Conversor de moedas

Veja a cotação do Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.

Selic cai para 6%: quais os motivos e o que muda?

Escrito por: Rafael Massadar em 2 de agosto de 2019

A taxa básica de juros da economia Selic cai para 6% e você está se perguntando: e agora? O que muda?

Afinal, você deve ter visto em todos os noticiários que o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) decidiu, por unanimidade, reduzir a Selic de 6,50% para 6,00% ao ano.

Este é o primeiro corte da taxa após 16 meses. Ele interrompe sequência de dez reuniões consecutivas de manutenção dos juros.

Tesouro Direto Selic

No entanto, para saber a resposta do que muda, primeiro você tem que entender o que é a Selic. Ela, em poucas palavras, é a taxa básica de juros da economia.

É o principal instrumento de política monetária utilizado pelo BC para controlar a inflação.

Ela influencia todas as taxas de juros do país, tais quais as taxas de juros dos empréstimos, dos financiamentos e das aplicações financeiras.

Selic cai para 6%: quais os motivos?

O professor de MBA da Fundação Getulio Vargas (FGV) Mauro Rochlin explica que um dos principais motivos foi a aprovação da Reforma da Previdência.

Outro motivo, para o economista, é a forte ancoragem das expectativas inflacionárias.

Rochlin diz que o relatório Focus divulgado no final de julho indica que o mercado espera inflação abaixo da meta nos próximos três anos.

No ano, o IPCA exibe taxa de 2,4% e o acumulado de doze meses não passa de 3,3%.

O centro da meta de inflação perseguida pelo BC este ano é de 4,25%, com margem de tolerância de 1,5 ponto porcentual (índice de 2,75% a 5,75%).

Para 2020, a meta é de 4,00%, com margem de 1,5 ponto (de 2,5% a 5,5%).

No caso de 2021, a meta é de 3,75%, com margem de 1,5 ponto (2,25% a 5,25%). Já a meta de 2022 é de 3,50%, com margem de 1,5 ponto (2,00% a 5,00%).

Decisão do FED também corta a taxa básica de juros do país

O Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos, também cortou a taxa básica de juros do país, para entre 2% e 2,25%.

Esse é o primeiro corte na taxa desde 2008, quando chegou ao piso de 0 a 0,25%.

Essa é uma boa notícia para a economia brasileira e a Selic cai de olho na menor atratividade dos títulos norte-americanos. É o que diz o professor da FGV, Mauro Rochlin.

Segundo ele, esse fator pode impulsionar a compra de títulos brasileiros, e isso, por sua vez, incentivaria a venda de dólares no Brasil.

“Na sequência, com a queda do dólar, haveria uma redução no custo dos produtos importados, o que, ocorrendo, ajudaria a segurar a inflação. Assim, a queda da taxa de juros norte-americana seria o segundo fator”, indica o economista.

Consumo das famílias continua deprimido

A Selic cai também em função da fraqueza da economia, principalmente pelo consumo das famílias, principal componente da demanda agregada (60% do total), que permanece deprimido.

Mauro Rochlin ressalta que alta taxa de desemprego, de um lado, e elevado nível de endividamento das famílias, de outro, limitam uma retomada mais rápida do consumo.

Portanto, com renda e crédito estagnados, diminuem as chances de uma pressão inflacionária mais severa, diz o economista da FGV.

Afinal, a Intenção de Consumo das Famílias (ICF), medida pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), recuou. Uma queda de 1,7% na passagem de junho para julho deste ano.

O indicador, portanto, chegou a 89,8 pontos, em uma escala de zero a 200 pontos. O que representa a quinta queda consecutiva.

Por isso, ao justificar a decisão, o BC avaliou que a evolução do cenário básico e, em especial, do balanço de riscos prescreve ajuste no grau de estímulo monetário.

Outros fatores apontados pelo professor da FGV

Mauro Rochlin destaca o comportamento dos chamados “preços estratégicos”, que têm apresentado bom desempenho.

São eles: alimentos, energia e combustíveis, itens que representam pesos consideráveis nos indicadores de preços.

De acordo com o economista, a oferta desses produtos tem se mantido estável. Portanto, sem previsão de alteração relevante.

Por fim, o professor da FGV sustenta que a recente valorização cambial também serve de motivo para a queda dos juros.

“Como a alta do real barateia o custo de importação, e como isso tende a desfazer pressões inflacionárias, supõe-se que a queda do dólar também favoreça a queda da taxa Selic”, indica Mauro Rochlin.

O economista, no entanto, pondera que a Selic cai após um longo período de estabilidade. E que a tendência pode ser o início de um novo ciclo de queda.

De olho nos investimentos!

A Selic cai e você tem que ficar atento aos seus investimentos. Isso porque quem tem títulos de renda fixa prefixados e atrelados à inflação vai perder dinheiro.

Ou seja, para quem tem fundo DI, Tesouro Selic, títulos bancários pós-fixados com proteção do FGC (CDB, LCI ou LCA, por exemplo) ou poupança, o momento não será bom para rentabilidade. Ou seja, você verá sua rentabilidade minguar ainda mais.

A boa notícia é para os ativos de risco. Além dos títulos com remuneração prefixada, um cenário de juro mais baixo é favorável.

Portanto, o investidor que não conhece bem o funcionamento da Bolsa deve começar suas aplicações por meio de um fundo de ações. Há ainda a opção dos fundos multimercados.

Outra boa opção são os produtos que têm rendimentos isentos de Imposto de Renda. Tais quais fundos imobiliários e os fundos de debêntures (títulos emitidos por empresas) de infraestrutura.

Rafael Massadar

Jornalista com experiência em redação com pós-graduação em Comunicação Empresarial e Transmídia. Atualmente trabalho como assessor de imprensa.

Deixe um comentário

Precisa converter?

A calculadora de conversão do FinanceOne fornece os últimos valores cotados para diversas moedas. Acesse agora!

Converter agora

Posts relacionados

Opções para plano de saúde de cachorro
trabalho temporário no fim do ano
economia da china
procura por cursos de games no país
calendário de saques do FGTS