Conversor de moedas

Veja a cotação do Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.

Latam - Ofertas Imperdíveis

População está mais otimista com economia brasileira

Escrito por: Redação em 24 de abril de 2018

Parece que a crise financeira passou. Ou pelo menos está indo embora aos poucos. Apesar de inúmeras dificuldades enfrentadas diariamente pelos brasileiros, a crença é um melhora é real. E sim, a população está mais otimista com a economia brasileira.

No estudo realizado pelo Instituto de Pesquisas Datafolha, a opinião da maioria da população entrevistada, 55%, acredita que a inflação irá subir nos próximos meses. Apenas 12% acreditam que irá diminuir. Além disso, 28% dos entrevistados acreditam que a inflação ficará como está e 6% preferiram não opinar.

A pesquisa do Datafolha “Avaliação Temer e expectativas econômicas”, dos dias 29 e 30 de janeiro, ainda apontou que que 70% reprovam o governo do presidente Michel Temer. Essa parcela dos entrevistados acredita que o governo é considerado ruim ou péssimo, semelhante ao índice verificado em novembro de 2017, quando foram 71%.

O índice de aprovação atual é de 6%, enquanto em novembro era 5%. Do total de entrevistados, 22% consideram regular e 2% não opinaram. A região onde a rejeição ao governo de Temer é maior é o Nordeste, com 80% de reprovação.

Outro item crítico na situação atual do país é o desemprego. E as expectativas ainda são um pouco otimistas nesse caso. Do total da população, 47% acredita que o índice de desemprego irá aumentar daqui para frente, enquanto 23%, que irá diminuir. Outros 26% acreditam que irá permanecer como está.

Sobre o índice de desemprego, 4% preferiu não opinar. Em novembro de 2017, 50% apontavam para alta no desemprego, contra os 47% de agora. E esse índice vem caindo, já que em novembro de 2015 chegou a 76%.

População está mais otimista com a economia brasileira
População otimista com a economia brasileira, segundo estudo realizado pelo Instituto de Pesquisa Datafolha

Maioria acha que poder de compra ficará estável

Ainda segundo o estudo do Datafolha, 38% acreditam que o poder de compra ficará estável. Outros 37% dos entrevistados acreditam que o poder de compra dos salários será reduzido nos próximos meses, enquanto 22% acreditam na alta. Quatro por centro preferiu não opinar.

Neste mês de abril, o Banco Central (BC) divulgou hoje o Relatório de Estabilidade Financeira (REF), do segundo semestre de 2017. O relatório apontou que, em 2017, houve sim a retomada do crescimento da economia brasileira. Esse crescimento deu-se com a queda da inflação, redução da taxa básica de juros e melhora no nível de empregos.

Os avanços na economia brasileira ainda em 2017 propiciaram melhorias, como avanço no crédito bancário a famílias, em quase todas as linhas de crédito. Isso foi possível com a redução das taxas médias de juros cobradas e também dos índices de inadimplência. De acordo com o BC,

“Motivo de atenção nos últimos três semestres, o volume de reestruturações do crédito imobiliário recuou, com diminuição dos riscos à estabilidade financeira”.

Para empreendedores também foram boas as notícias. O crédito às pequenas e médias empresas (PMEs) teve sinais de melhora, ocorrido com a queda na inadimplência e na participação dos ativos problemáticos no total da carteira de crédito do segmento. A queda ocorreu na concessão de crédito bancário a grandes corporações. Porém, o mercado de capitais e o externo ganharam importância como fontes de financiamento no setor.

Os bancos também foram beneficiados. A redução do risco de crédito às famílias e às PMEs propiciou queda das despesas de provimento, beneficiando a rentabilidade dessas instituições. O sistema bancário manteve-se apto a cobrir o risco de crédito e melhorou os índices de capitalização e alavancagem.

Economia brasileira está mais preparada

Ainda segundo o relatório do Banco Central, o risco de liquidez apresenta pouca preocupação para o sistema bancário. O estudo conclui também que está confiante na capacidade do atual sistema financeiro em absorver choques. As principais preocupações agora, segundo o BC, passam a ser o cenário político e o risco fiscal.

No relatório do Banco Central, os estoques de ativos existentes “são suficientes para honrar saídas abruptas de recursos em eventuais cenários de estresse no curto prazo”. Com a atual estrutura de de captação e aplicação, a vulnerabilidade das instituições financeiras é reduzida. Por isso que o risco de liquidez permanece não sendo ainda de uma preocupação relevante.

A melhora na economia brasileira também foi apontada pelo Fundo Monetário Internacional. De acordo com o FMI, o PIB (Produto Interno Bruto do Brasil) em 2018 será maior do que o esperado. Além disso, segundo o relatório do Fundo Monetário Internacional, a economia brasileira deverá avançar 2,3% neste ano. Reforçando a perspectiva com opinião da pesquisa Datafolha e o relatório do Banco Central.

Conclusão

Para manter a linha de crédito saudável, você saber responder sobre a importância da educação financeira? Não é a questão de ficar ou não rico, mas ter disciplina e manter um equilíbrio em suas próprias finanças. Diante das boas perspectivas, é preciso saber como administrar seu dinheiro com inteligência. E mais: conseguir controlar o orçamento é também esse.

Redação

Criado em 2003, o FinanceOne é um site especializado em finanças. Desde a influência do mercado financeiro no seu dia a dia até a simples economia dentro de casa.

Deixe uma resposta

Precisa converter?

A calculadora de conversão do FinanceOne fornece os últimos valores cotados para diversas moedas. Acesse agora!

Converter agora

Posts relacionados

Opções para plano de saúde de cachorro
trabalho temporário no fim do ano
economia da china
procura por cursos de games no país
Lucro do FGTS