InícioNotíciasFinanças PessoaisEntenda quais são os desafios para educação financeira nas escolas do Brasil

Entenda quais são os desafios para educação financeira nas escolas do Brasil

4.2
(13)

Muitos brasileiros não têm acesso a educação financeira, o que faz com que não saibam como administrar o dinheiro e, consequentemente, acabam se endividando. Mas a boa notícia é que o programa Aprender Valor, do Banco Central, poderá ser expandido para todo o país.

Com isso, qualquer instituição da rede pública do ensino fundamental pode aderir ao projeto de educação financeira nas escolas. Mas é importante ressaltar que o programa está sendo implementado aos poucos, já que ele é de caráter experimental em todas as regiões do país.

E de acordo com o Banco Central, a iniciativa já estava sendo desenvolvida, de maneira experimental, nos estados do Ceará, Minas Gerais, Paraná, Mato Grosso do Sul, Distrito Federal e Pará.

“Com esse passo muito esperado, abrimos a real possibilidade de atingir 22 milhões de estudantes do ensino fundamental de escolas públicas em todo o país”, afirma o diretor de Relacionamento, Cidadania e Supervisão de Conduta, do Banco Central, Mauricio Moura.

Além disso, o objetivo do Aprender Valor é incentivar o desenvolvimento de competências financeiras por parte dos estudantes. Dessa forma eles vão conseguir desenvolver uma relação consciente, responsável e autônoma dos recursos financeiros desde a infância. 

A ideia é preparar o aluno para lidar melhor com o dinheiro no dia a dia, antes mesmo de entrar no mercado de trabalho. E o tema de educação financeira será abordado de forma integrada às disciplinas obrigatórias da grade curricular, como Matemática, Língua Portuguesa e Ciências Humanas.

Mas é claro que existem muitos desafios para incluir a educação financeira nas escolas de todo o país. Por isso, esse é um processo demorado.

Quais serão os desafios enfrentados pelas escolas?

Embora seja extremamente necessário e importante para o futuro dos alunos, a educação financeira no Brasil ainda enfrentará muitos desafios. Entre eles, podemos citar a desigualdade e a formação dos professores.

Afinal, o país não é um território 100% igualitário nas condições financeiras entre as famílias, bem como na realidade que cada uma encontra. Por isso, ensinar sobre este assunto nas escolas é um ponto delicado para não ferir o aspecto emocional dos alunos.

A formação dos docentes também será um ponto desafiador. Isso porque eles não estão acostumados com essa disciplina no cronograma curricular e precisarão se especializar. E sabemos que a capacitação no Brasil não ocorre de forma fácil, rápida e prática.

Um cofre de porquinho sendo segurados por um casal e uma criança
É muito importante que a educação financeira seja implementada para as crianças

Mas, esses desafios não devem ser um fator desanimador para que a educação financeira comece a ser implantada. Eles poderão ser combatidos a curto, médio e  longo prazo, visando um projeto de sucesso dentro das escolas.

Educação financeira foi incluída na BNCC

Se você acha que o assunto de educação financeira nas escolas é novidade, saiba que está enganado. Esse já é um tema antigo que vem sendo discutido há anos. 

Em 2020, por exemplo, o Ministério da Educação (MEC) tornou obrigatório o ensino de educação financeira nas redes de ensino. Para realizar a implementação, as instituições devem atender às novas diretrizes da Base Nacional Comum Curricular (BNCC).

Mas diferentemente do que muitos pensam, essa decisão não transforma a educação financeira em um componente curricular, mas sim em um dos temas a serem desenvolvidos dentro da disciplina de Matemática.

E pelas diretrizes da BNCC, o ensino fundamental deve oferecer o estudo de conceitos básicos de economia e finanças. Os temas como taxas de juros, inflação, aplicações financeiras, rentabilidade, investimentos e impostos também devem ser incluídos.

+ Entenda a importância da educação financeira infantil

Enquanto os alunos do ensino médio devem aprender sobre os temas mais complexos, como o sistema monetário nacional e mundial. Já nas escolas de tempo integral, a educação financeira também está disponível no componente “eletivas”. Ou seja, ofertada dentro de uma disciplina optativa.

Apesar de na teoria tudo ser muito simples, na prática não é isso que acontece. Principalmente porque não são todas as escolas do Brasil que possuem os recursos necessários para oferecer esse ensino. 

Educação financeira: a importância dos pais neste processo

Engana-se quem pensa que a educação financeira será composta apenas pela relação aluno-escola e aluno-professor. Ela precisará ter uma grande influência dos responsáveis neste processo.

Afinal, será fora dos muros da escola que as crianças, adolescentes e jovens começarão a praticar a educação financeira. E isso começará dentro de casa, com conceitos e atitudes que devem ser ensinadas no lar.

Além de ensinadas, é de suma importância que os pais também entrem nessa, praticando e dando exemplo. Isso porque é muito mais fácil ensinar na prática.

Dessa forma, se você tem um filho e ele começar a receber orientação sobre educação financeira nas escolas, não o critique, desanime ou o assuste com qualquer realidade. Pelo contrário, incentive da melhor forma que puder.

Gostou deste conteúdo? Então compartilhe e comente o que achou. Além disso, continue sua leitura e veja 3 fintechs que apostam na educação financeira.

O que achou disso?

Média da classificação 4.2 / 5. Número de votos: 13

Seja o primeiro a avaliar este post.

Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

Diga-nos, como podemos melhorar?

Redação
Redação
O FinanceOne é um site especializado em finanças. Desde 2003, publicamos conteúdos que buscam traduzir desde a influência do mercado financeiro no seu dia a dia até a simples economia dentro de casa. Nossa missão é mostrar que qualquer pessoa pode ter controle financeiro e fazer as escolhas certas. Assim como ter no dinheiro um aliado para viver bem e conquistar seus sonhos.

Assine nossa newsletter!

Páginas Populares

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

InícioNotíciasFinanças PessoaisEntenda quais são os desafios para educação financeira nas escolas do Brasil

Entenda quais são os desafios para educação financeira nas escolas do Brasil

4.2
(13)

Muitos brasileiros não têm acesso a educação financeira, o que faz com que não saibam como administrar o dinheiro e, consequentemente, acabam se endividando. Mas a boa notícia é que o programa Aprender Valor, do Banco Central, poderá ser expandido para todo o país.

Com isso, qualquer instituição da rede pública do ensino fundamental pode aderir ao projeto de educação financeira nas escolas. Mas é importante ressaltar que o programa está sendo implementado aos poucos, já que ele é de caráter experimental em todas as regiões do país.

E de acordo com o Banco Central, a iniciativa já estava sendo desenvolvida, de maneira experimental, nos estados do Ceará, Minas Gerais, Paraná, Mato Grosso do Sul, Distrito Federal e Pará.

“Com esse passo muito esperado, abrimos a real possibilidade de atingir 22 milhões de estudantes do ensino fundamental de escolas públicas em todo o país”, afirma o diretor de Relacionamento, Cidadania e Supervisão de Conduta, do Banco Central, Mauricio Moura.

Além disso, o objetivo do Aprender Valor é incentivar o desenvolvimento de competências financeiras por parte dos estudantes. Dessa forma eles vão conseguir desenvolver uma relação consciente, responsável e autônoma dos recursos financeiros desde a infância. 

A ideia é preparar o aluno para lidar melhor com o dinheiro no dia a dia, antes mesmo de entrar no mercado de trabalho. E o tema de educação financeira será abordado de forma integrada às disciplinas obrigatórias da grade curricular, como Matemática, Língua Portuguesa e Ciências Humanas.

Mas é claro que existem muitos desafios para incluir a educação financeira nas escolas de todo o país. Por isso, esse é um processo demorado.

Quais serão os desafios enfrentados pelas escolas?

Embora seja extremamente necessário e importante para o futuro dos alunos, a educação financeira no Brasil ainda enfrentará muitos desafios. Entre eles, podemos citar a desigualdade e a formação dos professores.

Afinal, o país não é um território 100% igualitário nas condições financeiras entre as famílias, bem como na realidade que cada uma encontra. Por isso, ensinar sobre este assunto nas escolas é um ponto delicado para não ferir o aspecto emocional dos alunos.

A formação dos docentes também será um ponto desafiador. Isso porque eles não estão acostumados com essa disciplina no cronograma curricular e precisarão se especializar. E sabemos que a capacitação no Brasil não ocorre de forma fácil, rápida e prática.

Um cofre de porquinho sendo segurados por um casal e uma criança
É muito importante que a educação financeira seja implementada para as crianças

Mas, esses desafios não devem ser um fator desanimador para que a educação financeira comece a ser implantada. Eles poderão ser combatidos a curto, médio e  longo prazo, visando um projeto de sucesso dentro das escolas.

Educação financeira foi incluída na BNCC

Se você acha que o assunto de educação financeira nas escolas é novidade, saiba que está enganado. Esse já é um tema antigo que vem sendo discutido há anos. 

Em 2020, por exemplo, o Ministério da Educação (MEC) tornou obrigatório o ensino de educação financeira nas redes de ensino. Para realizar a implementação, as instituições devem atender às novas diretrizes da Base Nacional Comum Curricular (BNCC).

Mas diferentemente do que muitos pensam, essa decisão não transforma a educação financeira em um componente curricular, mas sim em um dos temas a serem desenvolvidos dentro da disciplina de Matemática.

E pelas diretrizes da BNCC, o ensino fundamental deve oferecer o estudo de conceitos básicos de economia e finanças. Os temas como taxas de juros, inflação, aplicações financeiras, rentabilidade, investimentos e impostos também devem ser incluídos.

+ Entenda a importância da educação financeira infantil

Enquanto os alunos do ensino médio devem aprender sobre os temas mais complexos, como o sistema monetário nacional e mundial. Já nas escolas de tempo integral, a educação financeira também está disponível no componente “eletivas”. Ou seja, ofertada dentro de uma disciplina optativa.

Apesar de na teoria tudo ser muito simples, na prática não é isso que acontece. Principalmente porque não são todas as escolas do Brasil que possuem os recursos necessários para oferecer esse ensino. 

Educação financeira: a importância dos pais neste processo

Engana-se quem pensa que a educação financeira será composta apenas pela relação aluno-escola e aluno-professor. Ela precisará ter uma grande influência dos responsáveis neste processo.

Afinal, será fora dos muros da escola que as crianças, adolescentes e jovens começarão a praticar a educação financeira. E isso começará dentro de casa, com conceitos e atitudes que devem ser ensinadas no lar.

Além de ensinadas, é de suma importância que os pais também entrem nessa, praticando e dando exemplo. Isso porque é muito mais fácil ensinar na prática.

Dessa forma, se você tem um filho e ele começar a receber orientação sobre educação financeira nas escolas, não o critique, desanime ou o assuste com qualquer realidade. Pelo contrário, incentive da melhor forma que puder.

Gostou deste conteúdo? Então compartilhe e comente o que achou. Além disso, continue sua leitura e veja 3 fintechs que apostam na educação financeira.

O que achou disso?

Média da classificação 4.2 / 5. Número de votos: 13

Seja o primeiro a avaliar este post.

Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

Diga-nos, como podemos melhorar?