Criptomoeda da Venezuela é uma fraude? | FinanceOne

Criptomoeda da Venezuela é uma fraude?

Escrito por: Rafael Massadar em 4 de setembro de 2018

Já ouviu falar na criptomoeda da Venezuela? O presidente do país, Nicolás Maduro, lançou no início do ano a moeda digital batizada de “Petro”, cujo símbolo é PTR.

O objetivo é ajudar o país a superar a crise econômica que vem se arrastando desde 2013. A criptomoeda da Venezuela tem valor equivalente a um barril de petróleo (cerca de 60 dólares).

No entanto, a Petro não funciona como o bitcoin ou ethereum. Ela é emitida pelo governo e tem seu preço fixado em 1 barril de petróleo venezuelano.

Os mineiros serão obrigados a indicar não apenas seu nome e localização, mas também o equipamento utilizado para extrair criptomoedas. A expectativa era arrecadar até US$ 6 bilhões de investidores dos Estados Unidos, Turquia, Qatar e outros países.

Criptomoeda da Venezuela

Criptomoeda da Venezuela é vinculada ao Petróleo

Além do petróleo, a nova moeda estará vinculada à riqueza de gás e à existência de ouro e diamante. Com isso, o Petro passa a ser uma unidade contábil obrigatória para empresas estatais. Principalmente a PDVSA (Petróleos da Venezuela), que lida com a principal categoria de exportação do país sulamericano.

De acordo com especialistas, essa medida visa burlar as sanções internacionais às negociações de petróleo entre países do mundo. O que facilitaria a venda de petróleo e outros produtos por meio de transações com criptomoedas.

Apesar disso, em junho, a Índia se recusou a comprar petróleo da Venezuela utilizando a criptomoeda Petro. Outra notícia ruim para o governo é que o presidente estadunidense Donald Trump proibiu que os cidadãos dos EUA comprem Petro.

A medida de Maduro para tentar acabar com a hiperinflação do país veio junto à extinção da moeda nacional, o Bolívar, e a apresentação do Bolívar Soberano. Na ocasião, ele cortou cinco zeros do valor dos antigos bolívares.

As medidas incluem um aumento de 35 vezes o salário mínimo (3.464%). Assim, o valor corresponderá a cerca de US$ 28.

Como comprar o Petro?

criptomoeda da venezuela

O governo da Venezuela ativou um site para orientar todas as pessoas físicas e jurídicas, nacionais ou estrangeiras, nas etapas a seguir para a aquisição da moeda digital. Logo após o lançamento do portal, o presidente do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV) anunciou que o total de criptoativos a serem emitidos era de 100 milhões.

Do total, 82,4 milhões estiveram disponíveis para a pré-venda. Desses, mais de 80 milhões (44%) foram oferecidos em uma pré-venda privada e na oferta pública inicial.

Enquanto isso, 38,4% foram para a venda privada e 17,6% mantidos pela Superintendência de Criptomoedas e Atividades Conexas Venezuelana (Supcacven).

O presidente venezuelano afirmou que o país arrecadou uma receita de US$ 735 milhões no primeiro dia da pré-venda da Petro.

Governo também anuncia laboratório de blockchain

Além da criptmoeda da Venezuela, Maduro também anunciou a criação de um laboratório de blockchain. Uma plataforma para comprar e vender moedas virtuais, composta por uma equipe multidisciplinar de 50 pessoas. Esse grupo criará as condições técnicas e legais para a nova moeda.

O anúncio do presidente da Venezuela aconteceu no momento de grande popularidade do bitcoin. A moeda digital já é muito adotada no país por pessoas que querem proteger seu dinheiro dos efeitos da hiperinflação e da falta de bolívares em circulação.

O próximo passo já foi anunciado. Depois do Petro para o petróleo, Maduro planeja uma moeda digital fixada em relação ao ouro, o Petro-Ouro.

Vale a pena comprar a moeda digital da Venezuela?

Especialistas consideram que as profundas distorções políticas e econômicas do governo dificultam a confiança no Petro. O país vive uma crise financeira e humanitária sem precedentes.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) projeta mais de 1.000.000% de inflação em 2018. Número que, somado à moratória, gera incertezas.

Além disso, a organização internacional compara a situação venezuelana com a da Alemanha logo após o fim da Primeira Guerra Mundial ou à do Zimbábue no fim dos anos 2010. A petromoeda, opinam, deveria ser acompanhada de um plano de reformas econômicas.

No entanto, no embalo da Venezuela, outros país também planejam criar suas próprias moedas digitais. É o caso de China e Rússia. Ambos os países, aliados de Maduro, planejam a viabilidade de criar um “cryptoiuan” e “cryptorublo”.

É o caso também do Japão e seu Banco Central, que têm planos de lançar a “J-Coin”. O objetivo é que a moeda digital já seja usada nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020.

Rafael Massadar

Jornalista com experiência em redação com pós-graduação em Comunicação Empresarial e Transmídia. Atualmente trabalho como assessor de imprensa.

Deixe uma resposta

Precisa converter?

A calculadora de conversão do FinanceOne fornece os últimos valores cotados para diversas moedas. Acesse agora!

Converter agora

Posts relacionados

Confira benefícios além do auxílio emergencial
Semana Brasil 2020
Reforma tributária
Reforma tributária
Funções do Banco Central do Brasil