Cursos que transformam sua vida financeira
Mais
    InícioNotíciasEconomiaInflação em alta: entenda se é bom momento para investir ou pagar...

    Inflação em alta: entenda se é bom momento para investir ou pagar dívida?

    0
    (0)

    Com certeza você já ouviu falar sobre a inflação em alta, principalmente agora que os jornais estão falando sobre a economia do Brasil. E aí uma dúvida que surge é: esse é um bom momento para investir?

    Publicidade

    Entender índices econômicos é muito importante para tomar decisões mais acertadas, com resultados dentro daquilo que você espera na hora de investir o seu dinheiro ou para realizar o pagamento de dívidas, por exemplo.

    Quer saber mais sobre a inflação e entender como ela pode impactar a sua vida? Então continue a leitura deste texto!

    O que é inflação?

    Antes de tudo, é necessário compreender o que é esse fenômeno e de que forma ele atinge a sociedade nos mais variados setores da economia.

    A inflação é o termo econômico geralmente usado para nomear o aumento generalizado e contínuo dos preços dos bens e serviços da economia de um país.

    O fato do preço da gasolina atualmente ser mais caro do que era há 20 anos justifica-se, inclusive, pelo fenômeno inflacionário.

    Publicidade

    É importante entender que, dentro de uma economia nacional, a inflação atinge todos os setores. Ou seja, ela não afeta apenas um bem ou serviço específico, mas praticamente todos os produtos comercializados.

    + Inflação: veja os 12 produtos que mais subiram de preço até fevereiro deste ano

    No Brasil, existem quatro tipos de índices para medir. São eles:

    1 – Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA)

    2 – Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC)

    Publicidade

    3 – Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M)

    4 – Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI)

    Inflação em alta: é o momento de investir ou pagar dívidas?

    Essa pergunta precisa levar em consideração cada item apresentado no orçamento das famílias. Ou seja, é importante entender a importância que a elevação de preço tem no consumo da população.

    Na avaliação da educadora financeira Janaina Ornelas, a elevação gera incertezas na economia, desestimula investimentos e prejudica o crescimento econômico do nosso país.

    O resultado do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA-15), que é o índice que mede a variação dos preços da metade do mês anterior à metade do mês de referência, ficou acima do que o mercado esperava.

    Publicidade

    Segundo os dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o percentual registrado foi de 0,95%, maior alta para o mês de março desde 2015.

    Já no acumulado do primeiro trimestre deste ano, o chamado IPCA-E, a inflação chega a 2,54%, enquanto nos últimos 12 meses, são 10,79% de alta.

    De acordo com a educadora financeira, com o índice em alta, produtos e serviços ficam mais caros e, com isso, a população perde o seu poder de compra.

    “Com a alta da inflação, os preços ficam distorcidos, ou seja, hoje você paga um valor por um produto e, amanhã, acaba pagando outro valor pelo mesmo produto, o que gera uma ineficiência na economia. Deste modo, as pessoas perdem a noção dos preços, o que torna difícil avaliar se aquele produto desejado está ou não mais barato ou mais caro do que em dias anteriores”, destaca a especialista em finanças pessoais.

    Montagem de gráfico com bandeira do Brasil ao fundo e uma ilustração de moeda
    Inflação alta faz população perder seu poder de compra. Confira aqui se é hora de investir ou pagar dívidas

    É possível proteger o dinheiro da inflação?

    Embora a inflação tenha um impacto direto na vida dos consumidores, é possível proteger parte do dinheiro.

    Janaina Ornelas ressalta que um meio simples de fazer isso é investindo parte do montante em alguns ativos específicos com rendimento atrelado à inflação.

    “O Tesouro IPCA+ pode ser uma ótima opção para quem quer investir e proteger o dinheiro. É um tipo de título que paga uma taxa pré-fixada de juros mais a variação medida pelo IPCA para os investidores que deixarem o dinheiro aplicado até o seu vencimento”, avalia a educadora financeira.

    + Diversificação de investimentos: veja como começar

    Com a alta da inflação, é um bom momento para quitar uma dívida?

    Muitos brasileiros sonham em sair das dívidas e colocar sua vida financeira nos trilhos. Mas, para conseguir driblar o alto preço diante da taxa básica de juros da economia, principalmente ao que diz respeito aos empréstimos e cartões de crédito, por exemplo, será necessário aprender a renegociar as dívidas.

    “O consumidor quer pagar a dívida e é de interesse da instituição financeira receber o dinheiro que é devido. Por isso, é preciso entrar em contato (com a instituição) e fazer uma renegociação. Antes, porém, tem que fazer uma simulação em casa para ver se aquela proposta cabe no orçamento da família. Mesmo com a inflação em alta, uma dívida renegociada não deve ter uma taxa de juros acima de 2,5% ao mês”, orienta Janaina Ornelas.

    Quer entender como conseguir renegociar dívidas? Então confira os conteúdos que separamos para você:

    + Entenda como renegociar dívidas com bancos

    + O que fazer se o credor não quiser renegociar a dívida? Confira!

    O que achou disso?

    Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

    Seja o primeiro a avaliar este post.

    Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

    Diga-nos, como podemos melhorar?

    Camila Miranda
    Camila Miranda
    Nascida na Zona Oeste do Rio, me divido entre jornalismo e marketing digital. Com três anos de experiência em Comunicação, já trabalhei em redação de jornal impresso, webjornalismo e assessoria de imprensa. Hoje, faço gestão de mídias sociais e produção de conteúdo. Amo assuntos sobre as áreas cultural e política. Reclamo do transporte público.

    Artigos Relacionados

    Assine nossa newsletter!

    Páginas Populares

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    InícioNotíciasEconomiaInflação em alta: entenda se é bom momento para investir ou pagar...

    Inflação em alta: entenda se é bom momento para investir ou pagar dívida?

    0
    (0)

    Com certeza você já ouviu falar sobre a inflação em alta, principalmente agora que os jornais estão falando sobre a economia do Brasil. E aí uma dúvida que surge é: esse é um bom momento para investir?

    Publicidade

    Entender índices econômicos é muito importante para tomar decisões mais acertadas, com resultados dentro daquilo que você espera na hora de investir o seu dinheiro ou para realizar o pagamento de dívidas, por exemplo.

    Quer saber mais sobre a inflação e entender como ela pode impactar a sua vida? Então continue a leitura deste texto!

    O que é inflação?

    Antes de tudo, é necessário compreender o que é esse fenômeno e de que forma ele atinge a sociedade nos mais variados setores da economia.

    A inflação é o termo econômico geralmente usado para nomear o aumento generalizado e contínuo dos preços dos bens e serviços da economia de um país.

    O fato do preço da gasolina atualmente ser mais caro do que era há 20 anos justifica-se, inclusive, pelo fenômeno inflacionário.

    Publicidade

    É importante entender que, dentro de uma economia nacional, a inflação atinge todos os setores. Ou seja, ela não afeta apenas um bem ou serviço específico, mas praticamente todos os produtos comercializados.

    + Inflação: veja os 12 produtos que mais subiram de preço até fevereiro deste ano

    No Brasil, existem quatro tipos de índices para medir. São eles:

    1 – Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA)

    2 – Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC)

    Publicidade

    3 – Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M)

    4 – Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI)

    Inflação em alta: é o momento de investir ou pagar dívidas?

    Essa pergunta precisa levar em consideração cada item apresentado no orçamento das famílias. Ou seja, é importante entender a importância que a elevação de preço tem no consumo da população.

    Na avaliação da educadora financeira Janaina Ornelas, a elevação gera incertezas na economia, desestimula investimentos e prejudica o crescimento econômico do nosso país.

    O resultado do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA-15), que é o índice que mede a variação dos preços da metade do mês anterior à metade do mês de referência, ficou acima do que o mercado esperava.

    Publicidade

    Segundo os dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o percentual registrado foi de 0,95%, maior alta para o mês de março desde 2015.

    Já no acumulado do primeiro trimestre deste ano, o chamado IPCA-E, a inflação chega a 2,54%, enquanto nos últimos 12 meses, são 10,79% de alta.

    De acordo com a educadora financeira, com o índice em alta, produtos e serviços ficam mais caros e, com isso, a população perde o seu poder de compra.

    “Com a alta da inflação, os preços ficam distorcidos, ou seja, hoje você paga um valor por um produto e, amanhã, acaba pagando outro valor pelo mesmo produto, o que gera uma ineficiência na economia. Deste modo, as pessoas perdem a noção dos preços, o que torna difícil avaliar se aquele produto desejado está ou não mais barato ou mais caro do que em dias anteriores”, destaca a especialista em finanças pessoais.

    Montagem de gráfico com bandeira do Brasil ao fundo e uma ilustração de moeda
    Inflação alta faz população perder seu poder de compra. Confira aqui se é hora de investir ou pagar dívidas

    É possível proteger o dinheiro da inflação?

    Embora a inflação tenha um impacto direto na vida dos consumidores, é possível proteger parte do dinheiro.

    Janaina Ornelas ressalta que um meio simples de fazer isso é investindo parte do montante em alguns ativos específicos com rendimento atrelado à inflação.

    “O Tesouro IPCA+ pode ser uma ótima opção para quem quer investir e proteger o dinheiro. É um tipo de título que paga uma taxa pré-fixada de juros mais a variação medida pelo IPCA para os investidores que deixarem o dinheiro aplicado até o seu vencimento”, avalia a educadora financeira.

    + Diversificação de investimentos: veja como começar

    Com a alta da inflação, é um bom momento para quitar uma dívida?

    Muitos brasileiros sonham em sair das dívidas e colocar sua vida financeira nos trilhos. Mas, para conseguir driblar o alto preço diante da taxa básica de juros da economia, principalmente ao que diz respeito aos empréstimos e cartões de crédito, por exemplo, será necessário aprender a renegociar as dívidas.

    “O consumidor quer pagar a dívida e é de interesse da instituição financeira receber o dinheiro que é devido. Por isso, é preciso entrar em contato (com a instituição) e fazer uma renegociação. Antes, porém, tem que fazer uma simulação em casa para ver se aquela proposta cabe no orçamento da família. Mesmo com a inflação em alta, uma dívida renegociada não deve ter uma taxa de juros acima de 2,5% ao mês”, orienta Janaina Ornelas.

    Quer entender como conseguir renegociar dívidas? Então confira os conteúdos que separamos para você:

    + Entenda como renegociar dívidas com bancos

    + O que fazer se o credor não quiser renegociar a dívida? Confira!

    O que achou disso?

    Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

    Seja o primeiro a avaliar este post.

    Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

    Diga-nos, como podemos melhorar?