Cursos que transformam sua vida financeira
Mais
    InícioNotíciasFinanças PessoaisSaúde financeira: entenda a relação com a saúde mental

    Saúde financeira: entenda a relação com a saúde mental

    5
    (2)

    Saúde financeira e saúde mental. Não tem como falar de uma sem a outra. Até porque as dívidas estão impactando a saúde mental dos brasileiros.

    Publicidade

    É o que diz o levantamento da SPC Brasil em parceria com a CNDL, que aponta que 69% dos inadimplentes sofrem de ansiedade por não conseguir honrar suas dívidas.

    Outros problemas físicos e mentais também são constatados. Entre eles:

    – Forte sentimento de insegurança (65%);

    – Angústia (61%);

    – Desânimo (58%);

    Publicidade

    – Sentimento de culpa (57%);

    – Baixa autoestima (56%).

    No âmbito social, as dívidas também atrapalham as interações. Isso porque o mesmo estudo aponta que mais da metade (51%) dos brasileiros que não consegue pagar suas dívidas se sente envergonhada perante a família e amigos por conta da situação.

    Pesquisadores das universidades de Southampton e Kingston, no Reino Unido, também fizeram pesquisa relacionando a saúde mental com a saúde financeira.

    Na análise, a primeira de que se tem notícia sobre esse assunto, foram combinados estatisticamente os resultados de estudos anteriores que envolveram cerca de 34 mil participantes e suas dívidas.

    Publicidade

    Os resultados mostraram que as pessoas endividadas têm três vezes mais propensão a ter um problema de saúde mental que aquelas que não têm dívidas.

    Saúde financeira com problemas: quais reações?

    A investigação publicada no ClinicalPsychologyReview evidenciou que um quarto dos participantes que tinham dívidas experimentou algum tipo de problema mental. Especialmente depressão, dependência às drogas e psicoses, além de expressar uma maior predisposição ao suicídio.

    As dívidas consideradas no estudo se relacionam com pagamentos adiados dos cartões de crédito, empréstimos ou hipotecas. Por sua vez, menos de 9% dos participantes sem problemas de saúde mental estavam com dívidas, em comparação com mais de 25% dos participantes endividados que apresentavam um problema de saúde mental.

    Um levantamento da SPC Brasil aponta também que a falta de dinheiro para pagar as contas atrapalha a produtividade de pelo menos um quarto dos inadimplentes (25%). Já 21% disseram que se tornam pessoas mais impacientes e irritadas com os colegas de trabalho.

    Como quitar as dívidas
    Para cuidar da sua saúde financeira, também é preciso cuidar da saúde mental

    A situação chega a interferir nas relações familiares e de trabalho. Entre os entrevistados, 18% disseram que já agrediram verbalmente pessoas próximas da família e amigos devido à impaciência com a própria situação financeira.

    Publicidade

    E 14% já chegaram a agredir pessoas fisicamente pelo mesmo motivo.

    O levantamento indica ainda que o maior temor dos inadimplentes em relação às suas dívidas é não conseguir honrá-las (36%), seguido de ser considerado desonesto por isso (11%), ter dificuldade em parcelar suas compras (9%), não conseguir emprego (9%) e não pode mais fazer empréstimos (7%).

    A saúde mental acaba afetando as decisões financeiras

    E o contrário também acontece. Isso porque quando uma pessoa está com problemas emocionais, tende a tomar decisões que não são tão favoráveis para as finanças. Algumas pessoas costumam gastar mais nessas horas.

    Para se ter uma ideia, de acordo com o estudo Mind over Money, da Capital One e da The Decision Lab, o estresse impacta de forma negativa a capacidade que uma pessoa tem de tomar decisões financeiras de forma racional. 

    Dessa forma, quando se está estressado, a pessoa tem menos controle, o que acaba fazendo com que ela não consiga economizar e, consequentemente, torna a pessoa mais impulsiva nas compras.

    Outra informação importante que o Money and Mental Health Policy Institute apresenta é que as pessoas que possuem problemas de saúde mental têm três vezes mais probabilidade de ter dívidas do que as que não têm.

    E assim como as finanças afetam a saúde mental, o mesmo acontece de forma contrária. Mas é possível solucionar e manter a sua saúde, como um todo, equilibrada. 

    Um conselho para quem tem problemas emocionais é procurar a ajuda de um médico especialista, como um psicólogo para realizar um tratamento. Mas também é importante que você mantenha as suas finanças e gastos controlados.

    Planejamento Financeiro

    Para evitar as doenças causadas pela ausência de controle financeiro comece a adquirir o controle sobre suas finanças. O primeiro passo é: corte e reduza despesas para melhorar a sua saúde financeira.

    Avalie no seu orçamento quais despesas podem ser eliminadas, mesmo que temporariamente, e as que você consegue reduzir.

    Vigie o consumo de água, gás, energia elétrica. Avalie seu pacote do celular, reveja alguns hábitos de consumo no supermercado. Você vai sentir a diferença!

    Outra boa medida é buscar alternativas de renda. Existe alguma atividade que você faça bem e que possa lhe garantir um dinheiro extra?

    Aulas de violão, idioma ou reforço escolar, tradução e revisão de textos, passeio com cães da vizinhança, produção de bijuterias. Coloque sua criatividade para funcionar e garanta um reforço no seu orçamento.

    mulher preocupada com as finanças
    Procurar a ajuda de um profissional ajuda tanto na saúde mental quanto na financeira

    Por fim, evite contrair empréstimos para quitar dívidas. Opte por este caminho somente se não houver alternativa. Lembre-se: uma dívida leva à outra. O mais seguro, neste caso, é que você negocie suas pendências e corte o máximo possível de custos.

    Para cuidar do seu bolso, atenção:

    – Mantenha seu orçamento sob controle;

    – Estabeleça um plano de pagamento de dívidas em atraso: renegocie e evite o acúmulo de parcelas e efeito dos juros;

    – Fuja das compras por impulso;

    – Pague sempre o valor total da fatura do cartão, na data correta;

    – Evite utilizar o limite do seu cheque especial.

    Para cuidar da sua saúde mental, confira:

    – Pratique meditação e exercícios físicos;

    – Priorize manter boas noites de sono;

    – Fale abertamente sobre a sua situação com alguém;

    – Esteja atento aos sinais que o seu corpo lhe dá;

    – Descubra como lidar com distúrbios financeiros.

    Gostou do conteúdo? Compartilhe com um amigo que esteja com problemas financeiros e ache que isso está afetando a sua saúde mental! 

    O que achou disso?

    Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 2

    Seja o primeiro a avaliar este post.

    Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

    Diga-nos, como podemos melhorar?

    Redação
    Redação
    O FinanceOne é um site especializado em finanças. Desde 2003, publicamos conteúdos que buscam traduzir desde a influência do mercado financeiro no seu dia a dia até a simples economia dentro de casa. Nossa missão é mostrar que qualquer pessoa pode ter controle financeiro e fazer as escolhas certas. Assim como ter no dinheiro um aliado para viver bem e conquistar seus sonhos.

    Artigos Relacionados

    Assine nossa newsletter!

    Páginas Populares

    1 COMENTÁRIO

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    InícioNotíciasFinanças PessoaisSaúde financeira: entenda a relação com a saúde mental

    Saúde financeira: entenda a relação com a saúde mental

    5
    (2)

    Saúde financeira e saúde mental. Não tem como falar de uma sem a outra. Até porque as dívidas estão impactando a saúde mental dos brasileiros.

    Publicidade

    É o que diz o levantamento da SPC Brasil em parceria com a CNDL, que aponta que 69% dos inadimplentes sofrem de ansiedade por não conseguir honrar suas dívidas.

    Outros problemas físicos e mentais também são constatados. Entre eles:

    – Forte sentimento de insegurança (65%);

    – Angústia (61%);

    – Desânimo (58%);

    Publicidade

    – Sentimento de culpa (57%);

    – Baixa autoestima (56%).

    No âmbito social, as dívidas também atrapalham as interações. Isso porque o mesmo estudo aponta que mais da metade (51%) dos brasileiros que não consegue pagar suas dívidas se sente envergonhada perante a família e amigos por conta da situação.

    Pesquisadores das universidades de Southampton e Kingston, no Reino Unido, também fizeram pesquisa relacionando a saúde mental com a saúde financeira.

    Na análise, a primeira de que se tem notícia sobre esse assunto, foram combinados estatisticamente os resultados de estudos anteriores que envolveram cerca de 34 mil participantes e suas dívidas.

    Publicidade

    Os resultados mostraram que as pessoas endividadas têm três vezes mais propensão a ter um problema de saúde mental que aquelas que não têm dívidas.

    Saúde financeira com problemas: quais reações?

    A investigação publicada no ClinicalPsychologyReview evidenciou que um quarto dos participantes que tinham dívidas experimentou algum tipo de problema mental. Especialmente depressão, dependência às drogas e psicoses, além de expressar uma maior predisposição ao suicídio.

    As dívidas consideradas no estudo se relacionam com pagamentos adiados dos cartões de crédito, empréstimos ou hipotecas. Por sua vez, menos de 9% dos participantes sem problemas de saúde mental estavam com dívidas, em comparação com mais de 25% dos participantes endividados que apresentavam um problema de saúde mental.

    Um levantamento da SPC Brasil aponta também que a falta de dinheiro para pagar as contas atrapalha a produtividade de pelo menos um quarto dos inadimplentes (25%). Já 21% disseram que se tornam pessoas mais impacientes e irritadas com os colegas de trabalho.

    Como quitar as dívidas
    Para cuidar da sua saúde financeira, também é preciso cuidar da saúde mental

    A situação chega a interferir nas relações familiares e de trabalho. Entre os entrevistados, 18% disseram que já agrediram verbalmente pessoas próximas da família e amigos devido à impaciência com a própria situação financeira.

    Publicidade

    E 14% já chegaram a agredir pessoas fisicamente pelo mesmo motivo.

    O levantamento indica ainda que o maior temor dos inadimplentes em relação às suas dívidas é não conseguir honrá-las (36%), seguido de ser considerado desonesto por isso (11%), ter dificuldade em parcelar suas compras (9%), não conseguir emprego (9%) e não pode mais fazer empréstimos (7%).

    A saúde mental acaba afetando as decisões financeiras

    E o contrário também acontece. Isso porque quando uma pessoa está com problemas emocionais, tende a tomar decisões que não são tão favoráveis para as finanças. Algumas pessoas costumam gastar mais nessas horas.

    Para se ter uma ideia, de acordo com o estudo Mind over Money, da Capital One e da The Decision Lab, o estresse impacta de forma negativa a capacidade que uma pessoa tem de tomar decisões financeiras de forma racional. 

    Dessa forma, quando se está estressado, a pessoa tem menos controle, o que acaba fazendo com que ela não consiga economizar e, consequentemente, torna a pessoa mais impulsiva nas compras.

    Outra informação importante que o Money and Mental Health Policy Institute apresenta é que as pessoas que possuem problemas de saúde mental têm três vezes mais probabilidade de ter dívidas do que as que não têm.

    E assim como as finanças afetam a saúde mental, o mesmo acontece de forma contrária. Mas é possível solucionar e manter a sua saúde, como um todo, equilibrada. 

    Um conselho para quem tem problemas emocionais é procurar a ajuda de um médico especialista, como um psicólogo para realizar um tratamento. Mas também é importante que você mantenha as suas finanças e gastos controlados.

    Planejamento Financeiro

    Para evitar as doenças causadas pela ausência de controle financeiro comece a adquirir o controle sobre suas finanças. O primeiro passo é: corte e reduza despesas para melhorar a sua saúde financeira.

    Avalie no seu orçamento quais despesas podem ser eliminadas, mesmo que temporariamente, e as que você consegue reduzir.

    Vigie o consumo de água, gás, energia elétrica. Avalie seu pacote do celular, reveja alguns hábitos de consumo no supermercado. Você vai sentir a diferença!

    Outra boa medida é buscar alternativas de renda. Existe alguma atividade que você faça bem e que possa lhe garantir um dinheiro extra?

    Aulas de violão, idioma ou reforço escolar, tradução e revisão de textos, passeio com cães da vizinhança, produção de bijuterias. Coloque sua criatividade para funcionar e garanta um reforço no seu orçamento.

    mulher preocupada com as finanças
    Procurar a ajuda de um profissional ajuda tanto na saúde mental quanto na financeira

    Por fim, evite contrair empréstimos para quitar dívidas. Opte por este caminho somente se não houver alternativa. Lembre-se: uma dívida leva à outra. O mais seguro, neste caso, é que você negocie suas pendências e corte o máximo possível de custos.

    Para cuidar do seu bolso, atenção:

    – Mantenha seu orçamento sob controle;

    – Estabeleça um plano de pagamento de dívidas em atraso: renegocie e evite o acúmulo de parcelas e efeito dos juros;

    – Fuja das compras por impulso;

    – Pague sempre o valor total da fatura do cartão, na data correta;

    – Evite utilizar o limite do seu cheque especial.

    Para cuidar da sua saúde mental, confira:

    – Pratique meditação e exercícios físicos;

    – Priorize manter boas noites de sono;

    – Fale abertamente sobre a sua situação com alguém;

    – Esteja atento aos sinais que o seu corpo lhe dá;

    – Descubra como lidar com distúrbios financeiros.

    Gostou do conteúdo? Compartilhe com um amigo que esteja com problemas financeiros e ache que isso está afetando a sua saúde mental! 

    O que achou disso?

    Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 2

    Seja o primeiro a avaliar este post.

    Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

    Diga-nos, como podemos melhorar?