Imposto de Renda 2018: como declarar investimentos | FinanceOne

Gráficos e cotações de Hoje

Dólar R$ 3,785
Euro R$ 4,411
Bitcoin R$ 23.945,00
Bovespa 74.538,54
CDI 6,39% a.a
Poupança (mês) 0,5000%
Libra R$ 5,020
Conversor de Moeda
Veja a Cotação do
Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.


Imposto de Renda 2018: como declarar investimentos

A Receita Federal divulgou as datas e regras para a declaração do Imposto de Renda 2018. Para quem deve declarar, é preciso ficar atento aos detalhes e as principais informações. É importante relembrar que este procedimento é condizente com os rendimentos do ano anterior.

O motivo de ficar atento ao prazo é evidente, pois já está se aproximando. Este ano, a Receita Federal receberá as declarações de 1º de março a 30 de abril. A principal dica de especialistas na área contábil é não deixar a declaração para último caso. Pois quanto antes, melhor – a restituição chega mais rapidamente. O pagamento será de junho a dezembro, com prioridades para portadores de doença (grave) e deficientes.

Embora seja um tema muito recorrente no meio financeiro, ainda gera muitas dúvidas. E o melhor nessa época é correr atrás das soluções e explicações para evitar qualquer imprevisto. Pensando nisso, o FinanceOne conversou com o especialista em contabilidade, auditor e consultor financeiro Giovanne de Souza. A seguir, ele explica detalhes do imposto de renda, como quem precisa declarar, quais são os tipos e os maiores erros.

Imposto de Renda 2018
O Imposto de Renda 2018 gera dúvidas nos contribuintes na hora de declarar os investimentos

Quem precisa declarar imposto de renda 2018?

O especialista explica que será obrigado a declarar o imposto de renda aquele que, no ano-calendário de 2017, tiver recebido rendimentos tributáveis – sujeitos ao ajuste, cuja soma tenha que ter sido superior a R$28.559,70. E em relação à atividade rural, aquele que obteve receita bruta com valor maior que R$142.798,50.

Ele explica ainda que estarão obrigados a apresentar aqueles que são residentes no Brasil no ano anterior, desde que apresente uma das características abaixo:

  • Receberam rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma foi superior a R$ 40.000,00 (quarenta mil reais);
  • Obtiveram, em qualquer mês, ganho de capital na alienação de bens ou direitos, sujeito à incidência do imposto, ou realizou operações em bolsas de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhadas;
  • Pretendam compensar, no ano-calendário de 2017 ou posteriores, prejuízos com a atividade rural de anos-calendário anteriores ou do próprio ano-calendário de 2017;
  • Tiveram, em 31 de dezembro, a posse ou a propriedade de bens ou direitos, inclusive terra nua, de valor total superior a R$ 300.000,00 (trezentos mil reais);
  • Passaram à condição de residentes no Brasil em qualquer mês de 2017 e nessa condição encontravam-se em 31 de dezembro;
  • Optaram pela isenção do Imposto sobre a Renda incidente sobre o ganho de capital auferido na venda de imóveis residenciais, cujo produto da venda seja aplicado na aquisição de imóveis residenciais localizados no País, no prazo de 180 (cento e oitenta) dias contado da celebração do contrato de venda, nos termos do art. 39 da Lei nº 11.196, de 21 de novembro de 2005.

Imposto de Renda 2018: quais investimentos declarar?

Giovanne de Souza
O especialista Giovanne de Souza explica quais investimentos devem ser declarados (Foto: Arquivo pessoal)

Para declarar um investimento é necessário, primeiro, solicitar ao banco em que o contribuinte tem conta um documento chamado informe de rendimentos financeiros. É nessa certidão que estarão as informações descritas de todas as aplicações que o cidadão tem na instituição.

As aplicações são separadas em dois grupos. São elas:

1. Aplicações isentas de imposto (poupança, LCA, LCI, CRA, CRI);

2. Aplicações sujeitas à tributação exclusiva na fonte (fundos de investimento em geral, CDB e RDB).

Mas é na hora de declarar o imposto de renda que os contribuintes deverão ficar atentos. Segundo Giovanne, os investimentos precisam ser declarados tanto em relação aos rendimentos auferidos (ganhos) como em relação ao valor investido (saldo).

“Esse procedimento geralmente é simples, mas diferente para cada tipo de investimento. Se for feito de forma incorreta, pode fazer com que o investidor pague mais impostos que o necessário, tome multas ou vire alvo de uma fiscalização individual.”

Como incluir os dependentes na declaração?

Uma dúvida de muitos brasileiros na hora de declarar o imposto de renda é como declarar os dependentes. De acordo com Giovanne, aqueles que desejarem, há um campo para que sejam preenchidas essas informações.

Porém, o especialista alerta que o contribuinte deverá verificar se realmente será vantajoso incluir os dependentes. Pois o valor da renda pode não ser compensado pelos abatimentos previstos em lei. Assim, o cidadão pode acabar pagando mais ou tendo uma restituição menor do que se tivesse declarado sozinho.

Maiores erros cometidos ao declarar o imposto de renda

As dúvidas são muitas a respeito desse tema. Mas mesmo assim, os erros persistem ano após ano. E é dessa forma que muita gente procura um contador e/ou outro especialista para esclarecer ou fazer a declaração.

Giovanne explica que a omissão de rendimento costuma ser um dos principais erros cometidos pelos contribuintes. No entanto, no país isso sempre tende a acontecer devido ao tão conhecido “jeitinho brasileiro” de passar por cima das regras. O especialista comenta que é comum as pessoas não declararem um trabalho realizado como autônomo, ou então um emprego por tempo reduzido.

O especialista na área contábil conta que os erros são muitos. Ao longa da sua experiência, já lidou com diversas situações. Outro erro comum, segundo Giovanne, é a inclusão de um dependente na declaração que possua renda. Para este, o contribuinte não costuma informar o rendimento. Exemplo: um filho que faz estágio ou pai que recebe o benefício da aposentadoria.

“Além destes, há erros recorrentes com despesas médicas que não têm comprovação, omissão de renda de aluguel, pensão alimentícia e até mesmo números digitados errados, principalmente quando o contribuinte deixa para declarar na ‘última hora’.”

Mudanças na hora de declarar investimentos

imposto de rendaUma das mudanças que a Receita Federal realizou para esse ano de 2018 é a solicitação de mais informações sobre os bens. O especialista explica que foram incluídos campos para preenchimento com informações complementares relacionadas a alguns tipos de bens. Por exemplo: número de registros, área, localização do bem, CNPJ de empresas e/ou instituições financeiras.

Por isso, é importante que o contribuinte esteja mais atento na hora de realizar a declaração desses investimentos, além de recolher o quanto antes as informações para que nenhuma seja omitida.

Outra alteração é que a partir deste ano será obrigatória a informação do CPF para os dependentes com oito anos ou mais, completados até 31 de dezembro de 2017. Além disso, o programa também sofreu alteração na referência sobre a alíquota efetiva utilizada no cálculo da apuração do imposto.

Especialista destaca a importância de se antecipar

“Quem deixa tudo para a última hora é sempre o primeiro a não ter tempo para nada.” Essa frase se aplica com muita predominância no que diz respeito ao Imposto de Renda, sobretudo no ato de declará-lo. Giovanne comenta sobre a importância de os contribuintes não deixarem para a última hora e se anteciparem ao prazo.

Segundo ele, os contribuintes que apresentarem a declaração logo no início do prazo estipulado pela Receita Federal terão uma prioridade nos lotes iniciais de restituição. Ou seja, o retorno será em curto prazo. Nesse caso, ser precoce não é prejudicial. Pelo contrário, antecipa o objetivo.

“Além disso, caso haja alguma necessidade de retificação, o contribuinte tem tempo hábil para ajustar tudo ainda dentro do prazo.” É importante informar que após 30 de abril de 2018, não é admitida a retificação que tenha por objetivo a troca de opção por outra forma de tributação (desconto simplificado ou todas as deduções legais).

Quem deixa para última hora encontra dificuldades

Antecipar-se é importante para evitar imprevistos. Como em qualquer procedimento formal e burocrático, quanto mais rápido os trâmites forem finalizados será possível concluir o objetivo sem precisar adiá-lo. O especialista retrata ainda que quem deixar para última hora enfrentará muitas dificuldades. Tanto com relação ao sistema, mas também no que envolve a logística.

“Quem deixar para enviar nos últimos momentos corre o risco de enfrentar dificuldades por causa do grande número de acessos, que pode deixar o sistema lento. Dessa forma, sempre é um risco.”

Giovanne comenta que, quando isso ocorre, o conselho dos especialistas é que o contribuinte envie a declaração incompleta para que a multa seja evitada. Feito isso, deve ser feita a declaração retificadora.

Segundo ele, o contribuinte deve, no entanto, ter todo um cuidado no momento da escolha do tipo da declaração que será enviada. Seja a completa ou a simplificada. “Isso porque, passado o prazo de entrega, a declaração retificadora só poderá ser feita no mesmo formato da declaração original.”

O que fazer quando cair na malha fina?

A Receita Federal utiliza um sistema de cruzamentos de dados que são enviados ao Fisco, como por exemplo a comparação com os números fornecidos por empresas, INSS, convênios médicos, bancos, imobiliárias, administradoras de cartão de crédito, entre outros. E é dessa forma que as divergências de valores são identificadas.

Caso o contribuinte informe um dado errado ou omita alguma informação, como não incluir os rendimentos dos dependentes automaticamente a declaração ficará presa na malha fina. Giovanne explica que por meio do extrato do Imposto de Renda, disponível no site da Receita Federal no Centro Virtual de Atendimento (e-CAC), o contribuinte saberá quais pendências ou incoerências foram encontradas pelo Fisco na declaração do Imposto de Renda. Depois disso será necessário que o cidadão envie uma declaração retificadora ao Fisco, para que dessa forma saia da malha fina.







Mais lidos

11 eventos de empreendedorismo em 2018 para você ficar ligado
Empreender é a sua meta para 2018, mas você não sabe por onde começar? E o que todo empreendedor...
Fuja desses 5 erros ao administrar suas finanças pessoais
Você sabe como administrar suas finanças pessoais? A sua resposta pode até ser sim, se você est...
Franquia home office: como lucrar trabalhando em casa
Abrir uma franquia home office é mais fácil e barato do que você imagina. E a notícia boa é: o ...
Cuidados ao contratar um seguro de celular
Ter um seguro é essencial para garantir a segurança e a comodidade caso algo dê errado ou não sa...
Investir em Portugal vale a pena? Descubra!
Vale investir em Portugal. Não é só a facilidade da língua que pode atrair investidores brasilei...
Conheça os 31 planos de saúde suspensos pela ANS
Muitas pessoas têm planos de saúde para evitar que em momentos de necessidade tenham que recorrer ...





Notice: Undefined variable: hidden in /var/www/finance-one/wp-content/themes/financeone_estrategia/single.php on line 46

Publicidade