Investimento no Tesouro Direto tem taxa de custódia zerada | FinanceOne

Investimento no Tesouro Direto tem taxa de custódia zerada

Escrito por: Rafael Massadar em 27 de julho de 2020

A partir de 1º de agosto, investimentos no Tesouro Selic de até R$ 10 mil estarão isentos da taxa de custódia cobrada pela B3 (Bolsa de Valores). Os valores excedentes investidos (acima desse valor isento) continuam sendo taxados em 0,25% a.a.

Contudo, os demais títulos públicos do Tesouro Direto (títulos atrelados ao IPCA e Pré-fixados) continuam sofrendo o desconto dessa taxa.

investimento no Tesouro Direto
Investimento no Tesouro Direto de até R$10 mil terão isenção da taxa de custódia

A última redução da taxa de manutenção, de 0,30% para 0,25%, foi em 1º de janeiro de 2019 e valeu para todos os títulos.

No entanto, o Tesouro Nacional e a B3 informaram que continuarão a monitorar “constantemente” as oportunidades de reduções estruturais na taxa de custódia cobrada pela bolsa de valores.

O que é taxa de custódia?

A taxa de custódia é o valor cobrado pelas instituições financeiras para armazenar títulos ou ações dos investidores junto à B3. Essa taxa cobrada permite a B3 manter os investimentos cadastrados, atualizados e organizados por CPF.

Em outras palavras, essa taxa é uma tarifa que os investidores pagam para a corretora, para que elas registrem os investimentos em nome de quem aplicou o dinheiro.

Ela pode ser cobrada em diversos investimentos, porém é mais comum que ela incida sobre ações da Bolsa de Valores e títulos públicos do Tesouro Direto.

A taxa de custódia pode ser anual ou mensal e é calculada sobre o valor total da aplicação feita. Ela pode ser cobrada no momento de resgate, no momento da aplicação inicial ou pode ser provisionada durante o período do investimento.

Quem são os beneficiados pela redução?

De acordo com o Ministério da Economia, cerca de 1,3 milhões de pessoas têm investimentos no Tesouro Direto. Desse total, um terço deles ficará completamente isento da taxa de custódia.

“Mas, como a medida isenta o pagamento para todos os investidores em Tesouro Selic até o limite de R$ 10 mil em estoque, todos que possuem esse título, e que respondem por 53% da base de investidores ativos do programa, acabarão de alguma maneira sendo beneficiados”, explicou o Tesouro Nacional.

Ainda segundo a instituição, a mudança representa mais um “marco da série de inovações e melhorias no programa”.

O que inclui a análise contínua de seus custos de manutenção e aprimoramento, que vem sendo conduzida pelo Tesouro e pela B3.

Quanto o investidor irá deixar de pagar?

Para ilustrar o efeito da alteração na taxa de custódia zerada do investimento no Tesouro Direto, considere três investidores: um com R$ 9 mil, outro com R$ 11 mil e um terceiro com R$ 20 mil aplicados em Tesouro Selic.

Portanto, o primeiro ficará totalmente isento de taxa. O segundo só terá custo referente à taxa de custódia sobre o valor de R$ 1 mil que excede os R$ 10 mil. O terceiro pagará taxa referente aos R$ 10 mil excedentes.

Com a queda forte da taxa Selic para a mínima histórica de 2,25% ao ano, a taxa estava deixando o investimento muito caro.

A taxa atual, cobrada semestralmente, já estava equivalente a 10% do rendimento atual da taxa Selic. A taxa havia diminuído pela última vez, de 0,30% para 0,25% para todos os títulos, em 1º de janeiro de 2019.

O peso da taxa de custódia sobre o título era tanto que estava valendo mais a pena investir em um fundo DI simples (que aplica toda a carteira no Tesouro Selic) com taxa zero de administração do que diretamente pelo Tesouro Direto.

Com a crise do coronavírus, é a hora de investir no Tesouro Direto? FinanceOne traz a resposta. Confira!

Rafael Massadar

Jornalista com experiência em redação com pós-graduação em Comunicação Empresarial e Transmídia. Atualmente trabalho como assessor de imprensa.

Deixe uma resposta

Posts relacionados

investidor conservador
fundos imobiliários
investir em kitnet
Saber seu perfil de investidor
Investir com 3 mil reais