Cursos que transformam sua vida financeira
Mais
    InícioNotíciasEconomiaDinheiro vivo já não é usado por 4% dos brasileiros. Confira!

    Dinheiro vivo já não é usado por 4% dos brasileiros. Confira!

    0
    (0)

    O brasileiro mudou a sua relação com o dinheiro vivo. Isso porque é cada vez menor a quantidade de pessoas que preferem pagar com dinheiro vivo suas compras diárias.

    Publicidade

    Os dados são da pesquisa divulgada pelo Banco Central. Ela aponta que 4% da população já não usa mais cédulas de papel ou moedas para fazer pagamentos.

    No lugar, os cidadãos têm optado por pagamentos nos cartões de crédito e débito ou transferências eletrônicas. O estudo mostra ainda que o valor da compra influencia no meio de pagamento que será usado pelos brasileiros.

    Em contas de até R$ 10, as notas são utilizadas por 88%, enquanto em compras acima de R$ 500 o cartão de crédito é o meio preferido, com 43%. Nesta faixa, o dinheiro é usado por “apenas” 31% dos entrevistados.

    Dinheiro vivo

    Dinheiro vivo ainda é o mais aceito no comércio

    Quando a pergunta da pesquisa foi sobre o meio de pagamento mais utilizado, o dinheiro é citado por 60% dos respondentes. O cartão de débito aparece em segundo lugar, com 22%, e em terceiro lugar o cartão de crédito, com 15%.

    Publicidade

    Outra constatação é que atualmente, 48% da população recebe o salário ou pagamento através de depósito em conta corrente, poupança ou salário. Entretanto, 29% das pessoas afirmaram ainda receber seus pagamentos em dinheiro.

    Além disso, somente 0,4% tem seu pagamento feito através de cheque, segundo a pesquisa. Outros 22% não têm renda, e o restante não respondeu à pesquisa.

    A pesquisa abrangeu também comércios e estabelecimentos de serviços. No geral, o pagamento em dinheiro ainda é o mais aceito pelos comerciantes, com 99% de abrangência no mercado.

    Já o pagamento por cartões também tem grande adoção:

    – 76% aceitam débito;
    – 74% crédito;
    – 17% vale refeição ou alimentação.

    Publicidade

    Apesar da dominância, o uso do dinheiro como forma de recebimento mais frequente diminuiu nos últimos cinco anos. Ele passou de 57% em 2013 para 52% em 2018.

    O mesmo ocorreu com o cartão de crédito, que agora tem 31% contra 35% em 2013. No período, o meio de recebimento que mais cresceu no Brasil foi o cartão de débito, que saltou de 4% para 15%.

    Cofrinho cheio

    Embora o brasileiro tenha criado novos hábitos quanto ao uso de dinheiro vivo, o costume de guardar moedas ainda é forte entre a população. De acordo com a pesquisa, 26% dos entrevistados têm o hábito de guardar moedas.

    Já 54% costumam carregar as moedas na carteira. Dos entrevistados pelo BC, 10% afirmaram ainda deixar as moedinhas do dia a dia no carro, a fim de efetuar pequenos pagamentos ou eventuais doações.

    O hábito de manter as moedas guardadas no cofrinho também se mantém presente no dia a dia do brasileiro. Dos entrevistados, 59% afirmaram guardar as moedas por até um mês, enquanto 21% disseram manter as moedas na gaveta ou no cofrinho pelo período de um a seis meses.

    Publicidade

    Notas falsas

    O Banco Central constatou também que nos últimos cinco anos caiu o número de pessoas que já recebeu notas falsas. Esse número passou de 28%, em 2013, para 23%, em 2018.

    A pesquisa do BC alerta que, mesmo para notas de maior valor, grande parte da população Dinheiro Vivonão verifica se o dinheiro é falso ou verdadeiro.

    Segundo o BC, 39% dos entrevistados disseram que nunca verificam se as notas de R$ 50 são falsas. Além disso, 38% afirmaram não verificar se as notas de R$ 100 que recebem são verdadeiras ou não.

    Quando verificam, a marca d’água é o item de segurança mais conhecido. Ela é seguida pelo fio de segurança e pela textura do papel moeda.

    No comércio, 47% dos entrevistados disseram que já receberam nota falsa e a textura do papel é o item mais usado para verificar a veracidade da cédula, seguida pela cor.

    Entre os comerciantes, o porcentual de pessoas que verificam se as notas são verdadeiras ou falsas também é maior do que entre a população de forma geral.

    Ainda de acordo com a pesquisa, apenas 12% dos entrevistados afirmaram que nunca verificam se as notas de R$ 50 são verdadeiras ou falsas, e apenas 11% deixam de checar as notas de R$ 100.

    O que achou disso?

    Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

    Seja o primeiro a avaliar este post.

    Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

    Diga-nos, como podemos melhorar?

    Rafael Massadar
    Rafael Massadar
    Carioca, amante de esportes e de viagens. Escolhi o jornalismo porque ele vive pelo mundo e conta histórias de pessoas e realidades distintas. Tenho experiência em redação e assessoria de imprensa. Atualmente, trabalho numa agência de marketing digital.

    Artigos Relacionados

    Assine nossa newsletter!

    Páginas Populares

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    InícioNotíciasEconomiaDinheiro vivo já não é usado por 4% dos brasileiros. Confira!

    Dinheiro vivo já não é usado por 4% dos brasileiros. Confira!

    0
    (0)

    O brasileiro mudou a sua relação com o dinheiro vivo. Isso porque é cada vez menor a quantidade de pessoas que preferem pagar com dinheiro vivo suas compras diárias.

    Publicidade

    Os dados são da pesquisa divulgada pelo Banco Central. Ela aponta que 4% da população já não usa mais cédulas de papel ou moedas para fazer pagamentos.

    No lugar, os cidadãos têm optado por pagamentos nos cartões de crédito e débito ou transferências eletrônicas. O estudo mostra ainda que o valor da compra influencia no meio de pagamento que será usado pelos brasileiros.

    Em contas de até R$ 10, as notas são utilizadas por 88%, enquanto em compras acima de R$ 500 o cartão de crédito é o meio preferido, com 43%. Nesta faixa, o dinheiro é usado por “apenas” 31% dos entrevistados.

    Dinheiro vivo

    Dinheiro vivo ainda é o mais aceito no comércio

    Quando a pergunta da pesquisa foi sobre o meio de pagamento mais utilizado, o dinheiro é citado por 60% dos respondentes. O cartão de débito aparece em segundo lugar, com 22%, e em terceiro lugar o cartão de crédito, com 15%.

    Publicidade

    Outra constatação é que atualmente, 48% da população recebe o salário ou pagamento através de depósito em conta corrente, poupança ou salário. Entretanto, 29% das pessoas afirmaram ainda receber seus pagamentos em dinheiro.

    Além disso, somente 0,4% tem seu pagamento feito através de cheque, segundo a pesquisa. Outros 22% não têm renda, e o restante não respondeu à pesquisa.

    A pesquisa abrangeu também comércios e estabelecimentos de serviços. No geral, o pagamento em dinheiro ainda é o mais aceito pelos comerciantes, com 99% de abrangência no mercado.

    Já o pagamento por cartões também tem grande adoção:

    – 76% aceitam débito;
    – 74% crédito;
    – 17% vale refeição ou alimentação.

    Publicidade

    Apesar da dominância, o uso do dinheiro como forma de recebimento mais frequente diminuiu nos últimos cinco anos. Ele passou de 57% em 2013 para 52% em 2018.

    O mesmo ocorreu com o cartão de crédito, que agora tem 31% contra 35% em 2013. No período, o meio de recebimento que mais cresceu no Brasil foi o cartão de débito, que saltou de 4% para 15%.

    Cofrinho cheio

    Embora o brasileiro tenha criado novos hábitos quanto ao uso de dinheiro vivo, o costume de guardar moedas ainda é forte entre a população. De acordo com a pesquisa, 26% dos entrevistados têm o hábito de guardar moedas.

    Já 54% costumam carregar as moedas na carteira. Dos entrevistados pelo BC, 10% afirmaram ainda deixar as moedinhas do dia a dia no carro, a fim de efetuar pequenos pagamentos ou eventuais doações.

    O hábito de manter as moedas guardadas no cofrinho também se mantém presente no dia a dia do brasileiro. Dos entrevistados, 59% afirmaram guardar as moedas por até um mês, enquanto 21% disseram manter as moedas na gaveta ou no cofrinho pelo período de um a seis meses.

    Publicidade

    Notas falsas

    O Banco Central constatou também que nos últimos cinco anos caiu o número de pessoas que já recebeu notas falsas. Esse número passou de 28%, em 2013, para 23%, em 2018.

    A pesquisa do BC alerta que, mesmo para notas de maior valor, grande parte da população Dinheiro Vivonão verifica se o dinheiro é falso ou verdadeiro.

    Segundo o BC, 39% dos entrevistados disseram que nunca verificam se as notas de R$ 50 são falsas. Além disso, 38% afirmaram não verificar se as notas de R$ 100 que recebem são verdadeiras ou não.

    Quando verificam, a marca d’água é o item de segurança mais conhecido. Ela é seguida pelo fio de segurança e pela textura do papel moeda.

    No comércio, 47% dos entrevistados disseram que já receberam nota falsa e a textura do papel é o item mais usado para verificar a veracidade da cédula, seguida pela cor.

    Entre os comerciantes, o porcentual de pessoas que verificam se as notas são verdadeiras ou falsas também é maior do que entre a população de forma geral.

    Ainda de acordo com a pesquisa, apenas 12% dos entrevistados afirmaram que nunca verificam se as notas de R$ 50 são verdadeiras ou falsas, e apenas 11% deixam de checar as notas de R$ 100.

    O que achou disso?

    Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

    Seja o primeiro a avaliar este post.

    Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

    Diga-nos, como podemos melhorar?