Veja a cotação do Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.

Governo não vê como reduzir preço da gasolina

Escrito por: Redação em 6 de junho de 2018

A greve dos caminhoneiros, na última semana, mudou a rotina dos brasileiros. O que acabou culminando em diversas promessas do presidente Michel Temer à categoria. A principal delas é a redução no preço do óleo diesel em R$0,46, que permitiu que o reabastecimento dos postos fossem normalizados. Se você também tem interesse na redução do preço da gasolina e outros combustíveis, precisa ficar por dentro das negociações.

Uma das consequências dessa greve foi o aumento do gás de cozinha em São Paulo, por exemplo. Outras medidas adotadas pelo governo foram a redução de tributos incidentes sobre o combustível e o aumento na arrecadação de impostos de exportadores e indústrias.

Porém, mesmo com essas mudanças o Congresso não prevê que haja uma redução no preço da gasolina, do etanol e até mesmo do gás de cozinha.

preço da gasolina
O governo ainda está tomando algumas medidas para garantir a redução do preço dos combustíveis

Para que a redução no preço dos combustíveis realmente chegue aos postos de gasolina, o governo está realizando diversas reuniões. Uma das sugestões do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) para que isso ocorra é a implementação de postos sem frentistas e a venda direta de etanol dos produtores para os postos.

Outras medidas adotadas pelo governo

O governo federal também cortou custos de alguns programas que são mantidos por ele. São exemplos as áreas da saúde e educação. Essa alternativa permitirá aos cofres públicos uma economia de até R$4 bilhões, que serão compensados na redução do diesel e de R$0,11 do PIS/Cofins.

Além disso, o governo Temer ainda cancelou R$3,4 bilhões que seriam destinados às despesas do orçamento. Essa medida é para compensar a perda de R$9,6 bilhões que subsidiará uma maior redução no preço dos combustíveis. Essas duas alternativas criadas pelo governo já estão valendo, e já foram publicadas no Diário Oficial em uma edição extra, do último dia 30.

Outro setor que também sofreu cortes em investimentos para que a redução no preço dos combustíveis seja mantida são as rodovias. Somente no setor de transportes a ameaça de cortes pode chegar a R$1 bilhão. Isso porque devido à eliminação da arrecadação da Contribuição sobre os Combustíveis (Cide) os investimentos para as rodovias serão cortados.

5 propostas para manter a redução do preço da gasolina

1) Verificar a proibição da verticalização da venda de varejo do combustível

Existe uma lei, no Brasil, que proíbe que um determinado posto de gasolina pertença a uma distribuidora ou refinaria. De acordo com alguns estudos, quando existe essa proibição da verticalização na venda dos combustíveis, os custos e preços costumam aumentar.

2) Permissão da venda de álcool dos produtores direto aos postos

Aqueles que produzem álcool não podem vender o produto diretamente para os postos de gasolina. Isso acontece devido a diversas restrições que estão previstas nas resoluções da Agência Nacional do Petróleo (ANP). Essa proibição impede o livre comércio do combustível e, também, a possibilidade de existir uma concorrência entre o produtor e o distribuidor de etanol.

3) Fornecer mais informações aos consumidores

Os consumidores poderão ter acesso a mais informações sobre o combustível que estão adquirindo. Eles passariam a saber o nome do revendedor, quantos postos ele tem e a quais marcas está associado. Hoje, um determinado revendedor pode ser dono de diversas marcas ao mesmo tempo, além de estabelecer os preços iguais para os postos dos quais é dono.

4) Disponibilidade de informação sobre o comércio do combustível

A maior ampliação, o aprimoramento e cruzamento dos dados necessários em relação à comercialização dos combustíveis que estarão disponíveis para a ANP e o Cade permitirá uma detecção mais ágil e precisa de indícios da falta de competitividade entre os postos.

5) Acabar com a vedação à importação de combustíveis pelas distribuidoras

Com a permissão da importação pelos distribuidores de combustíveis o custo reduziria. Um dos motivos é que o valor das transações e as remunerações do importador seriam menores. Além disso, haveria um estímulo para o aumento no número de agentes na etapa do fornecimento do combustível. O que ocasionaria uma diminuição nos preços.

Redação

Criado em 2003, o FinanceOne é um site especializado em finanças. Desde a influência do mercado financeiro no seu dia a dia até a simples economia dentro de casa.

Deixe uma resposta

Precisa converter?

A calculadora de conversão do FinanceOne fornece os últimos valores cotados para diversas moedas. Acesse agora!

Converter agora

Posts relacionados

férias de fim de ano
Dicas para economizar no supermercado
Seu cartão de crédito vale a pena? Saiba avaliar
Economia brasileira
transferir o financiamento do carro