Cursos que transformam sua vida financeira
Mais
    InícioNotíciasEconomiaTurma da Mônica ganha vida em projeto de educação financeira

    Turma da Mônica ganha vida em projeto de educação financeira

    0
    (0)

    O investimento em educação financeira está crescendo no Brasil. Por meio desse método, é possível auxiliar o consumidor a administrar suas finanças de forma saudável.

    Publicidade

    Além de ajudá-lo a entender as complexidades do mercado financeiro e do dinheiro público.

    Para gastar sem se endividar é essencial começar a entender as complexidades do mercado financeiro desde a infância.

    Pensando nisso, a Secretaria do Tesouro Nacional (STN) lançou o projeto Em Busca do Tesouro.

    Ele reúne diversos materiais com os personagens da Turma da Mônica, criados em parceria com o Instituto Maurício de Sousa.

    Gibi da Turma da Mônica com o tema finanças
    Planejamento e disciplina podem evitar sintomas do estresse financeiro

    O programa, que está em sua fase inicial, foi implantado em 150 escolas públicas do Distrito Federal.

    Publicidade

    A meta é atender a 30 mil crianças com idades entre 9 e 11 anos, que cursam os 4º e 5º do ensino fundamental.

    O projeto visa ensinar temas como a importância de poupar; de onde vem o dinheiro gasto pelo governo. Além de como podemos fiscalizar o uso dessa verba e fazer aplicações financeiras, entre outros.

    Esses alunos realizarão uma avaliação cognitiva para comprovar a eficácia do conteúdo aplicado durante o período de teste.

    Por outro lado, a intenção das autoridades envolvidas é expandir o projeto Em Busca do Tesouro para todas as escolas brasileiras, a partir do segundo semestre de 2020.

    As escolas públicas participantes do programa foram selecionadas pela Secretaria de Educação do DF com base no Termo de Cooperação Técnica.

    Publicidade

    Elas receberão, por exemplo, o material com revistinhas e um minicurso para os professores gratuitamente. As escolas particulares também poderão solicitar o conteúdo.

    Porém, precisarão entrar em acordo sobre os custos para a distribuição da versão impressa aos seus alunos.

    Material pode ser encontrado na internet

    Pelo site do Em Busca do Tesouro é possível encontrar as revistinhas, assim como fórum para dúvidas e o minicurso para docentes.

    Isso fez com que os personagens da Turma da Mônica invadissem as casas de vários brasileirinhos que não moram na capital do país.

    Um desses casos aconteceu no Rio de Janeiro. Aluna do Colégio Pallas, Sofia Nigri, de nove anos, conheceu o projeto enquanto navegava na internet e se divertiu enquanto aprendia com o gibi.

    Publicidade

    Ela ainda aproveitou, por exemplo, para responder o quiz. E garantiu que vai repassar o que aprendeu para os colegas.

    “Achei a história do “Onde está o tesouro?” muito legal e gostei do formato em gibi, fica mais fácil para entender. Ganho uma mesada e costumava gastar tudo de uma vez. Agora, eu vi que preciso economizar e pesquisar na hora de comprar roupas para não gastar e ter sempre dinheiro guardado”, contou Sofia após a leitura.

    A menina acrescentou a importância de aplicar esse projeto nas escolas.

    “Seria legal se tivesse um projeto como esse na minha escola. Nunca planejei como gastar meu dinheiro, mas agora vou começar a fazer isso”, revelou.

    Inclusão financeira é necessária, diz professor

    Professor universitário, com três décadas de experiência, e especialista em mercado financeiro, Hudson Bessa avaliou ser de grande importância a inclusão da educação financeira nas escolas.

    Ele afirmou que investir em formatos animados como os quadrinhos é essencial para despertar a atenção da criança para o conteúdo.

    “Experiências com educação financeira na fase de ensino fundamental são essenciais, porque a educação está atrelada ao comportamento. Para crianças, é interessante colocar exercícios e aplicações que não sejam maçantes e explique duas etapas principais: poupar e investir”, explicou.

    Para o professor, desde pequenas, as crianças devem entender que os recursos são finitos.

    Diante disso, é necessário ter uma vida financeira equilibrada para conseguir guardar dinheiro para emergência. Ou até mesmo economizar para fazer uma viagem e adquirir um bem.

    Além das escolas, pais têm papel fundamental

    O especialista em mercado financeiro, Hudson Bessa, defendeu a readaptação do formato de ensino em escolas particulares e públicas.

    Para ele, uma criança de baixa renda deve compreender o esforço da família em economizar dinheiro. Ela pode levar conhecimento para casa.

    “Para crianças de classe média, a realidade é outra. Cabe ao professor também facilitar o desenvolvimento do tema com suas turmas”, declarou o professor.

    Autor de diversos artigos sobre educação financeira, Bessa frisou a importância do papel dos pais no desenvolvimento da compreensão de questões financeiras.

    Para que criança, portanto, entenda a “lei do sacrifício e recompensa”.

    “Conversar, trazer essa preocupação da vida financeira de forma leve para os assuntos do dia a dia e incentivar a leitura é tarefa fundamental dos pais para que a criança entenda os incentivos de sacrifício e recompensa”.

    Por fim, o professor pediu que os pais expliquem aos filhos o esforço para as compras.

    Assim como quanto tempo de trabalho foi dedicado para adquirir o produto.

    “Dessa forma, elas vão entender desde cedo que há uma medida entre o quanto a gente quer e o quanto a gente precisa. Nada de comprar tudo o que a criança pede. O certo é fazê-lo valorizar o dinheiro que ele ganha e o que ele gasta ao comprar produtos”, concluiu.

    Jogos de tabuleiro também ajudam na educação financeira

    As crianças devem ter contato com dinheiro o mais cedo possível. Alguns pais podem achar prejudicial expor seus filhos ao dinheiro mas esta é a melhor forma de termos pessoas financeiramente educadas no futuro.

    Cada vez mais existem escolas que incluem algum tipo de aula relacionada a dinheiro em sua grade curricular. É uma tendência muito boa que irá prevenir muitos problemas futuros de endividamento pessoal.

    Por isso, o FinanceOne listou alguns jogos de tabuleiro que também ensinam educação financeira. Eles representam uma ótima solução para aprender conceitos de gerenciamento de dinheiro. E ainda tornam a aprendizagem sobre economia muito mais fácil e agradável.

    Além do mais, ajudam a trabalhar o raciocínio lógico, sagacidade, persistência, paciência, atenção concentrada, domínio emocional, respeito ao adversário, saber perder e vencer. Eles criam um senso de responsabilidade financeira.


    O que achou disso?

    Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

    Seja o primeiro a avaliar este post.

    Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

    Diga-nos, como podemos melhorar?

    Redação
    Redação
    O FinanceOne é um site especializado em finanças. Desde 2003, publicamos conteúdos que buscam traduzir desde a influência do mercado financeiro no seu dia a dia até a simples economia dentro de casa. Nossa missão é mostrar que qualquer pessoa pode ter controle financeiro e fazer as escolhas certas. Assim como ter no dinheiro um aliado para viver bem e conquistar seus sonhos.

    Artigos Relacionados

    Assine nossa newsletter!

    Páginas Populares

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    InícioNotíciasEconomiaTurma da Mônica ganha vida em projeto de educação financeira

    Turma da Mônica ganha vida em projeto de educação financeira

    0
    (0)

    O investimento em educação financeira está crescendo no Brasil. Por meio desse método, é possível auxiliar o consumidor a administrar suas finanças de forma saudável.

    Publicidade

    Além de ajudá-lo a entender as complexidades do mercado financeiro e do dinheiro público.

    Para gastar sem se endividar é essencial começar a entender as complexidades do mercado financeiro desde a infância.

    Pensando nisso, a Secretaria do Tesouro Nacional (STN) lançou o projeto Em Busca do Tesouro.

    Ele reúne diversos materiais com os personagens da Turma da Mônica, criados em parceria com o Instituto Maurício de Sousa.

    Gibi da Turma da Mônica com o tema finanças
    Planejamento e disciplina podem evitar sintomas do estresse financeiro

    O programa, que está em sua fase inicial, foi implantado em 150 escolas públicas do Distrito Federal.

    Publicidade

    A meta é atender a 30 mil crianças com idades entre 9 e 11 anos, que cursam os 4º e 5º do ensino fundamental.

    O projeto visa ensinar temas como a importância de poupar; de onde vem o dinheiro gasto pelo governo. Além de como podemos fiscalizar o uso dessa verba e fazer aplicações financeiras, entre outros.

    Esses alunos realizarão uma avaliação cognitiva para comprovar a eficácia do conteúdo aplicado durante o período de teste.

    Por outro lado, a intenção das autoridades envolvidas é expandir o projeto Em Busca do Tesouro para todas as escolas brasileiras, a partir do segundo semestre de 2020.

    As escolas públicas participantes do programa foram selecionadas pela Secretaria de Educação do DF com base no Termo de Cooperação Técnica.

    Publicidade

    Elas receberão, por exemplo, o material com revistinhas e um minicurso para os professores gratuitamente. As escolas particulares também poderão solicitar o conteúdo.

    Porém, precisarão entrar em acordo sobre os custos para a distribuição da versão impressa aos seus alunos.

    Material pode ser encontrado na internet

    Pelo site do Em Busca do Tesouro é possível encontrar as revistinhas, assim como fórum para dúvidas e o minicurso para docentes.

    Isso fez com que os personagens da Turma da Mônica invadissem as casas de vários brasileirinhos que não moram na capital do país.

    Um desses casos aconteceu no Rio de Janeiro. Aluna do Colégio Pallas, Sofia Nigri, de nove anos, conheceu o projeto enquanto navegava na internet e se divertiu enquanto aprendia com o gibi.

    Publicidade

    Ela ainda aproveitou, por exemplo, para responder o quiz. E garantiu que vai repassar o que aprendeu para os colegas.

    “Achei a história do “Onde está o tesouro?” muito legal e gostei do formato em gibi, fica mais fácil para entender. Ganho uma mesada e costumava gastar tudo de uma vez. Agora, eu vi que preciso economizar e pesquisar na hora de comprar roupas para não gastar e ter sempre dinheiro guardado”, contou Sofia após a leitura.

    A menina acrescentou a importância de aplicar esse projeto nas escolas.

    “Seria legal se tivesse um projeto como esse na minha escola. Nunca planejei como gastar meu dinheiro, mas agora vou começar a fazer isso”, revelou.

    Inclusão financeira é necessária, diz professor

    Professor universitário, com três décadas de experiência, e especialista em mercado financeiro, Hudson Bessa avaliou ser de grande importância a inclusão da educação financeira nas escolas.

    Ele afirmou que investir em formatos animados como os quadrinhos é essencial para despertar a atenção da criança para o conteúdo.

    “Experiências com educação financeira na fase de ensino fundamental são essenciais, porque a educação está atrelada ao comportamento. Para crianças, é interessante colocar exercícios e aplicações que não sejam maçantes e explique duas etapas principais: poupar e investir”, explicou.

    Para o professor, desde pequenas, as crianças devem entender que os recursos são finitos.

    Diante disso, é necessário ter uma vida financeira equilibrada para conseguir guardar dinheiro para emergência. Ou até mesmo economizar para fazer uma viagem e adquirir um bem.

    Além das escolas, pais têm papel fundamental

    O especialista em mercado financeiro, Hudson Bessa, defendeu a readaptação do formato de ensino em escolas particulares e públicas.

    Para ele, uma criança de baixa renda deve compreender o esforço da família em economizar dinheiro. Ela pode levar conhecimento para casa.

    “Para crianças de classe média, a realidade é outra. Cabe ao professor também facilitar o desenvolvimento do tema com suas turmas”, declarou o professor.

    Autor de diversos artigos sobre educação financeira, Bessa frisou a importância do papel dos pais no desenvolvimento da compreensão de questões financeiras.

    Para que criança, portanto, entenda a “lei do sacrifício e recompensa”.

    “Conversar, trazer essa preocupação da vida financeira de forma leve para os assuntos do dia a dia e incentivar a leitura é tarefa fundamental dos pais para que a criança entenda os incentivos de sacrifício e recompensa”.

    Por fim, o professor pediu que os pais expliquem aos filhos o esforço para as compras.

    Assim como quanto tempo de trabalho foi dedicado para adquirir o produto.

    “Dessa forma, elas vão entender desde cedo que há uma medida entre o quanto a gente quer e o quanto a gente precisa. Nada de comprar tudo o que a criança pede. O certo é fazê-lo valorizar o dinheiro que ele ganha e o que ele gasta ao comprar produtos”, concluiu.

    Jogos de tabuleiro também ajudam na educação financeira

    As crianças devem ter contato com dinheiro o mais cedo possível. Alguns pais podem achar prejudicial expor seus filhos ao dinheiro mas esta é a melhor forma de termos pessoas financeiramente educadas no futuro.

    Cada vez mais existem escolas que incluem algum tipo de aula relacionada a dinheiro em sua grade curricular. É uma tendência muito boa que irá prevenir muitos problemas futuros de endividamento pessoal.

    Por isso, o FinanceOne listou alguns jogos de tabuleiro que também ensinam educação financeira. Eles representam uma ótima solução para aprender conceitos de gerenciamento de dinheiro. E ainda tornam a aprendizagem sobre economia muito mais fácil e agradável.

    Além do mais, ajudam a trabalhar o raciocínio lógico, sagacidade, persistência, paciência, atenção concentrada, domínio emocional, respeito ao adversário, saber perder e vencer. Eles criam um senso de responsabilidade financeira.


    O que achou disso?

    Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

    Seja o primeiro a avaliar este post.

    Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

    Diga-nos, como podemos melhorar?