Artigos Relacionados

    Assine nossa newsletter!

    Páginas Populares

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    InícioNotíciasEconomiaEconomia Digital: confira o que vem por aí!

    Economia Digital: confira o que vem por aí!

    5
    (1)

    A Economia Digital chegou com força. A internet transformou os negócios e a disrupção se faz necessária e cada vez mais frequente. Será que você e seu negócio estão preparados para essa realidade?

    Mudanças nas formas de consumo talvez tenham sido as mais importantes e perceptíveis proporcionadas pela nova economia.

    São diversos os exemplos das que já estão funcionando a todo vapor. O consumo colaborativo, a troca de experiências e de serviços específicos, de propriedade compartilhada, aluguel, compra coletiva.

    Passando também pela subscrição, pelo empréstimo, pelo micro financiamento, crowdfunding, crowdsourcing e outros mais.

    A tendência do compartilhamento de bens é tão forte que foi adotada não só por novas empresas que já nasceram na nova economia, como o Uber, mas também por empresas que já estão no mercado há anos.

    Existem outros exemplos: o Airbnb, onde as pessoas se hospedam em casas de outras pessoas sem ter necessariamente que ficar hospedados em hotéis tradicionais. O Zipcar, onde qualquer pessoa pode alugar carros de outras pessoas, sem precisar de uma locadora.

    Informações, produtos, serviços… Tudo tende a ser digital nessa nova era. Desde a leitura de notícias à realização de transações bancárias, tudo está sendo digitalizado e transformado constantemente.

    Impacto da Economia Digital na “economia real”

    Um estudo realizado pela Huawei em parceria com a Oxford Economics, prevê que em 2025 a economia digital representará cerca de 24% do PIB mundial. O que é reforçado por um levantamento realizado pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento.

    O estudo demonstrou que nas últimas três décadas, para cada dólar investido em tecnologias digitais, são adicionados em média US $20,00 ao PIB mundial. 

    Ou seja, um retorno seis vezes maior que de investimentos em meios não digitais. Estes números podem ser ainda mais acentuados após o movimento pela transformação digital da economia durante a pandemia do coronavírus.

    Democratização e Economia Digital

    Essas tecnologias, abertas e escaláveis, possuem capacidade de facilitar a transformação dos negócios e dos clientes.

    Com a desmaterialização e a desmonetização, as inovações podem ser democratizadas por meio de preços baixos. Isso significa que mais pessoas terão acesso a elas e serão empoderadas pela tecnologia.

    No entanto, as mudanças na Economia Digital acontecem numa velocidade inédita. E cabe aos empreendedores refletirem:

    • O produto que você está criando hoje está pronto para essa realidade?
    • Será que ele vai sobreviver à próxima disrupção?
    • Ou será que a sua startup já está nascendo obsoleta?

    Portanto, fique atento aos conceitos de disrupção e tecnologias exponenciais no seu negócio e aplique-os.

    Streaming

    Economia Digital

    Mas nem só de compartilhamento vive a nova economia. O Streaming é um serviço que chegou com força. Muitos são pautados por assinaturas para consumo sem limites de música, ebooks, vídeo e informação.

    Neles, o cliente tem direito de ouvir/ler/ver uma quantidade praticamente ilimitada de conteúdos sem nunca possuí-los, sem nunca ser dono deles. Spotify, Amazon e Netflix são os expoentes nesse modelo de negócio que só se tornou viável com a disseminação da banda larga, principalmente em dispositivos móveis como smartphones.

    Showrooming

    Sabia que já é possível pesquisar e experimentar produtos em uma loja física e comprá-los por um preço mais barato em uma loja online?

    Esse fenômeno, conhecido como “Showrooming”, vem crescendo bastante, tirando o sono de varejistas em todo o mundo, e sendo debatido com grande intensidade nos últimos anos.

    Com essa modalidade é possível, por exemplo, monitorar a concorrência e identificar quais produtos estão com um preço muito acima do mercado. Além disso, a empresa pode oferecer outros produtos de interesse do comprador que estejam sobrando em estoque.

    Mercado financeiro

    Economia Digital

    Os impactos da Economia Digital não se limitam a serviços de streaming ou a tecnologias inovadoras. Eles também estão presentes no mercado financeiro.

    Exemplo disso são as criptmoedas. As moedas digitais quebraram a barreira do online e hoje já são aceitas como pagamento em diversos lugares.

    Criado em 2009, o Bitcoin é uma criptomoeda que independe de qualquer autoridade central e pode ser transferida sem a necessidade de mediação, uma vez que utiliza a tecnologia blockchain.

    Hoje já existem quase dois mil tipos. Confira como investir em Bitcoin.

    Medicina e Educação

    A impressão de órgãos, próteses, pele e ossos pode até parecer ficção científica, mas a união entre tecnologia e biologia já são possibilidades reais para a medicina. Uma das tendências mais modernas é a bioimpressão, técnica que utiliza células vivas como matéria-prima.

    Na educação, plataformas de cursos online são novos meios de transmissão. Tanto do conteúdo que já era produzido para aulas presenciais como para a abertura de novos cursos.

    Setor automotivo

    Automóveis elétricos são realidade em vários lugares do mundo com a Economia Digital. Outro projeto revolucionário no setor automotivo são os carros autônomos, que prometem um impacto imensurável na vida de todos.

    No caso, não só a indústria automobilística mudaria, como o mercado de seguros, uma vez que os acidentes com versões autônomas são mínimos. E até mesmo os serviços de estacionamentos, pois o carro ficará a maior parte do tempo em movimento.

    Energia

    Diversas inovações vêm surgindo no setor como forma de baratear os custos e de gerar energia de forma sustentável. Uma das soluções que ganha destaque na Economia Digital é a da empresa Semtive.

    A companhia desenvolveu um mini gerador, que utiliza placas solares e uma turbina eólica, capaz de fornecer energia suficiente para uma casa funcionar durante horas. Além disso, com essa solução será possível produzir sua própria energia e compartilhá-la com outras pessoas.

    Futuro com a Internet das Coisas

    A Internet das Coisas, ou IoT, muito provavelmente vai transcender processos e atividades conhecidas. Ela vai fazer a conectividade ativa entre sistemas e dispositivos.

    Em geral pequenos e móveis, eles vão trocar informações e tomar decisões com pouca ou nenhuma interferência humana.

    São eles: TVs, geladeiras, termostatos, relógios. Até roupas, carros, biochips e aparelhos inéditos transmitindo, analisando e distribuindo informações entre si.

    Economia Digital

    O que deve vir por aí?

    Smart wearables – Roupas e acessórios inteligentes. Elas vão monitorar o seu sono – temperatura, qualidade, tempo e respiração.

    Smart home – Casas totalmente conectadas. Portas automáticas, cozinhas inteligentes e todos os outros aparelhos. O acesso às casas será com a tecnologia de reconhecimento facial, combinada com câmeras de vigilância e uma rede cloud.

    Smart city – Cidades inteligentes. Elas serão aquelas onde a infraestrutura de serviços públicos será constantemente monitorada em tempo real. Isso vai permitir que ações sejam tomadas a partir da análise de dados que fluem de diversas origens.

    Smart environment – A tecnologia aplicada ao desenvolvimento agrícola. Essa é uma das áreas mais promissoras do mercado graças aos avanços da IoT.

    Desde sensores de umidade e temperatura que ligam a irrigação somente quando necessário, até o monitoramento de rebanhos por GPS que também dirige as grandes máquinas colheitadeiras e plantadeiras nas extensas plantações.

    Fique atento aos “novos trabalhos”

    Economia Digital

    No setor de serviços, alguns postos de trabalho estão sendo extintos pelo uso cada vez mais frequente dos softwares. Ou seja, profissões estão virando programas de computador.

    Novas profissões devem surgir e áreas relacionadas à tecnologia estarão em alta. O profissional do futuro deverá ser bastante analítico e com capacidade lógica.

    Isso será esperado nesse novo cenário. Já que existirá um grande volume de dados e o desafio será transformá-los em informação valiosa para a tomada de decisão. O FinanceOne já antecipou essa tendência: confira as tendências das profissões do futuro!

    Qual a importância de se adaptar às mudanças da economia digital?

    Diante de toda essa transformação, as empresas devem ficar cada vez mais atentas à nova economia digital. Afinal de contas, o cenário não é só de incorporação de tecnologias, mas também envolve a quebra de paradigmas e o comportamento do consumidor diante da realidade.

    Por exemplo, hoje em dia, grande parte das pessoas já prefere comprar pela internet. Mesmo nas compras presenciais, alguns clientes visitam o site da empresa, antes de irem até o estabelecimento.

    Ou seja, para sobreviver ao mercado, as empresas vão precisar se reinventar e aplicar em seus processos a lógica da economia digital, a fim de gerar inovação e gestão inteligente, com segurança, eficiência, otimização de processos e controle de custos de maneira assertiva.

    Desafios e soluções ela traz para as empresas

    A economia digital traz desafios e soluções para sua empresa. Confira quais são:

    1 – Análise de dados

    Com essa tendência, uma grande quantidade de dados está sendo gerada. Ela pode ser utilizada para trazer insights úteis para as empresas.

    Por exemplo, diante do comportamento dos clientes em um e-commerce em relação aos produtos que ele visualiza e põe no carrinho, é possível fazer uma análise preditiva sobre a demanda ou verificar a eficiência de uma ação de marketing feita recentemente.

    2 – Uso da tecnologia

    No entanto, para colher todos os benefícios, os negócios precisam investir continuamente em tecnologia. É preciso contar sempre com as principais e mais atuais tendências da transformação digital.

    Com o Big Data e a Inteligência Artificial, é possível monitorar e compreender diversos canais de contato com o cliente; com a Internet das Coisas, pode-se transformar a experiência do cliente; por meio dos ERPs, muitas tarefas manuais podem ser automatizadas e integradas a outras tecnologias.

    3 – Implementação de softwares

    Não é qualquer software que traz todos esses resultados. É preciso contar com a tecnologia de ponta. Para isso, muita pesquisa sobre as soluções precisa ser feita.

    Caso contrário, você terá um sistema que não entrega todas as promessas de insights e integração da transformação digital.

    Você gostou deste texto e ele foi relevante para você? Então siga o FinanceOne nas redes sociais e esteja sempre atualizado sobre o mercado financeiro. Estamos no FacebookInstagram e Linkedin.

    Leia mais no FinanceOne:

    Colaboração: Rafael Massadar

    O que achou disso?

    Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 1

    Seja o primeiro a avaliar este post.

    Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

    Diga-nos, como podemos melhorar?