Conversor de moedas

Veja a cotação do Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.

Arrecadação de impostos bate recorde no Brasil

Escrito por: Rafael Massadar em 19 de julho de 2019

A arrecadação de impostos no Brasil atingiu a cifra de R$ 115,062 bilhões em fevereiro deste ano. Um recorde para meses de fevereiro, segundo a Secretaria da Receita Federal.

O aumento real, ou seja, acima da inflação, foi de 5,3% frente ao mesmo mês do ano passado. No mesmo período de 2018, foram arrecadados R$ 109,212 bilhões (valor corrigido pela inflação).

O resultado pode ser explicado, de acordo com o Fisco, principalmente, pela recuperação da atividade econômica.

O órgão diz ainda que as medidas adotadas para a recuperação do crédito tributário também foram medidas que ajudaram no resultado.

No acumulado do primeiro bimestre deste ano, ainda segundo dados oficiais, a arrecadação somou R$ 275,487 bilhões. Um aumento real de 1,76% frente ao mesmo período do ano passado.

Trata-se do melhor resultado, para o primeiro bimestre de um ano, desde 2014 (R$ 276,177 bilhões).

Arrecadação de impostos

País não transforma tributos em benefícios, diz estudo

A alta carga tributária e arrecadação de impostos no Brasil foram detalhados pelo Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT). E a constatação não é nada boa!

Segundo o estudo, o dinheiro vai para os cofres públicos e não retorna como deveria. Portanto, o país não transforma tributos em benefícios.

O IBPT revela que o Brasil tem o menor Índice de Retorno de Bem-Estar à Sociedade (Irbes). O resultado leva em conta a carga tributária de cada país.

Ele leva em consideração o Produto Interno Bruto (PIB), que é a soma de todas as riquezas produzidas, além do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), dado que mede desenvolvimento econômico e qualidade de vida da população.

Para se ter uma ideia, desde que esse estudo começou a ser feito, há oito anos, o Brasil está na 30ª colocação. Atrás de países como Uruguai (18º) e Argentina (19º).

O melhor colocado no estudo é a Irlanda. O país é o mais bem colocado pela 2ª vez, com carga tributária de 22,8% – menor do que a brasileira, que é de 34,25%.

Em 2º lugar ficou a Austrália, e em 3º, a Suíça.

Brasileiros já pagaram R$ 800 bilhões em impostos em 2019

Os brasileiros já pagaram R$ 800 bilhões em impostos desde o início deste ano. O valor foi atingido no dia 23 de abril.

O valor é do acordo com cálculo do Impostômetro. Ele foi criado em 2005 e é mantido pela Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

O número de R$ 800 bilhões corresponde ao total pago para a União, estados e municípios na forma de impostos, taxas, multas e contribuições.

Este montante foi alcançado uma semana mais cedo na comparação com o ano passado, quando a marca foi registrada somente em 30 de abril.

Em 2018, o Impostômetro registrou R$ 2,3 trilhões em arrecadação de impostos pagos pelos brasileiros. A tendência é que o valor suba neste ano.

Vale ressaltar que tudo o que é consumido no Brasil, 33%, em média, correspondem a impostos. E o brasileiro trabalha 154 dias para pagar, diz o IBPT.

74% dos consumidores não sabem quanto pagam de imposto

A maioria brasileiros não têm o hábito de procurar saber quanto pagam de imposto ao adquirir um bem ou contratar um serviço.

É o que revela a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e o SPC Brasil.

O levantamento afirma que esse percentual chega a 74% dos consumidores do país.

Contudo, 93% dos entrevistados diz que a tributação é um fator que contribui para que alguns produtos tenham um preço elevado no mercado.

A falta de transparência é motivo de queixa para 95% dos consumidores.

Rafael Massadar

Jornalista com experiência em redação com pós-graduação em Comunicação Empresarial e Transmídia. Atualmente trabalho como assessor de imprensa.

Deixe uma resposta

Precisa converter?

A calculadora de conversão do FinanceOne fornece os últimos valores cotados para diversas moedas. Acesse agora!

Converter agora

Posts relacionados

Novas regras para aposentadoria
golpes com cartão de crédito
Cartões de crédito sem anuidade
Aéreas de baixo custo
comparação de preços em supermercados