Conversor de moedas

Veja a cotação do Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.

Cresce procura por financiamento de veículos usados no país

Escrito por: Priscila Gomes em 23 de novembro de 2018

Os brasileiros estão apostando mais em produtos de segunda mão, segundo pesquisa feita pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil). Uma prova disso é o aumento da procura por financiamento de veículos usados no país.

Financiamento de veículos usados

De acordo com a pesquisa, os itens usados mais buscados nos últimos 12 meses são os livros (54%) e os automóveis (43%). Já era de se esperar: o aumento dos preços faz com que os consumidores optem por produtos mais baratos e ainda assim por meio do financiamento.

Uma pesquisa feita pela B3, empresa resultado da junção da BM&FBOVESPA e da Cetip, revela que os financiamentos de veículos no acumulado de 2018 cresceram 7,5% na comparação ao ano anterior.

Foram feitos 424.584 financiamentos de veículos, sendo que 163.339 eram de veículos novos e 261.245 de usados. O levantamento realizado mostra que em setembro de 2018 foram financiados 239.174 veículos usados autos leves (carros comuns); 11.172 motos usadas; e 10.260 veículos pesados usados (como caminhões e carretas).

Como funciona o financiamento

Comprar um veículo por meio do financiamento significa dividir a maior parte do valor do carro em parcelas durante alguns anos. É como se fosse um crédito no qual é necessário dar entrada de, no mínimo, 10% do valor total do automóvel e parcelar o restante.

O financiamento, apesar de ser uma dívida a longo prazo, é uma forma de evitar o endividamento. As parcelas costumam caber no bolso do consumidor, mas é importante tomar cuidado com as taxas de juros aplicadas sobre essas parcelas.

Diversos bancos oferecem o serviço de financiamento, assim como os bancos das próprias montadoras. O banco Bradesco possui taxa de juros menor que outras instituições financeiras: 1,47% ao mês e 19,10% ao ano.

Bancos como Santander, Itaú Unibanco e Banco do Brasil (BB) também oferecem o serviço. Empresas como a Fiat, Honda e Volkswagen também trabalham com o financiamento com taxas reduzidas (e às vezes até menores que as dos bancos).

Como fazer financiamento de veículos usados

Para fazer financiamento de veículos usados ou novos, o cliente deve solicitar uma análise de crédito ao banco. O gerente faz a pesquisa para descobrir se a pessoa tem ou não condições de arcar com mais uma parcela. Itens como salário, parcelas fixas (como aluguel, conta de luz e outras) e se está negativado são avaliados pelo profissional.

Após as respostas, o gerente faz uma simulação que se encaixe nas expectativas do cliente e apresenta a proposta junto ao valor de entrada. O prazo de financiamento costuma ser de 60 meses, mas algumas estendem até 72 (seis anos).

Alguns bancos não exigem a entrada, sendo possível financiar 100% do veículo. Nestes casos, atente-se aos juros e parcelas para que o orçamento mensal não seja comprometido integralmente com este gasto.

Para solicitar um financiamento na maioria das vezes é preciso apenas apresentar o RG, CPF e comprovante de renda. Se estiver com o “nome sujo” a sugestão é regularizar a situação com a empresa credora para, então, assumir uma nova dívida. A saúde financeira afeta diretamente na sua vida e precisa de cuidados para que não haja mais problemas no futuro.

Financiamento de veículos usados

Tipos de financiamento de veículos usados

Como já foi visto, o financiamento de veículos usados ou novos se difere de acordo com o tipo de banco (público ou privado). Ele é feito por meio do CDC, o Crédito Direto ao Consumidor, pelo Leasing ou por meio de um consórcio.

Lembrando que a forma de pagamento é sempre negociada de acordo com o salário do cliente, evitando o endividamento. Confira detalhes sobre os tipos de financiamento de veículos.

– CDC

O Crédito Direto ao Consumidor funciona assim: o cliente faz um empréstimo ao banco para comprar o veículo. O bem é regularizado no nome do comprador que, por sua vez, não pode vender o veículo ou fazer qualquer tipo de transação até que as parcelas do empréstimo sejam quitadas.

A principal vantagem dessa modalidade de financiamento é a facilidade de liberação do recurso e do bem. Após a aprovação de crédito, o cliente já pode comprar o veículo e sair com ele. Ao terminar de pagar a dívida com o banco, o consumidor tem a liberdade de fazer o que desejar com o automóvel.

A negociação pode ser feita diretamente com o banco, onde taxas e formas de pagamento podem ser revisadas.

– Leasing

A maior diferença em relação ao CDC está na documentação. Nesta modalidade o banco “aluga” o automóvel ao cliente e este paga o aluguel mensalmente. Ao terminar de pagar as prestações, o banco passa a documentação para o nome do comprador e este passa a ser o dono do carro.

O benefício é que as taxas de juros não sofrem alteração no decorrer das parcelas e, quando finalizadas, não existem mais taxas a serem pagas. Em casos de não pagamento, o banco tem o direito de recuperar o bem a partir de 30 dias.

– Consórcio

Queridinho dos brasileiros, o consórcio é a opção de financiamento que oferece a menor taxa de juros do mercado. É realizado por meio das cotas e funciona assim: todo mês é liberada uma carta de crédito para sorteio e outra para o maior lance.

Se a pessoa for sortuda, recebe rápido o direito de adquirir o veículo. Mas, no geral, o consórcio é indicado para quem não tem pressa porque pode demorar. Antes de fechar negócio, pesquise as credenciais da administradora no site do Banco Central e avalie as reclamações da empresa.

Apesar de não haver juros, no consórcio é cobrada uma taxa de administração, por isso é interessante ficar de olho em quem oferece o melhor custo benefício.

Priscila Gomes

Jornalista. Gosto de abraços, aniversários e do Natal. Atualmente produzo conteúdo para internet e faço assessoria sindical.

Deixe um comentário

Precisa converter?

A calculadora de conversão do FinanceOne fornece os últimos valores cotados para diversas moedas. Acesse agora!

Converter agora

Posts relacionados

tarifas bancárias
renegociar a dívida
A inexperiência com o dinheiro e a falta de planejamento podem levar ao descontrole financeiro
Fazer compras por impulso ou à crédito pode trazer dívidas no futuro
Guia completo sobre financiamento imobiliário