Conversor de moedas

Veja a cotação do Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.

Vale a pena vender o carro para investir?

Escrito por: Rafael Massadar em 27 de fevereiro de 2019

Já pensou em vender o carro para investir? Esse pode ser o ponto de partida para fazer algum tipo de aplicação financeira em 2019.

Apesar de ainda ser o principal meio de transporte utilizado pelos brasileiros, a economia com sua venda pode representar um alívio para seu bolso e uma forma de ganhar dinheiro. Afinal, os gastos com um automóvel vão além do combustível.

Pense bem: ao longo da vida útil do carro, será preciso desembolsar uma boa quantia com manutenção, IPVA e seguro, entre outros gastos. Talvez por isso, cada vez mais aumenta o uso de aplicativos de mobilidade.

É o que aponta a pesquisa do Viva Real, empresa do Grupo ZAP. Ela revela que 52% dos brasileiros já utilizam aplicativos para deslocamento.

Outro estudo feito pelo Denatran (Departamento Nacional de Trânsito) em 2018 aponta que o interesse pela CNH caiu 20,6% entre os jovens na faixa dos 18 aos 21 anos.

vender o carro para investir

Gasto x investimento

Possuir um carro é o sonho de muitos brasileiros. Há quem trabalhe duro para conseguir juntar a quantia necessária para realizar esse desejo.

No entanto, o automóvel pode ser um problema para o seu orçamento. Afinal, deve-se planejar os gastos que o carro traz consigo.

São impostos, licenças, além do combustível e da manutenção preventiva. Fatores indispensáveis para rodar tranquilo com seu veículo pelas ruas e estradas do país.

Portanto, para, finalmente, calcular a média dos seus gastos com o automóvel, é interessante buscar ajuda da tecnologia. Por exemplo, usar uma planilha de gastos ou aplicativos específicos para gastos automotivos.

Eles ajudam a não errar na hora da matemática e das proporções, como combustível e quilômetros rodados. Além da avaliação se chegou a hora de vender o carro para investir.

O que mais avaliar na hora de vender o carro para investir?

Se você pretende vender o carro para investir, considere os fatores a seguir.

1 – Com que frequência você precisa sair de carro?

Você é como a maioria da população, que usa somente o transporte público em dias úteis? Isso já um indicativo de que talvez você não precise de um carro para chamar só de seu.

Um carro que fica parado na garagem a semana inteira para rodar só no fim de semana exige manutenção mais frequente do que aquele que é usado todo dia, dizem especialistas.

Isso porque os fluidos (óleo, combustível) envelhecem e corroem as peças, causando entupimentos e prejudicando os mecanismos.

Ou seja, você gasta uma fortuna de manutenção e não desfruta desse conforto com frequência. Portanto, esse é um fator preponderante para vender o carro para investir.

2 – Quanto custa andar somente de Uber, Cabify ou taxi?

vender o carro para investirQuem está na dúvida se vale a pensa vender o carro para investir deve fazer as contas para determinar os gastos envolvidos nos diversos tipos de transporte.

Uma das alternativas ao carro particular, os aplicativos de mobilidade podem gerar uma economia.

O aplicativo de transporte urbano Uber possui uma calculadora virtual gratuita que estima os gastos que um motorista tem para manter e utilizar um carro particular.

No teste, o usuário responde perguntas como ano e modelo do carro, cidade onde mora, custo com seguro e estacionamento, consumo de gasolina, entre outras informações.

Além disso, fatores não financeiros são questionados, como gosto por dirigir e tempo para conseguir uma vaga na rua.

Com todas as variáveis mencionadas, o sistema estima se o carro tem ou não um peso relevante para a pessoa, seja em termos financeiros ou pessoais.

A análise também oferece um comparativo da média de gasto diário de um veículo próprio e de um contratado pela Uber.

Desta forma, o usuário verifica qual das opções é melhor para seu bolso.

Carros populares custam mais de R$ 27 mil

De acordo com a Tabela Fipe, que expressa preços médios de veículos no mercado nacional, comprar um carro zero km com menos de R$ 45 mil é um desafio. O mais barato aqui é o Chery QQ Smile, que custa R$ 27.490.

Em seguida aparecem o Renault Kwid Life no valor de R$ 32.490 e o Fiat Mobi Easy por R$ 32.590. Depois, o Fiat Uno Attractive 1.0 vale R$ 42.990 e o Chevrolet Onix Joy 1.0, R$ 43.290.

Ainda estão na lista dos veículos abaixo dos R$ 45 mil o Citroën C3 Start 1.2, valendo R$ 43.990, e Hyundai HB20 Unique 1.0, por R$ 43.990.

Por fim, o Renault Sandero Authentique 1.0 custa R$ 44.050 e o Volkswagen Gol 1.0, R$ 44.990.

Melhores investimentos para 2019

Caso vender o carro para investir seja sua opção, confira os cinco melhores investimentos para 2019, de acordo com a Associação Brasileira de Educadores Financeiros.

No entanto, antes de aplicar seu dinheiro, vale lembrar que é necessário diversificar a “cesta” de investimentos.

Ou seja, deve-se ter várias frentes para conseguir uma rentabilidade maior do que possivelmente haveria se investisse em apenas um tipo.

1 – CDBs de bancos de segunda linha 

Certificado de Depósito Bancário (CDBs) são títulos de renda fixa que servem como captação de recursos dos bancos.

A rentabilidade corresponde aos juros pagos pela instituição ao cliente por conta do empréstimo, no término do contrato.

O CDB permite a negociação do título antes do vencimento (perdendo remuneração). Possui um baixo risco, pois é um investimento de renda fixa.

2 – LCI e LCA

Letras de Crédito Imobiliário e Letras de Crédito Agrícola são ativos financeiros de renda fixa que possuem garantia de um bem imóvel, rendendo juros e atualização monetária aos aplicadores.

Geralmente, a rentabilidade é pós-fixada, recebida ao final da aplicação.

Possibilita pagamento de juros elevados, acima da maioria das aplicações, e possui a vantagem de ter isenção total de Imposto de Renda para pessoas físicas. Possui as mesmas garantias de segurança que a poupança.

3 – Tesouro Selic

Um título emitido pelo governo, oferecido pelo Tesouro Direto e pós-fixado que acompanha a variação da Taxa Selic.

Ou seja, a taxa de juros básico da economia, que atualmente vale 6,5% ao ano, com previsões de aumentar até 7,5% ainda em 2019.

O risco de perder dinheiro no Tesouro Selic é muito baixo, independente do tempo de aplicação ou da data de resgate.

Esse título também possui a proteção do FGC (Fundo Garantidor de Crédito) em até R$ 250 mil em caso de quebra do emissor.

4 – Fundo de Investimentos

Reúnem diversos investidores. Tanto pessoas físicas quanto jurídicas. Ambas se unem para comprar cotas de ações, regidos por um regulamento prévio.

Esses fundos podem ser:

– Fechados – em que não há entrada ou saída de cotistas e não se pode resgatar antes do encerramento;
– Abertos – os cotistas podem sair antes.

Geralmente, esses fundos possuem rendas variáveis. Tendo no mínimo 67% do seu patrimônio investido em ações.

Nessa modalidade, investidores com perfis semelhantes podem unir recursos para aumentar o poder de negociação, tendo uma expectativa de rentabilidade elevada.

Se destaca pela possibilidade de diversificar o investimento em cotas de ações de mais de uma empresa e por não requerer muita pesquisa e atualização, como na aplicação direta em ações.

5 – Ações  

Comprar ações significa adquirir parte de uma empresa que possui capital aberto, se tornando um de seus sócios.

Existem dois tipos para essa possibilidade de investimento:

–  Ações preferenciais (PN) – o investidor tem preferência no pagamento da parcela do lucro;
–  Ações ordinárias (ON) – dão direito de voto ao acionista. No entanto, têm menor peso na hora da distribuição dos lucros.

Como depende da saúde de uma empresa, é um investimento de alto de risco, de renda variável. Portanto,  mais indicado para sonhos de longo prazo.

Lembre-se ainda que é possível investir nas ações de mais de uma empresa e de diferentes tipos de liquidez.

Rafael Massadar

Jornalista com experiência em redação com pós-graduação em Comunicação Empresarial e Transmídia. Atualmente trabalho como assessor de imprensa.

Deixe um comentário

Posts relacionados

taxa-de-custódia-do-Tesouro-Direto
fraudes com criptomoedas
criptomoedas
rede social dos investidores
IPO