Cursos que transformam sua vida financeira
Mais
    InícioCartão de CréditoJuros do cheque especial passam a ser limitados. Saiba o motivo

    Juros do cheque especial passam a ser limitados. Saiba o motivo

    0
    (0)

    O Banco Central limitou os juros do cheque especial. A partir do dia 6 de janeiro de 2020, eles serão de no máximo 8% ao mês.

    Publicidade

    De acordo com o BC, o objetivo da medida foi corrigir uma falha de mercado no cheque especial para reduzir seu custo e sua regressividade.

    Ou seja, o custo maior em termos proporcionais para os mais pobres. Outra meta é racionalizar seu uso pelo cliente.

    Cheque especial com limite
    Banco Central impõe limite para taxa cobrada no cheque especial

    De acordo com a instituição, hoje, os juros médios do crédito especial são de 306% ao ano. Por outro lado, o percentual fica por volta de 12% ao mês.

    Contudo, a resolução libera os bancos a cobrarem uma tarifa de 0,25% sobre o limite total de cheque especial do cliente. Descontado o valor devido a título de juros no respectivo mês.

    Quem tem limite de até R$ 500 ficará isento da tarifa. Segundo o BC, 19 milhões de clientes se encaixam nessa isenção, de um universo total de 80 milhões de usuários do serviço.

    Publicidade

    A isenção para a faixa de limite de até R$ 500 é estendida a todos os clientes. Isto é, quem tem um limite de R$ 600 paga a tarifa apenas sobre R$ 100 restantes.

    40% recorrem ao limite extra todos os meses

    O cheque especial é uma das modalidades de crédito mais caras do mercado. No entanto, nem por isso o consumidor brasileiro tem evitado usar esse limite disponível na conta, que muitas vezes é fácil de ser obtido.

    Em cada dez brasileiros, dois (20%) recorreram ao cheque especial em algum momento nos 12 meses anteriores ao levantamento.

    É o que mostra a pesquisa feita pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil)

    O levantamento ainda mostra que a maior parte (40%) dos usuários do cheque especial tem o hábito de utilizar o saldo extra todos os meses.

    Publicidade

    Esse comportamento é ainda mais comum levando em conta as pessoas da classe C, D e E (48%).

    Outros 30% de usuários recorreram ao cheque especial a cada dois ou três meses e 27% pelo menos três vezes no ano.

    6 dicas para não recorrer à modalidade

    1 – Faça um planejamento financeiro

    Grande parte das pessoas que entram em dívidas chegam a essa situação porque não souberam lidar com o dinheiro. E, principalmente, porque não acompanharam de perto os seus gastos e ganhos.

    Fazer um planejamento é a melhor forma de entender a sua realidade financeira. Assim, você vai saber o quanto você pode gastar com cada despesa.

    E, principalmente, quitar as suas dívidas, como sair do cheque especial.

    Portanto, faça uma avaliação minuciosa dos seus gastos e classifique o que é necessário e o que pode ser cortado ou reduzido no orçamento.

    Assim, é possível ter uma vida financeira mais equilibrada, sem depender de linhas de crédito ruins, como o limite pré-aprovado.

    Publicidade

    2 – Tente fazer uma negociação

    À medida que a dívida de cheque especial vai envelhecendo, ela fica mais cara. Uma forma de tentar quitar esse débito e pagar menos juros é recorrer à negociação.

    Entre em contato com a instituição financeira e converse sobre a possibilidade de conseguir juros menores.

    ++ Como limpar o nome depois de pagar as dívidas

    3 – Parcele o seu débito

    A depender do valor da dívida, parcelar os débitos é uma saída interessante.

    Mas, para que essa solução seja realmente viável, não se esqueça de analisar as suas contas para entender quanto, exatamente, você poderá pagar por mês.

    Afinal, se a dívida não for quitada depois de uma negociação, haverá acréscimo de juros sobre os débitos já existentes.

    4 – Troque a sua dívida por outra mais barata

    Os juros do cheque especial são os mais caros do mercado. Portanto, trocar essa dívida por outra modalidade de crédito pode torná-la mais barata.

    Verifique opções de empréstimo com taxas mais baixas e maior prazo de pagamento para se livrar de uma vez por todas da bola de neve do cheque especial.

    Neste momento, considere a possibilidade de colocar um bem como garantia de pagamento, para conseguir condições ainda melhores.

    5 – Não confunda crédito e receita

    Normalmente, os consumidores que utilizam a modalidade de crédito com frequência confundem receita e crédito.

    Vale lembrar que, embora apareça como limite disponível na conta, o valor não compõe a renda mensal.

    6 – Diminua o limite

    Para aqueles que têm dificuldade de controlar os gastos com o cheque especial, é aconselhável reduzir ou até cancelar o limite.

    Assim, o consumidor terá menos dinheiro disponível, o que incentivará mais cautela na hora de gastar.

    O que achou disso?

    Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

    Seja o primeiro a avaliar este post.

    Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

    Diga-nos, como podemos melhorar?

    Rafael Massadar
    Rafael Massadar
    Carioca, amante de esportes e de viagens. Escolhi o jornalismo porque ele vive pelo mundo e conta histórias de pessoas e realidades distintas. Tenho experiência em redação e assessoria de imprensa. Atualmente, trabalho numa agência de marketing digital.

    Artigos Relacionados

    Assine nossa newsletter!

    Páginas Populares

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    InícioCartão de CréditoJuros do cheque especial passam a ser limitados. Saiba o motivo

    Juros do cheque especial passam a ser limitados. Saiba o motivo

    0
    (0)

    O Banco Central limitou os juros do cheque especial. A partir do dia 6 de janeiro de 2020, eles serão de no máximo 8% ao mês.

    Publicidade

    De acordo com o BC, o objetivo da medida foi corrigir uma falha de mercado no cheque especial para reduzir seu custo e sua regressividade.

    Ou seja, o custo maior em termos proporcionais para os mais pobres. Outra meta é racionalizar seu uso pelo cliente.

    Cheque especial com limite
    Banco Central impõe limite para taxa cobrada no cheque especial

    De acordo com a instituição, hoje, os juros médios do crédito especial são de 306% ao ano. Por outro lado, o percentual fica por volta de 12% ao mês.

    Contudo, a resolução libera os bancos a cobrarem uma tarifa de 0,25% sobre o limite total de cheque especial do cliente. Descontado o valor devido a título de juros no respectivo mês.

    Quem tem limite de até R$ 500 ficará isento da tarifa. Segundo o BC, 19 milhões de clientes se encaixam nessa isenção, de um universo total de 80 milhões de usuários do serviço.

    Publicidade

    A isenção para a faixa de limite de até R$ 500 é estendida a todos os clientes. Isto é, quem tem um limite de R$ 600 paga a tarifa apenas sobre R$ 100 restantes.

    40% recorrem ao limite extra todos os meses

    O cheque especial é uma das modalidades de crédito mais caras do mercado. No entanto, nem por isso o consumidor brasileiro tem evitado usar esse limite disponível na conta, que muitas vezes é fácil de ser obtido.

    Em cada dez brasileiros, dois (20%) recorreram ao cheque especial em algum momento nos 12 meses anteriores ao levantamento.

    É o que mostra a pesquisa feita pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil)

    O levantamento ainda mostra que a maior parte (40%) dos usuários do cheque especial tem o hábito de utilizar o saldo extra todos os meses.

    Publicidade

    Esse comportamento é ainda mais comum levando em conta as pessoas da classe C, D e E (48%).

    Outros 30% de usuários recorreram ao cheque especial a cada dois ou três meses e 27% pelo menos três vezes no ano.

    6 dicas para não recorrer à modalidade

    1 – Faça um planejamento financeiro

    Grande parte das pessoas que entram em dívidas chegam a essa situação porque não souberam lidar com o dinheiro. E, principalmente, porque não acompanharam de perto os seus gastos e ganhos.

    Fazer um planejamento é a melhor forma de entender a sua realidade financeira. Assim, você vai saber o quanto você pode gastar com cada despesa.

    E, principalmente, quitar as suas dívidas, como sair do cheque especial.

    Portanto, faça uma avaliação minuciosa dos seus gastos e classifique o que é necessário e o que pode ser cortado ou reduzido no orçamento.

    Assim, é possível ter uma vida financeira mais equilibrada, sem depender de linhas de crédito ruins, como o limite pré-aprovado.

    Publicidade

    2 – Tente fazer uma negociação

    À medida que a dívida de cheque especial vai envelhecendo, ela fica mais cara. Uma forma de tentar quitar esse débito e pagar menos juros é recorrer à negociação.

    Entre em contato com a instituição financeira e converse sobre a possibilidade de conseguir juros menores.

    ++ Como limpar o nome depois de pagar as dívidas

    3 – Parcele o seu débito

    A depender do valor da dívida, parcelar os débitos é uma saída interessante.

    Mas, para que essa solução seja realmente viável, não se esqueça de analisar as suas contas para entender quanto, exatamente, você poderá pagar por mês.

    Afinal, se a dívida não for quitada depois de uma negociação, haverá acréscimo de juros sobre os débitos já existentes.

    4 – Troque a sua dívida por outra mais barata

    Os juros do cheque especial são os mais caros do mercado. Portanto, trocar essa dívida por outra modalidade de crédito pode torná-la mais barata.

    Verifique opções de empréstimo com taxas mais baixas e maior prazo de pagamento para se livrar de uma vez por todas da bola de neve do cheque especial.

    Neste momento, considere a possibilidade de colocar um bem como garantia de pagamento, para conseguir condições ainda melhores.

    5 – Não confunda crédito e receita

    Normalmente, os consumidores que utilizam a modalidade de crédito com frequência confundem receita e crédito.

    Vale lembrar que, embora apareça como limite disponível na conta, o valor não compõe a renda mensal.

    6 – Diminua o limite

    Para aqueles que têm dificuldade de controlar os gastos com o cheque especial, é aconselhável reduzir ou até cancelar o limite.

    Assim, o consumidor terá menos dinheiro disponível, o que incentivará mais cautela na hora de gastar.

    O que achou disso?

    Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

    Seja o primeiro a avaliar este post.

    Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

    Diga-nos, como podemos melhorar?