Conversor de moedas

Veja a cotação do Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.

O que avaliar na hora de escolher o plano de saúde

Escrito por: Mateus Carvalho em 17 de setembro de 2019

Quando se fala em plano de saúde vem diversos nomes de empresas à mente, certo? Com tantas opções, escolher o plano de saúde correto para você e sua família pode parecer uma tarefa difícil.

São diversos tipos de coberturas e taxas complementares que estão disponíveis no mercado. E é comum que na hora de contratar uma das operadoras, o consumidor fique confuso. Por isso, antes de adquirir um plano de saúde é necessário conhecer bem a empresa escolhida.

Mas como escolher o plano de saúde? O que deve ser levando em consideração antes de contratar um? Existem diversos pontos a ser analisados pelos clientes antes de qualquer coisa. Sendo o principal deles verificar se o plano vai atender todas as suas necessidades.

É comum você ter dúvidas sobre como escolher o plano de saúde ideal para você e sua família, ou até mesmo para a sua empresa.

Por isso, separamos neste artigo os principais pontos. Confira abaixo:

Antes de escolher o plano de saúde analise a cobertura e a abrangência

Conheça os tipos de cobertura assistencial

Conheça as necessidades da sua família

Entenda sobre o período de carência

Avalie o custo-benefício na hora de escolher o plano de saúde

reajuste-dos-planos-de-saúde
Saiba como escolher o plano de saúde para a sua família

Antes de escolher o plano de saúde analise a cobertura e a abrangência

Uma das primeiras coisas a serem levadas em consideração ao contratar o plano de saúde é a cobertura dele e sua abrangência. Por isso, antes de adquirir um pense nas suas necessidade e escolha o que mais se encaixa com você.

Procure saber sobre as clínicas, hospitais, laboratórios e os médicos que fazem parte da rede credenciada. Se você já tem um acompanhamento de um profissional, confira se ele está credenciado. 

Além disso, verifique ainda se os hospitais de emergência próximos a sua casa também estão na rede escolhida por você. Isso porque esses são os hospitais que você irá recorrer em caso de alguma emergência.

Agora sobre a cobertura, se você viaja muito ou mora em uma cidade em que os serviços são limitados, será necessário contratar um plano a nível estadual ou até mesmo nacional. Vale lembrar que a abrangência pode ser municipal, estadual ou nacional.

E as operadoras são obrigadas a disponibilizar todas essas informações em um manual impresso ou nos sites. Por isso, fique de olho, porque podem ocorrer alterações, mas é de responsabilidade da empresa de mantê-los atualizados. 

Conheça os tipos de cobertura assistencial

Antes de contratar um plano de saúde de uma das operadoras existentes, é necessário estar atento ao tipo de cobertura que ele irá oferecer. Além de analisar se essa cobertura irá atender às suas necessidades. 

E a segmentação do plano é justamente a composição das coberturas. Estas às vezes podem ter o nome um pouco difícil, o que complica entender o que cada uma delas cobre. Confira cada denominação e o que ela aceita. 

Cobertura Ambulatorial

Está garantida a prestação de serviços de saúde que compreende consultas médicas em clínicas e/ou consultórios, exames e os demais procedimentos ambulatoriais. Já os atendimentos de emergência são limitados até as primeiras 12 horas do atendimento.

A realização de procedimentos exclusivos da cobertura hospitalar fica sob responsabilidade do beneficiário. Mesmo sendo realizada na mesma unidade de prestação de serviços e em tempo menor que 12 horas.

Cobertura Hospitalar sem Obstetrícia

Este tipo de cobertura garante a prestação de serviços em regime de internação hospitalar, com exceção do parto. A legislação não admite previsão de limite de tempo de internação. 

Quando o atendimento de emergência for realizado no decorrer dos períodos de carência, deverá abranger a cobertura igual à fixada para o plano. Ou seguro do segmento ambulatorial, não garantindo, portanto a internação além das 12 horas iniciais.

Cobertura Hospitalar com Obstetrícia

Além do regime de internação hospitalar, também está incluída a atenção ao parto. É garantida ainda a cobertura assistencial ao recém-nascido filho natural ou adotivo do contratante. Ou até mesmo do dependente, durante os primeiros 30 dias após o parto.

No caso da necessidade de assistência médico-hospitalar decorrente da condição gestacional de pacientes ainda cumprindo período de carência, a operadora deverá abranger a cobertura igual à fixada para o plano do segmento ambulatorial. Não garantindo a internação além das 12 horas iniciais.

Cobertura dos Planos da Segmentação Referência

Este plano, que é instituído pela Lei nº 9.656/98, engloba assistência médico-ambulatorial e hospitalar com obstetrícia e acomodação em enfermaria. A cobertura mínima também foi estabelecida pela Lei.

Sendo assim, devendo o atendimento de urgência e emergência ser integral após as 24 horas da contratação. 

Cobertura Exclusivamente Odontológica

Esta segmentação assistencial de plano de saúde garante assistência odontológica. No qual compreende consultas, exames, atendimentos de urgência e emergência odontológicos.

Além de exames auxiliares ou complementares, tratamentos e demais procedimentos realizados em ambiente ambulatorial.

Estes devem ser solicitados pelo cirurgião-dentista assistente com a finalidade de complementar o diagnóstico do paciente que estejam determinados no Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde. 

Conheça as necessidades da sua família

As necessidades da família está entre os principais pontos a serem avaliados pelos clientes antes de escolher o plano de saúde. E a partir disso, você pode escolher a cobertura, seja ambulatorial ou hospitalar, com ou sem obstetrícia.

Por isso, é importante avaliar algumas situações, como por exemplo, se não existem planos de aumentar a família, não compensa contratar a cobertura com obstetrícia. Tendo em vista a diferença nos custos. 

Dessa forma, o mesmo tipo de consideração deve ser feito em relação à escolha da acomodação, como particular ou enfermaria. Além da abrangência do plano. 

E saber do que a sua família necessita é fundamental para conseguir escolher o plano de saúde ideal. Que ofereça uma cobertura adequada sem ter um custo elevado demais. Além de ser importante avaliar eventuais doenças ou lesões.

Isso porque elas costumam interferir nas coberturas oferecidas e no prazo de carência para poder utilizar de determinados procedimentos médicos.

Entenda sobre o período de carência

Você provavelmente já escutou falar sobre a carência que os planos de saúde costumam ter. A carência é o período entre a assinatura do plano e a data em que os beneficiários poderão usá-lo efetivamente. E este é um ponto que merece uma atenção especial.

Isso porque é comum as pessoas não se informarem ou não darem a devida importância sobre esse prazo. E acabam buscando o atendimento antes de poder utilizar de fato as cobertura, sem obter sucesso.

plano de saúde
Escolher o plano de saúde pode ser considerado difícil por algumas pessoas

Outra questão importante é o período de cobertura parcial temporária, situação que acontece uma restrição em relação à abrangência de determinados procedimentos. Isso devido a doenças ou lesões preexistentes do segurado.

Para esses casos, é importante ressaltar que a limitação só pode acontecer quando o atendimento tiver relação direta com o problema que é anterior à contratação do seguro.

E para evitar transtornos, esteja atento sobre os prazos de carência ou cobertura parcial temporária (CPT) que o plano oferece. Sendo assim, por lei, os períodos de máximos que podem ser estipulados pelas operadoras são:

– 24 horas para urgências e emergências;

– 180 dias para as demais coberturas;

– 300 dias para partos;

– 24 meses para doenças ou lesões preexistentes.

Você ainda precisa verificar os prazos estabelecidos em cada contrato e também se há regras específicas para a utilização dos serviços.

Em algumas situações ainda é possível encontrar carências reduzidas e condições mais favoráveis para a contratação.

Avalie o custo-benefício na hora de escolher o plano de saúde

Ao escolher um plano de saúde, é necessário levar em conta o custo X benefício. Isso porque nem sempre o convênio de saúde mais caro é o que atende às suas necessidades e expectativas. 

Porém, é preciso estar atento para não cair em uma armadilha ao levar em conta apenas o valor e acabar contratando o plano mais barato.

Vale lembrar que o plano ideal deve caber no seu bolso. Mas ele também precisa oferecer segurança para não colocar a saúde da sua família em risco. Garantindo assim que todos terão acesso aos atendimentos e procedimentos necessários.

Sendo assim, avalie o custo X benefício de acordo com a sua realidade familiar. Se há crianças, idosos e até mesmo uma pretensão de gravidez nos próximos meses, escolha uma empresa que cubra todos os serviços com qualidade.

Isso porque um parto pode custar caro, sendo assim é melhor pagar uma mensalidade do que ter gastos elevados com o hospital. Outra informação importante é que os gastos com saúde não costumam ser planejados e você pode acabar se surpreendendo com essas despesas.

Mateus Carvalho

Jornalista formado pela Unicarioca. Atualmente, repórter da Folha Dirigida e produtor de conteúdo no FinanceOne. Já fui colaborador do Torcedores.com.

Deixe uma resposta

Precisa converter?

A calculadora de conversão do FinanceOne fornece os últimos valores cotados para diversas moedas. Acesse agora!

Converter agora

Posts relacionados

Black Friday chegando: como não cair em ciladas
Adeus, consumismo: dicas para fazer compras em brechó
Os concursos da Mega-Sena
venda de produtos
Conta de luz mais cara em maio