Medo do desemprego diminui, diz pesquisa | FinanceOne

Medo do desemprego diminui, diz pesquisa

Escrito por: Rafael Massadar em 10 de outubro de 2019

Depois de dois aumentos consecutivos, o medo do desemprego diminui. É o que aponta o Índice de Medo do Desemprego da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

De acordo com a pesquisa, caiu 1,1 ponto em relação a junho e ficou em 58,2 pontos em setembro.

Com isso, o indicador está 7,5 pontos abaixo do registrado em setembro do ano passado.

Medo do desemprego
Receio do desemprego é menor em 2019

No entanto, continua acima da média histórica, que é de 50,1 pontos. Isso porque o indicador varia de zero a cem pontos.

Quanto mais alto o índice, maior é o medo do desemprego.

Onde o medo do desemprego caiu?

A maior queda no medo do desemprego foi verificada entre as pessoas com menor escolaridade e renda.

Principalmente, entre os que têm até a quarta série do ensino fundamental.

Para essas pessoas, o indicador caiu 5,4 pontos e saiu de 65,1 pontos em junho para 59,7 pontos em setembro.

Entre os que recebem até um salário mínimo, o medo do desemprego recuou 4 pontos. Portanto, passando de 72,8 em junho para 68,8 em setembro.

O medo do desemprego, contudo, é maior entre os moradores da região Nordeste. Onde alcançou 69,7 pontos.

A região foi a única a registrar aumento do medo do desemprego em setembro.

O receio é menor no Sul, na qual o indicador ficou em 47,7 pontos. No Sudeste, foi de 58,5 pontos e, no Norte/Centro-Oeste, de 49,3 pontos.

Satisfação com a vida aumenta

A pesquisa da CNI também mostra o grau de satisfação dos brasileiros com a vida.

O Índice de Satisfação com a Vida alcançou 69 pontos em setembro, 1,6 ponto acima do de junho.

O indicador, que é 3,1 pontos superior ao de setembro do ano passado, também está abaixo da média histórica de 69,6 pontos.

A satisfação com a vida aumentou em todas as regiões do país.

O indicativo é maior no Sul, onde alcançou 71 pontos. No Nordeste, ficou em 68,1 pontos, no Sudeste foi de 68,8 pontos e, no Norte/Centro-Oeste, de 68,6 pontos.

Datafolha: 44% acham que desemprego vai piorar

Uma pesquisa recente do Datafolha mostra uma realidade um pouco diferente. De acordo com os dados, 44% dos brasileiros acham que o desemprego vai piorar.

Na mesma apuração, os 46% do entrevistados entendem que a inflação vai aumentar e 59% acreditam em crise longa.

Em contrapartida, 40% dos entrevistados dizem que a situação econômica do país vai melhorar. Além disso, 51% creem em uma vida econômica melhor.

As respostas sobre desemprego foram:

-> Vai piorar: 44%
-> Vai diminuir: 31%
-> Ficará como está: 23%

Sobre a situação econômica no Brasil:

-> Vai melhorar: 40%
-> Vai piorar: 26%
-> Ficará como está: 31%
-> Não sabem: 3%

Sua vida econômica vai melhorar?

-> Vai melhorar: 51%
-> Vai piorar: 14%

Vale ressaltar, no entanto, que a taxa de desemprego recuou para 11,8% em agosto deste ano.

O índice é inferior aos 12,1% do mesmo período do ano passado e aos 12,3% do trimestre em maio deste ano.

Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Rafael Massadar

Jornalista com experiência em redação com pós-graduação em Comunicação Empresarial e Transmídia. Atualmente trabalho como assessor de imprensa.

Deixe uma resposta

Precisa converter?

A calculadora de conversão do FinanceOne fornece os últimos valores cotados para diversas moedas. Acesse agora!

Converter agora

Posts relacionados

Quem pode ter máquina de cartão de crédito?
Confira benefícios além do auxílio emergencial
FGTS rende mais que a Selic
cartão de crédito
Cartão de crédito: como funciona e como usar melhor