Cursos que transformam sua vida financeira
Mais
    InícioCarol VelosoA tal pirâmide de Maslow: como priorizar gastos e fazer o melhor...

    A tal pirâmide de Maslow: como priorizar gastos e fazer o melhor uso do dinheiro

    5
    (1)

    No último final de semana eu estava conversando com uma amiga sobre um curso de estilo que eu tinha comprado e como ele me ajudou a tirar 50% do que eu tinha no guarda-roupa.

    Publicidade

    Estávamos falando sobre como compramos coisas na promoção ou que estão na moda e que isso nos sobrecarrega de decisões e lota nosso guarda-roupa com coisas que nunca iremos usar.

    Daí ela soltou a frase: “mas você era consumista”.

    Engraçado que eu não me vejo assim. Nunca me vi, na verdade (talvez quando estava emocionalmente abalada no meu primeiro emprego eu tenha, sim, descontado frustrações em lojas).

    Daí fiquei pensando que possivelmente ela disse isso por eu gostar de comprar roupas. Eu sempre gostei de moda e de comprar roupas. Confesso: sentia aquela alegria que só um papel seda e um cheirinho de loja são capazes de dar.

    Mas roupa é supérfluo.

    Publicidade

    E na nossa relação torta com o dinheiro (talvez também por vivermos em um país tão desigual), gastar com supérfluo tem um quê de coisa errada (mesmo com todos os investimentos em dia).

    É errado gastar com supérfluo?

    Então quando gastamos com supérfluo parece que tem sempre um fiscal – ainda que imaginário – para nos recriminar (quem nunca escondeu uma sacolinha de loja que atire a primeira pedra).

    Pra piorar: quando eu comecei a me educar financeiramente eu consumia conteúdos que mandavam eu cortar tudo (especialmente os supérfluos).

    Depois de muitos meses sem comprar roupa percebi que aquele tipo de gasto era importante pra mim, pois tinha relação com a minha qualidade de vida. Para muita gente é fazer a unha no salão, ter dinheiro pra comer fora, gastar com viagens, comprar plantas ou decorar a casa.

    Cada um tem algo supérfluo que faz seu coração palpitar. Porém, como gastar sem culpa e com consciência?

    Publicidade

    Eu adoto uma técnica que eu chamo de “pirâmide de Maslow pessoal”.

    Técnica Pirâmide de Maslow Pessoal

    Pra quem não conhece, a pirâmide de Maslow é aquela famosa pirâmide da hierarquia das necessidades humanas, proposta por Abraham Maslow em 1943 (no artigo intitulado “A teoria da Motivação Humana”).

    Segundo a teoria da Maslow nós só sentimos a necessidade de satisfazer as necessidades do próximo nível se tivermos satisfeitas as necessidades do nível anterior. Elas estariam divididas assim:

    Nível 1: necessidades fisiológicas (respirar, comer,  descansar, beber, dormir, sexo).

    Nível 2: necessidades relacionadas à segurança (segurança do corpo, emprego, recursos de moralidade, família, saúde, propriedade).

    Publicidade

    Nível 3: necessidades relacionadas ao afeto (amizade, família, intimidade sexual).

    Nível 4: necessidades relacionadas  à estima (autoestima, confiança e conquista).

    Nível 5: necessidades relacionadas à realização pessoal (moralidade, criatividade, espontaneidade, resolução de problemas, ausência de preconceito, aceitação dos fatos).

    Só tem um probleminha: as pessoas têm necessidades diferentes e vivem contextos diversos.

    Portanto, o que você deveria fazer agora é desenhar a SUA pirâmide de necessidades. Coloque na base da pirâmide o que é mais importante e no ápice o que é menos importante.

    Depois compare essa pirâmide com suas faturas do cartão e planilha de orçamento doméstico.

    A sua pirâmide vai ser seu guia sobre estar gastando bem seu dinheiro ou não, ou seja, se a sua fatura e orçamento abrange mais coisas que importam pra você na ordem de prioridade que você desenhou.

    Se seus gastos estiverem de acordo com as suas prioridades: ótimo! Você está fazendo bom uso do seu dinheiro.

    Se estiver algo trocado em ordem de prioridade: hora de repensar aquele gasto ou enxugá-lo.

    mulher comprando chocolate na cacau show
    Pirâmide de Maslow pode servir de guia sobre estar gastando bem o dinheiro ou não

    Lembrando que isso vale também para quem precisa fazer cortes no orçamento: corte primeiro do que trará menos prejuízo emocional (comece pelo ápice da pirâmide e vai descendo até a base, nunca o contrário).

    Recomendo, inclusive, que você coloque na pirâmide seus planos futuros, afinal é o boleto que você paga para o seu “eu do futuro”. Assim você entende qual a prioridade que você tem dado para gastos futuros e que dependam de esforço de poupança.

    Investimentos em dia, dívidas controladas e gastos alinhados às suas prioridades: compre o que te faz feliz sem culpa e pare de alimentar tabus financeiros.

    O supérfluo é o tempero da vida, pois é onde reside nossa individualidade.

    Obs: na próxima vez não esconda sua sacolinha no armário!

    *Minhas opiniões não representam a CVM.

    Conheça Carol Velloso, colunista do FinanceOne

    Com experiência em finanças comportamentais, Carol Velloso é a nova colunista do FinanceOne. Ela terá textos publicados a cada 15 dias. Fique de olho!

    Carol é advogada com experiência em propriedade intelectual e políticas públicas, incluindo de educação financeira.

    Depois de se tornar mãe, ela passou a organizar a vida financeira da família e, desde de 2019, produz conteúdo sobre finanças comportamentais no perfil @neuro.economia, pois para ela a raiz dos problemas financeiros está no cérebro.

    Confira outros textos de Carol Velloso, colunista do FinanceOne:

    O que achou disso?

    Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 1

    Seja o primeiro a avaliar este post.

    Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

    Diga-nos, como podemos melhorar?

    Carol Velloso
    Carol Velloso
    Carol é advogada com experiência em propriedade intelectual e políticas públicas, incluindo de educação financeira. Depois de se tornar mãe, ela passou a organizar a vida financeira da família e a produzir conteúdo de finanças comportamentais, pois pra ela a raiz dos problemas financeiros está no cérebro. Carol é formada em Direito pela UFRJ, pós graduada em propriedade intelectual pela PUC-RJ e cursou Behavioral Finance na University of Chicago.

    Artigos Relacionados

    Assine nossa newsletter!

    Páginas Populares

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    InícioCarol VelosoA tal pirâmide de Maslow: como priorizar gastos e fazer o melhor...

    A tal pirâmide de Maslow: como priorizar gastos e fazer o melhor uso do dinheiro

    5
    (1)

    No último final de semana eu estava conversando com uma amiga sobre um curso de estilo que eu tinha comprado e como ele me ajudou a tirar 50% do que eu tinha no guarda-roupa.

    Publicidade

    Estávamos falando sobre como compramos coisas na promoção ou que estão na moda e que isso nos sobrecarrega de decisões e lota nosso guarda-roupa com coisas que nunca iremos usar.

    Daí ela soltou a frase: “mas você era consumista”.

    Engraçado que eu não me vejo assim. Nunca me vi, na verdade (talvez quando estava emocionalmente abalada no meu primeiro emprego eu tenha, sim, descontado frustrações em lojas).

    Daí fiquei pensando que possivelmente ela disse isso por eu gostar de comprar roupas. Eu sempre gostei de moda e de comprar roupas. Confesso: sentia aquela alegria que só um papel seda e um cheirinho de loja são capazes de dar.

    Mas roupa é supérfluo.

    Publicidade

    E na nossa relação torta com o dinheiro (talvez também por vivermos em um país tão desigual), gastar com supérfluo tem um quê de coisa errada (mesmo com todos os investimentos em dia).

    É errado gastar com supérfluo?

    Então quando gastamos com supérfluo parece que tem sempre um fiscal – ainda que imaginário – para nos recriminar (quem nunca escondeu uma sacolinha de loja que atire a primeira pedra).

    Pra piorar: quando eu comecei a me educar financeiramente eu consumia conteúdos que mandavam eu cortar tudo (especialmente os supérfluos).

    Depois de muitos meses sem comprar roupa percebi que aquele tipo de gasto era importante pra mim, pois tinha relação com a minha qualidade de vida. Para muita gente é fazer a unha no salão, ter dinheiro pra comer fora, gastar com viagens, comprar plantas ou decorar a casa.

    Cada um tem algo supérfluo que faz seu coração palpitar. Porém, como gastar sem culpa e com consciência?

    Publicidade

    Eu adoto uma técnica que eu chamo de “pirâmide de Maslow pessoal”.

    Técnica Pirâmide de Maslow Pessoal

    Pra quem não conhece, a pirâmide de Maslow é aquela famosa pirâmide da hierarquia das necessidades humanas, proposta por Abraham Maslow em 1943 (no artigo intitulado “A teoria da Motivação Humana”).

    Segundo a teoria da Maslow nós só sentimos a necessidade de satisfazer as necessidades do próximo nível se tivermos satisfeitas as necessidades do nível anterior. Elas estariam divididas assim:

    Nível 1: necessidades fisiológicas (respirar, comer,  descansar, beber, dormir, sexo).

    Nível 2: necessidades relacionadas à segurança (segurança do corpo, emprego, recursos de moralidade, família, saúde, propriedade).

    Publicidade

    Nível 3: necessidades relacionadas ao afeto (amizade, família, intimidade sexual).

    Nível 4: necessidades relacionadas  à estima (autoestima, confiança e conquista).

    Nível 5: necessidades relacionadas à realização pessoal (moralidade, criatividade, espontaneidade, resolução de problemas, ausência de preconceito, aceitação dos fatos).

    Só tem um probleminha: as pessoas têm necessidades diferentes e vivem contextos diversos.

    Portanto, o que você deveria fazer agora é desenhar a SUA pirâmide de necessidades. Coloque na base da pirâmide o que é mais importante e no ápice o que é menos importante.

    Depois compare essa pirâmide com suas faturas do cartão e planilha de orçamento doméstico.

    A sua pirâmide vai ser seu guia sobre estar gastando bem seu dinheiro ou não, ou seja, se a sua fatura e orçamento abrange mais coisas que importam pra você na ordem de prioridade que você desenhou.

    Se seus gastos estiverem de acordo com as suas prioridades: ótimo! Você está fazendo bom uso do seu dinheiro.

    Se estiver algo trocado em ordem de prioridade: hora de repensar aquele gasto ou enxugá-lo.

    mulher comprando chocolate na cacau show
    Pirâmide de Maslow pode servir de guia sobre estar gastando bem o dinheiro ou não

    Lembrando que isso vale também para quem precisa fazer cortes no orçamento: corte primeiro do que trará menos prejuízo emocional (comece pelo ápice da pirâmide e vai descendo até a base, nunca o contrário).

    Recomendo, inclusive, que você coloque na pirâmide seus planos futuros, afinal é o boleto que você paga para o seu “eu do futuro”. Assim você entende qual a prioridade que você tem dado para gastos futuros e que dependam de esforço de poupança.

    Investimentos em dia, dívidas controladas e gastos alinhados às suas prioridades: compre o que te faz feliz sem culpa e pare de alimentar tabus financeiros.

    O supérfluo é o tempero da vida, pois é onde reside nossa individualidade.

    Obs: na próxima vez não esconda sua sacolinha no armário!

    *Minhas opiniões não representam a CVM.

    Conheça Carol Velloso, colunista do FinanceOne

    Com experiência em finanças comportamentais, Carol Velloso é a nova colunista do FinanceOne. Ela terá textos publicados a cada 15 dias. Fique de olho!

    Carol é advogada com experiência em propriedade intelectual e políticas públicas, incluindo de educação financeira.

    Depois de se tornar mãe, ela passou a organizar a vida financeira da família e, desde de 2019, produz conteúdo sobre finanças comportamentais no perfil @neuro.economia, pois para ela a raiz dos problemas financeiros está no cérebro.

    Confira outros textos de Carol Velloso, colunista do FinanceOne:

    O que achou disso?

    Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 1

    Seja o primeiro a avaliar este post.

    Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

    Diga-nos, como podemos melhorar?