InícioNotíciasEconomiaImposto de Renda 2020 será prorrogado pelo coronavírus? Descubra!

Imposto de Renda 2020 será prorrogado pelo coronavírus? Descubra!

0
(0)

Uma das dúvidas de quem declara o Imposto de Renda é se o prazo para realizar a declaração será ou não adiado por conta da Covid-19. Essa dúvida acabou. A prorrogação da entrega foi anunciada na quarta-feira, 1º de abril.

O anúncio foi feito pelo secretário da Receita Federal, José Tostes Neto, que informou que o novo prazo terá mais 60 dias, sendo a data final em 30 de junho. Anteriormente o prazo ia até 30 de abril.

Imposto de Renda
O Imposto de Renda teve o prazo prorrogado para 30 de junho por conta da Covid-19

O motivo da prorrogação é a pandemia do novo coronavírus, que está dificultando o acesso a documentos das pessoas, por exemplo. Com isso, os contribuintes agora terão mais dois meses para declarar o Imposto de Renda.

Prazo do primeiro lote da restituição está em análise

O prazo do primeiro lote da restituição estava previsto, inicialmente, para 30 de maio. Quanto a isso, a Receita Federal ainda está avaliando se ele será mantido ou não.

A informação foi dada em entrevista coletiva no Palácio do Planalto, pelo secretário da Receita. De acordo com o último balanço divulgado pela Receita Federal, em 30 de março, o órgão já recebeu 8,1 milhões de declarações. O que representa 25% do total.

A expectativa é que 32 milhões de contribuintes façam a declaração este ano, de acordo com o Governo Federal. É importante lembrar que há cerca de duas semanas, Tostes Neto já havia afirmado que a Receita iria avaliar o adiamento do prazo em razão do avanço da pandemia.

Na ocasião, ele havia explicado que o órgão iria analisar o impacto da crise nas condições do contribuinte de declarar o imposto.

Quem precisa declarar o Imposto de Renda 2020?

Existem diversas exigências do Governo Federal para saber se você deve ou não declarar o Imposto de Renda. Para isso, o primeiro passo é saber se a sua renda se encaixa nos requisitos da Receita. Além de verificar se é obrigado a fazer a do tipo completo ou se pode optar pelo tipo simplificado.

Caso você tenha recebido rendimentos tributáveis, podendo ser salário, aposentadoria, aluguéis de imóveis, acima de R$25.661,70, será obrigado a declarar a sua renda. 

As demais exigências que obrigam o cidadão a declarar o Imposto de Renda são:

-> Se recebeu rendimentos isentos, como juros de poupança e FGTS não tributáveis. Como por exemplo seguro de veículo roubado ou tributados na fonte, como o 13º salário, ganhos com aplicações financeiras ou prêmios de loterias. Este em valores acima de R$40 mil;

-> Caso tenha propriedade ou posse no último dia do ano anterior, de bens ou direito acima de R$300 mil;

-> Caso teve ganho de capital na venda de bens e direitos sujeitos ao Imposto de Renda;

-> Aquele que realizou algum tipo de operação na Bolsa de Valores, de mercadorias ou semelhantes;

-> Quem obteve receita bruta em atividade rural acima de R$128.308,50 ou deseja compensar nesta declaração prejuízos em atividades do mesmo tipo.

-> Se ao comprar um imóvel residencial utilizou o dinheiro da venda de outro imóvel, no qual a transação teve isenção do IR sobre os ganhos de capital;

-> Se começou a morar no país em qualquer mês do ano anterior e ainda mantinha residência no Brasil no dia 31 de dezembro.

Quem não deve declarar o Imposto de Renda 2020?

Além das obrigatoriedades, há também as regras que estipulam os perfis dos que não são obrigados a declarar o Imposto de Renda. São eles:

  • Cidadãos que não se enquadrem nos requisitos que citamos no tópico anterior;
  • Aqueles que atendam alguns desses requisitos. No entanto, já tenham sido declarados como dependente de outra pessoa que também efetua contribuições;
  • Quem passou a ter posse de bens e direitos sem ultrapassar o valor de R$ 300.000,00, no último mês do ano anterior.

De acordo com a Receita Federal, ficam isentas do Imposto de Renda 2020 as pessoas com rendimentos abaixo de R$ 28.559,70 em 2019 (ano-calendário).

Em alguns casos específicos, é possível solicitar a isenção do imposto, por exemplo:

  • Portadoras de doenças graves, incluindo AIDS, alienação mental, cardiopatia grave, cegueira, esclerose múltipla e outras 11 patologias;
  • Pessoas com rendimentos relativos a aposentadoria, pensão ou reforma.

Para solicitar a isenção do IR, é preciso apresentar um laudo pericial que comprove a moléstia.

Como declarar o Imposto de Renda?

É possível realizar a declaração por conta própria ou com o auxílio de um profissional de contabilidade. O passo a passo é o seguinte:

1º passo – Verificar os critérios de obrigatoriedade e fazer um cálculo rápido para saber se você é obrigado a declarar o IR. Se positivo, juntar os documentos e dados necessários (seus, dos dependentes, de empregadores e outras fontes pagadoras, etc.);

2º passo – Acessar o site da Receita Federal e fazer o download do programa IRPF.

3º passo – Preencher os formulários com os dados básicos pessoais;

4º passo – Em caso de dependentes, incluir os dados na declaração, de forma a clicar na aba “Dependentes”;

5º passo – Informar os rendimentos, sejam tributáveis ou não. Declarar quais pagamentos foram feitos, o que pode gerar algumas deduções, nos campos:

– “Imposto de Renda retido na fonte”,

– “Pagamentos com Carnê-Leão”,

– “Pagamentos efetuados”,

– “Doações efetuadas”;

6º passo – Declarar bens, direitos, dívidas e ônus, sendo inclusos imóveis, veículos, saldos de poupança, dívidas e bens com valor maior que R$ 5 mil;

7º passo – Terminado todo o procedimento, entregue a declaração. É possível clicar em “pendências” para checar se faltou preencher alguma informação.

8º passo – Escolher entre a declaração simplificada ou completa. 

9º passo – Clicar novamente em “entregar a declaração” e emitir o Darf para avançar com o pagamento do imposto.

O que achou disso?

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Seja o primeiro a avaliar este post.

Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

Diga-nos, como podemos melhorar?

Mateus Carvalho
Mateus Carvalho
Jornalista de profissão e apaixonado por Marketing Digital. Já foi redator de jornal impresso, atualmente escrevo para o digital e tenho sede por empreender. Escrever é a minha maior paixão e quando não estou digitando estou pensando em digitar. Carioca, vascaíno e apaixonado por memes.

Assine nossa newsletter!

Páginas Populares

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

InícioNotíciasEconomiaImposto de Renda 2020 será prorrogado pelo coronavírus? Descubra!

Imposto de Renda 2020 será prorrogado pelo coronavírus? Descubra!

0
(0)

Uma das dúvidas de quem declara o Imposto de Renda é se o prazo para realizar a declaração será ou não adiado por conta da Covid-19. Essa dúvida acabou. A prorrogação da entrega foi anunciada na quarta-feira, 1º de abril.

O anúncio foi feito pelo secretário da Receita Federal, José Tostes Neto, que informou que o novo prazo terá mais 60 dias, sendo a data final em 30 de junho. Anteriormente o prazo ia até 30 de abril.

Imposto de Renda
O Imposto de Renda teve o prazo prorrogado para 30 de junho por conta da Covid-19

O motivo da prorrogação é a pandemia do novo coronavírus, que está dificultando o acesso a documentos das pessoas, por exemplo. Com isso, os contribuintes agora terão mais dois meses para declarar o Imposto de Renda.

Prazo do primeiro lote da restituição está em análise

O prazo do primeiro lote da restituição estava previsto, inicialmente, para 30 de maio. Quanto a isso, a Receita Federal ainda está avaliando se ele será mantido ou não.

A informação foi dada em entrevista coletiva no Palácio do Planalto, pelo secretário da Receita. De acordo com o último balanço divulgado pela Receita Federal, em 30 de março, o órgão já recebeu 8,1 milhões de declarações. O que representa 25% do total.

A expectativa é que 32 milhões de contribuintes façam a declaração este ano, de acordo com o Governo Federal. É importante lembrar que há cerca de duas semanas, Tostes Neto já havia afirmado que a Receita iria avaliar o adiamento do prazo em razão do avanço da pandemia.

Na ocasião, ele havia explicado que o órgão iria analisar o impacto da crise nas condições do contribuinte de declarar o imposto.

Quem precisa declarar o Imposto de Renda 2020?

Existem diversas exigências do Governo Federal para saber se você deve ou não declarar o Imposto de Renda. Para isso, o primeiro passo é saber se a sua renda se encaixa nos requisitos da Receita. Além de verificar se é obrigado a fazer a do tipo completo ou se pode optar pelo tipo simplificado.

Caso você tenha recebido rendimentos tributáveis, podendo ser salário, aposentadoria, aluguéis de imóveis, acima de R$25.661,70, será obrigado a declarar a sua renda. 

As demais exigências que obrigam o cidadão a declarar o Imposto de Renda são:

-> Se recebeu rendimentos isentos, como juros de poupança e FGTS não tributáveis. Como por exemplo seguro de veículo roubado ou tributados na fonte, como o 13º salário, ganhos com aplicações financeiras ou prêmios de loterias. Este em valores acima de R$40 mil;

-> Caso tenha propriedade ou posse no último dia do ano anterior, de bens ou direito acima de R$300 mil;

-> Caso teve ganho de capital na venda de bens e direitos sujeitos ao Imposto de Renda;

-> Aquele que realizou algum tipo de operação na Bolsa de Valores, de mercadorias ou semelhantes;

-> Quem obteve receita bruta em atividade rural acima de R$128.308,50 ou deseja compensar nesta declaração prejuízos em atividades do mesmo tipo.

-> Se ao comprar um imóvel residencial utilizou o dinheiro da venda de outro imóvel, no qual a transação teve isenção do IR sobre os ganhos de capital;

-> Se começou a morar no país em qualquer mês do ano anterior e ainda mantinha residência no Brasil no dia 31 de dezembro.

Quem não deve declarar o Imposto de Renda 2020?

Além das obrigatoriedades, há também as regras que estipulam os perfis dos que não são obrigados a declarar o Imposto de Renda. São eles:

  • Cidadãos que não se enquadrem nos requisitos que citamos no tópico anterior;
  • Aqueles que atendam alguns desses requisitos. No entanto, já tenham sido declarados como dependente de outra pessoa que também efetua contribuições;
  • Quem passou a ter posse de bens e direitos sem ultrapassar o valor de R$ 300.000,00, no último mês do ano anterior.

De acordo com a Receita Federal, ficam isentas do Imposto de Renda 2020 as pessoas com rendimentos abaixo de R$ 28.559,70 em 2019 (ano-calendário).

Em alguns casos específicos, é possível solicitar a isenção do imposto, por exemplo:

  • Portadoras de doenças graves, incluindo AIDS, alienação mental, cardiopatia grave, cegueira, esclerose múltipla e outras 11 patologias;
  • Pessoas com rendimentos relativos a aposentadoria, pensão ou reforma.

Para solicitar a isenção do IR, é preciso apresentar um laudo pericial que comprove a moléstia.

Como declarar o Imposto de Renda?

É possível realizar a declaração por conta própria ou com o auxílio de um profissional de contabilidade. O passo a passo é o seguinte:

1º passo – Verificar os critérios de obrigatoriedade e fazer um cálculo rápido para saber se você é obrigado a declarar o IR. Se positivo, juntar os documentos e dados necessários (seus, dos dependentes, de empregadores e outras fontes pagadoras, etc.);

2º passo – Acessar o site da Receita Federal e fazer o download do programa IRPF.

3º passo – Preencher os formulários com os dados básicos pessoais;

4º passo – Em caso de dependentes, incluir os dados na declaração, de forma a clicar na aba “Dependentes”;

5º passo – Informar os rendimentos, sejam tributáveis ou não. Declarar quais pagamentos foram feitos, o que pode gerar algumas deduções, nos campos:

– “Imposto de Renda retido na fonte”,

– “Pagamentos com Carnê-Leão”,

– “Pagamentos efetuados”,

– “Doações efetuadas”;

6º passo – Declarar bens, direitos, dívidas e ônus, sendo inclusos imóveis, veículos, saldos de poupança, dívidas e bens com valor maior que R$ 5 mil;

7º passo – Terminado todo o procedimento, entregue a declaração. É possível clicar em “pendências” para checar se faltou preencher alguma informação.

8º passo – Escolher entre a declaração simplificada ou completa. 

9º passo – Clicar novamente em “entregar a declaração” e emitir o Darf para avançar com o pagamento do imposto.

O que achou disso?

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Seja o primeiro a avaliar este post.

Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

Diga-nos, como podemos melhorar?