Cursos que transformam sua vida financeira
Mais
    InícioNotíciasCarreirasSaiba como fica o programa Jovem Aprendiz com a reforma trabalhista

    Saiba como fica o programa Jovem Aprendiz com a reforma trabalhista

    0
    (0)

    A Medida Provisória 1.045 (MP 1.045) está passando por novas mudanças para atender as necessidades causadas pela pandemia da Covid-19. Por conta dessas constantes alterações, surgiu a necessidade de criar uma nova reforma trabalhista, incluindo o programa Jovem Aprendiz.

    Publicidade

    O texto inicial previa o encerramento do programa, que é tão importante, já que ele insere os jovens no mercado de trabalho. E também é uma forma dessa parte da população conquistar o primeiro emprego.

    Porém, a Câmara dos Deputados aprovou um novo texto da proposta, justamente para evitar o fim das vagas do programa Jovem Aprendiz. Agora o texto segue para aprovação no Senado e, caso seja aprovado, seguirá para a sanção do presidente Jair Bolsonaro.

    Vale ressaltar ainda que a nova reforma trabalhista é derivada do BEm, que é o benefício criado durante a pandemia para os trabalhadores que tiveram os salários e a jornada de trabalho reduzida.

    Entenda como a nova reforma vai afetar o Jovem Aprendiz

    Uma das principais mudanças que pode afetar o programa Jovem Aprendiz é a criação do Regime Especial de Trabalho Incentivado, Qualificação e Inclusão Produtiva (Requip). E como funcionaria essa modalidade de trabalho?

    Seria um trabalho sem carteira assinada, com poucos direitos trabalhistas. O empregado receberia somente uma bolsa e vale-transporte, além de um curso de qualificação. E as empresas poderiam contratar jovens de 18 a 29 anos por meio desta modalidade.

    Publicidade

    Também seria possível contratar quem está desempregado há mais de dois anos e pessoas de baixa renda que estão inscritas em programas como o Bolsa Família.

    + Quem trabalha como jovem aprendiz tem direito ao FGTS?

    O primeiro texto da nova reforma apresentada pelo relator, o deputado Christino Áureo (PP-RJ), previa que os jovens de baixa renda seriam considerados pelo Requip somente para preencher a cota, obrigatória, existente para as empresas.

    Porém, os especialistas apontaram essa proposta como uma forma de substituir o Jovem Aprendiz por trabalhadores com menos direitos.

    Mas com a repercussão negativa, o texto foi alterado. Com isso, a regra segue sendo a mesma: médias e grandes empresas precisam contratar um número de Jovem Aprendiz de, no mínimo, 5% e, no máximo, 15% de funcionários em funções que precisam de formação profissional.

    Publicidade

    Jovem Aprendiz x Trabalhador Requip

    As diferenças entre o atual jovem aprendiz e as regras de um trabalhador pelo regime Requip são muitas. Entre elas, o fato do primeiro ter carteira assinada e o segundo não, o que já é o bastante para retirar muitos direitos.

    Ou seja, o Jovem Aprendiz tem mais direitos e benefícios. Por exemplo, por ter a carteira assinada, o aprendiz recebe os direitos trabalhistas e previdenciários. Além disso, também garante salário, 13º e férias. 

    Atendente preparando uma bebida em uma lanchonete
    O Jovem Aprendiz está sofrendo alterações por conta da MP 1.045

    Outro fator é que ele tem carga horária máxima de seis horas por dia. No caso do Requip, se ele trabalhar por 12 meses e o contrato for renovado, ganhará o direito de um recesso de 30 dias. No entanto, não tem 13º e nem adicional de férias.

    Além disso, o Requip também não conta com a famosa contribuição previdenciária. Mas, o trabalhador pode, por conta própria, acionar o INSS para contribuir e garantir um aporte. Mas ele não conta com o respaldo da contratação celetista, como os aprendizes.

    CNPG repudiou a tentativa de acabar com o programa de aprendiz

    A tentativa de barrar o programa Jovem Aprendiz não foi vista com bons olhos por diversos órgãos, parlamentares e instituições. Inclusive, o Conselho Nacional de Procuradores Gerais dos Ministérios Públicos dos Estados e da União (CNPG) criticou a ação.

    Publicidade

    Eles ainda repudiaram a tentativa de substituir o aprendiz pelo Requip, no qual consideram que são vagas precárias e sem as condições básicas de um trabalhador.

    Criado em 1943 e modernizado em 2000 com a Lei de Aprendizagem, o CNPG considera que o programa Jovem Aprendiz é um sucesso, com grande tradição no país, e não deve ser motivo de extinção.

    “O Requip se anuncia como uma modalidade de trabalho associada à qualificação profissional, mas ao revés de criar empregos e inclusão produtiva protegida da juventude no mercado de trabalho, a MP irá criar desemprego e trabalho precário avalizado e subsidiado pelo Estado”, disse o CNPG em nota.

    Gostou do artigo? Se acha que ele é útil, então compartilhe nas redes sociais para que mais pessoas possam tomar conhecimento do assunto.

    O que achou disso?

    Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

    Seja o primeiro a avaliar este post.

    Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

    Diga-nos, como podemos melhorar?

    Juliana Favorito
    Juliana Favorito
    Jornalista apaixonada em escutar e escrever histórias, mas que também tem uma queda pelo Marketing Digital. Com experiência em redação, social mídia e marketing ela gosta de sempre estar atualizada sobre a área da comunicação. E como uma boa carioca, não dispensa uma praia.

    Artigos Relacionados

    Assine nossa newsletter!

    Páginas Populares

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    InícioNotíciasCarreirasSaiba como fica o programa Jovem Aprendiz com a reforma trabalhista

    Saiba como fica o programa Jovem Aprendiz com a reforma trabalhista

    0
    (0)

    A Medida Provisória 1.045 (MP 1.045) está passando por novas mudanças para atender as necessidades causadas pela pandemia da Covid-19. Por conta dessas constantes alterações, surgiu a necessidade de criar uma nova reforma trabalhista, incluindo o programa Jovem Aprendiz.

    Publicidade

    O texto inicial previa o encerramento do programa, que é tão importante, já que ele insere os jovens no mercado de trabalho. E também é uma forma dessa parte da população conquistar o primeiro emprego.

    Porém, a Câmara dos Deputados aprovou um novo texto da proposta, justamente para evitar o fim das vagas do programa Jovem Aprendiz. Agora o texto segue para aprovação no Senado e, caso seja aprovado, seguirá para a sanção do presidente Jair Bolsonaro.

    Vale ressaltar ainda que a nova reforma trabalhista é derivada do BEm, que é o benefício criado durante a pandemia para os trabalhadores que tiveram os salários e a jornada de trabalho reduzida.

    Entenda como a nova reforma vai afetar o Jovem Aprendiz

    Uma das principais mudanças que pode afetar o programa Jovem Aprendiz é a criação do Regime Especial de Trabalho Incentivado, Qualificação e Inclusão Produtiva (Requip). E como funcionaria essa modalidade de trabalho?

    Seria um trabalho sem carteira assinada, com poucos direitos trabalhistas. O empregado receberia somente uma bolsa e vale-transporte, além de um curso de qualificação. E as empresas poderiam contratar jovens de 18 a 29 anos por meio desta modalidade.

    Publicidade

    Também seria possível contratar quem está desempregado há mais de dois anos e pessoas de baixa renda que estão inscritas em programas como o Bolsa Família.

    + Quem trabalha como jovem aprendiz tem direito ao FGTS?

    O primeiro texto da nova reforma apresentada pelo relator, o deputado Christino Áureo (PP-RJ), previa que os jovens de baixa renda seriam considerados pelo Requip somente para preencher a cota, obrigatória, existente para as empresas.

    Porém, os especialistas apontaram essa proposta como uma forma de substituir o Jovem Aprendiz por trabalhadores com menos direitos.

    Mas com a repercussão negativa, o texto foi alterado. Com isso, a regra segue sendo a mesma: médias e grandes empresas precisam contratar um número de Jovem Aprendiz de, no mínimo, 5% e, no máximo, 15% de funcionários em funções que precisam de formação profissional.

    Publicidade

    Jovem Aprendiz x Trabalhador Requip

    As diferenças entre o atual jovem aprendiz e as regras de um trabalhador pelo regime Requip são muitas. Entre elas, o fato do primeiro ter carteira assinada e o segundo não, o que já é o bastante para retirar muitos direitos.

    Ou seja, o Jovem Aprendiz tem mais direitos e benefícios. Por exemplo, por ter a carteira assinada, o aprendiz recebe os direitos trabalhistas e previdenciários. Além disso, também garante salário, 13º e férias. 

    Atendente preparando uma bebida em uma lanchonete
    O Jovem Aprendiz está sofrendo alterações por conta da MP 1.045

    Outro fator é que ele tem carga horária máxima de seis horas por dia. No caso do Requip, se ele trabalhar por 12 meses e o contrato for renovado, ganhará o direito de um recesso de 30 dias. No entanto, não tem 13º e nem adicional de férias.

    Além disso, o Requip também não conta com a famosa contribuição previdenciária. Mas, o trabalhador pode, por conta própria, acionar o INSS para contribuir e garantir um aporte. Mas ele não conta com o respaldo da contratação celetista, como os aprendizes.

    CNPG repudiou a tentativa de acabar com o programa de aprendiz

    A tentativa de barrar o programa Jovem Aprendiz não foi vista com bons olhos por diversos órgãos, parlamentares e instituições. Inclusive, o Conselho Nacional de Procuradores Gerais dos Ministérios Públicos dos Estados e da União (CNPG) criticou a ação.

    Publicidade

    Eles ainda repudiaram a tentativa de substituir o aprendiz pelo Requip, no qual consideram que são vagas precárias e sem as condições básicas de um trabalhador.

    Criado em 1943 e modernizado em 2000 com a Lei de Aprendizagem, o CNPG considera que o programa Jovem Aprendiz é um sucesso, com grande tradição no país, e não deve ser motivo de extinção.

    “O Requip se anuncia como uma modalidade de trabalho associada à qualificação profissional, mas ao revés de criar empregos e inclusão produtiva protegida da juventude no mercado de trabalho, a MP irá criar desemprego e trabalho precário avalizado e subsidiado pelo Estado”, disse o CNPG em nota.

    Gostou do artigo? Se acha que ele é útil, então compartilhe nas redes sociais para que mais pessoas possam tomar conhecimento do assunto.

    O que achou disso?

    Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

    Seja o primeiro a avaliar este post.

    Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

    Diga-nos, como podemos melhorar?