Previdência Privada: o que é e como escolher a sua | FinanceOne

Gráficos e cotações de Hoje

Dólar R$ 3,285
Euro R$ 3,874
Bitcoin R$ 55.325,00
Bovespa 74.538,54
CDI 8,14% a.a
Poupança (mês) 0,5000%
Libra R$ 4,388
Veja a Cotação do
Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.


Previdência Privada: o que é e como escolher a sua

O fantasma da Reforma da Previdência Social vem colocando cada vez mais no radar dos brasileiros a modalidade de Previdência Privada. Entender o que é, como funciona, os tipos de planos e taxas praticadas ajudará você a escolher melhor o plano ideal.

Com medo de ter que trabalhar mais para conseguir se aposentar, cada vez mais brasileiros têm procurado esse investimento. Para quem tem um bom planejamento financeiro, esse item é peça chave para garantir um futuro mais confortável.

Números da previdência privada

crescimento previdencia privadaR$27,94 bilhões
É o valor investido em planos de previdência só no primeiro trimestre de 2017, segundo a Fenaprevi, representante das empresas do setor. O crescimento é de 29,8% sobre o mesmo período do ano passado.

R$12,68 bilhões
É a captação líquida (diferença entre depósitos e resgates) no mesmo período, o que significa aumento de 55,4% em relação a 2016.

R$60,83 bilhões
Foi a captação líquida registrada no consolidado de 2016, representando alta de 24,1% em comparação com 2015.

R$678 bilhões
É o patrimônio líquido atual dos fundos de previdência, de acordo com a Anbima, associação do mercado de capitais. Há um ano, esse valor era de R$558 bilhões.

O que é previdência privada

Já falamos aqui sobre o sistema de Previdência Social, administrado pelo governo através do INSS. A previdência privada funciona de maneira semelhante, sendo um investimento para o futuro.

Só que nesse caso administrado por uma instituição financeira, que obtém recursos do investidor e, em troca, paga juros sobre o capital investido. Como qualquer outra aplicação, possui riscos.

Você já deve ter ouvido falar, ou conhece um caso próximo, de aposentados com pagamento atrasado pelo governo. O mesmo pode acontecer com a previdência privada, caso o banco apresente dificuldades financeiras, mas é mais difícil.

Qual a diferença entre as Previdências Privada e Social?

Basicamente, no plano privado você tem mais liberdade na escolha do valor a ser investido e da periodicidade. Porém, essa escolha influencia no resultado final.

Na Previdência Privada, diferentemente da Previdência Social, não é exigida idade mínima para contribuir. Em famílias com educação financeira desenvolvida, os pais iniciam essa contribuição para os filhos quando ainda pequenos.

Uma outra diferença, bem vantajosa, é que o investidor pode resgatar todo o valor investido na Previdência Privada. Por isso é tão importante saber como será feita essa devolução e quais serão as taxas cobradas.

Tipos de previdência privada

Há dois tipos de planos, e com certeza você já ouviu falar deles. Confira as características de cada um:

Plano Gerador de Benefício Livre (PGBL)

– Recomendado para pessoas com renda mais alta.

– O dinheiro pago pode ser abatido no Imposto de Renda (desde que esse valor represente até 12% da renda bruta anual do investidor).

– Quando o dinheiro é sacado, o imposto pago é referente ao total no fundo.

Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL)

– Não pode ser abatido no Imposto de Renda.

– Quando o dinheiro é sacado, o imposto cobrado é referente ao que o dinheiro investido rendeu.

Ao contratar um plano, você pode escolher se a renda recebida será por um determinado período ou se será vitalícia. Também é possível definir se os filhos e a mulher continuarão recebendo a renda se o contribuinte falecer.

Os planos PGBL e VGBL permitem a aquisição de uma espécie de seguro. Nesse caso, por morte, a renda acumulada é dada à família, e por invalidez da pessoa que paga, o dinheiro é entregue a ela mesma.

Regime de tributação

Você precisa conhecer bem as tabelas de tributação, pois são elas que vão guiar o cálculo das taxas de transação, no resgate do valor aplicado. São duas as tabelas de tributação:

Tabela regressiva

Ideal para quem pretende fazer o resgate a longo prazo. Quanto mais tempo o dinheiro permanecer investido, menor será a alíquota do Imposto de Renda sobre o investimento.

Prazo X Alíquotas sobre o valor do resgate
Até 2 anos -> 35%
2 a 4 anos -> 30%
4 a 6 anos -> 25%
6 a 8 anos -> 20%
8 a 10 anos -> 15%
Acima de 10 anos -> 10%

Tabela progressiva

Ideal para quem tem objetivos de curto ou médio prazo, recebendo o dinheiro em parcelas. É usada para calcular o valor do Imposto de Renda sobre o salário de uma pessoa.

Valor da parcela X Tributação do IR
Até R$1.903,98 -> sem tributação
De R$1.903,98 a R$2.826,65 -> alíquota de 7,5%
De R$2.826,65 a R$3.751,05 -> alíquota de 15%
De R$3.751,05 a R$4.664,68 -> alíquota de 22,5%
Mais do que R$4.664,68 -> alíquota de 27,5%

*Dados divulgados pela Receita Federal.

Fiscalização e contratos

Todas as entidades financeiras estão subordinadas ao Banco Central. Para que possam oferecer esse tipo de produto, precisam comprovar capacidade de atendimento e operação.

O serviço de Previdência Privada é regulado pela Superintendência de Seguros Privados (Susep), órgão do governo federal. No site da Susep, você pode consultar a lista de entidades credenciadas a realizar planos de previdência privada.

Na página, também é possível simular quanto será o benefício recebido de acordo com entidade e plano de previdência escolhidos. Os dados estão separados em VGBL e PGBL.

Atente-se sempre ao contrato! Todas as informações, taxas e condições devem estar explícitas no documento que regerá a prestação do serviço.

Como escolher seu plano de previdência privada

Depois de assimilar todas as possibilidades, você vai precisar de cautela para fazer a melhor escolha. Nesse processo, há um check list poderoso para não esquecer nenhum detalhe e evitar surpresas. Confira!

como escolher previdencia privada

Instituição financeira
Pesquise a reputação do banco ou seguradora onde você vai apostar seu dinheiro. Compare taxa de administração mensal e, em alguns casos, a taxa de carregamento (uma espécie de aporte de entrada). Elas interferem diretamente na rentabilidade do seu plano.

Tipo de plano
Analise o melhor para você: PGBL ou VGBL? E entenda que essa é a definição mais importante no processo de escolha. Uma boa dica, nessa fase, é olhas para o modelo da sua declaração de Imposto de Renda.

Tipo de tributação
Nesse ponto, é importante pensar em quando você pretende resgatar esse dinheiro. Depois disso, você define como quer pagar o IR.

Fundo de investimento
Os aportes em plano de previdência privada, PGBL ou VGBL, são aplicados em fundos de investimento. Assim, você deve pensar em qual nível de risco aceita correr. Analise os fundos mais ou menos arriscados, com maior ou menor variação de rentabilidade.

Compare!
Antes de fechar qualquer negócio, coloque na ponta do lápis as taxas, condições, vantagens e desvantagens. Sempre de acordo com seu perfil de investidor e seu objetivo. Você vai ver que assim fica muito mais fácil escolher seu plano de Previdência Privada.

Por Flavia Vargas







Mais lidos

Principais Indicadores de Valor de uma Empresa
Quando você está no processo de compra e venda de empresas, precisa pensar nas dívidas que essa e...
Como escolher o plano de saúde?
Diante de tantas opções, a contratação de um plano de saúde pode gerar muitas dúvidas. Antes d...
Leilão de imóveis: entenda os leilões judiciais e extrajudiciais
O leilão de imóveis pode se judicial ou extrajudicial. No caso do judicial, como o próprio nome d...
Tesouro Direto ou CDB: qual a melhor aplicação?
Já falamos aqui que dinheiro só na poupança não rende. E aí, apostar em uma Renda Fixa é uma b...
Alugar ou comprar imóvel 2018?
Esse é um momento de alugar ou comprar imóvel? Na dúvida, algumas questões devem ser avaliadas. ...
Investimento além da poupança: formas de aplicar seu dinheiro
A poupança viu uma melhora de cenário em novembro de 2017. Quando em outubro houve retirada líqui...




Publicidade