Conversor de moedas

Veja a cotação do Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.

Como transferir o financiamento do carro para outra pessoa

Escrito por: Rafael Massadar em 21 de junho de 2019

Transferir o financiamento do carro é mais comum do você pensa e sem complicações. Isso acontece, geralmente, porque cada vez mais os brasileiros estão endividados e não têm mais condições de arcar com as parcelas.

Surpresa ou não, apesar do endividamento e da crise, os brasileiros voltaram a financiar cada vez mais veículos. Em 2017, por exemplo, foram 5,1 milhões entre novos e usados.

Esses números representam um crescimento de 9,7% em relação a 2016. É a primeira vez, em sete anos, que o mercado de crédito de veículos registra crescimento.

Os dados foram divulgados pela B3, que opera o sistema Nacional de Gravames (SNG). De acordo com o SNG, em 2018, foi ultrapassada a marca de 4 milhões de unidades financiadas.

Para efeito de comparação, em 2017, foram financiados 3,7 milhões de veículos, considerando o mesmo período (janeiro a setembro). A alta foi de 7,5% na comparação entre os anos.

Considerando apenas o mês de setembro, os financiamentos de veículos novos e usados permaneceram estáveis. Os dados apontam para uma alta de 1,1% na comparação com o mesmo mês de 2017.

Apesar do aumento no número de financiamentos, depois de alguns quilômetros rodados e algumas parcelas pagas, alguns brasileiros acabam se apertando no orçamento.

E, em consequência, não conseguem pagar o financiamento até o final. Nessa situação, vender o carro e transferir as parcelas para outra pessoa surge como uma saída.

transferir o financiamento do carro
Financiamento é opção para comprar um carro novo

Como transferir o financiamento do carro?

A transferência da dívida de financiamento só pode ser feita entre duas pessoas físicas ou duas pessoas jurídicas. Não é permitido que a mudança seja de uma física para jurídica ou vice-versa.

O repasse exige também que uma quantidade mínima de prestações já tenha sido paga. Essa quantidade varia em cada instituição financeira.

Se você pretende transferir o financiamento do carro, o primeiro passo é entrar em contato com o banco ou instituição financeira credora.

Na ocasião, fale sobre o desejo de passar o financiamento de veículo para outra pessoa e informe sobre o novo candidato.

Consequentemente, o credor avaliará o histórico de crédito e a capacidade financeira da pessoa que vai assumir as parcelas.

Depois da aprovação do crédito, é necessária a assinatura de um instrumento. Além da alteração de cláusulas do contrato e o pagamento da tarifa de Aditamento Contratual.

Com o sinal verde, você e a outra pessoa deverão realizar a transferência de modo a deixá-lo livre do pagamento das parcelas. Além de se livrar também de qualquer obrigação com o veículo.

Fique atento aos pré-requisitos

Ao procurar uma instituição financeira para realizar a transferência, é importante conhecer alguns pré-requisitos que serão cobrados para a conclusão do procedimento.

Em geral, os bancos cobram do interessado em trocar o financiamento os mesmos documentos solicitados no ato da compra do carro.

São eles:

– RG;

– CPF;

– Comprovante de renda atualizado;

– Comprovante de residência;

– Holerites;

– Imposto de Renda;

– Extrato de movimentação bancária nos últimos três meses;

– Certificado de Registro do Veículo (CRV);

– Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

Quanto ao veículo, é importante que não tenha nenhum débito, como multas e atrasos de impostos. Lembre-se de regularizar o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA).

Até porque pode impedir que a titularidade do automóvel seja alterada. Tenha cuidado, porém, com contrato de gaveta, aquele que é feito sem conhecimento do credor.

Ele é um risco eterno para as partes. Desse modo, o novo devedor não tem seu nome ligado ao bem e à pessoa.

transferir o financiamento do carro
Conheça os pré-requisitos para transferir o financiamento do carro

Uma dica é só passar a chave do carro ao novo comprador depois que a transferência do financiamento for aprovada pelo banco. Imagine só se a análise de crédito não for aprovada e a pessoa já estiver com o veículo?

Por isso, antes de entregar a chave, tenha certeza da aprovação oficial e que as parcelas serão transferidas sem nenhum problema!

Como é feita a renegociação da dívida

O ideal é evitar transferir o financiamento do carro para outra pessoa. Portanto, negocie o valor da venda do veículo com o credor.

Mas, saiba que cabe à instituição ou banco decidir se aceita ou não o pagamento parcelado para quitação de débitos.

Sempre que esse acordo é realizado, ele deve ser formalizado em contrato, com cópia entregue ao consumidor. Se o contrato é quebrado, normalmente o acordo é desfeito.

Havendo nova negociação, do total anteriormente devido devem ser subtraídas as quantias pagas e acrescentados os encargos relativos ao período de inadimplência.

A partir do resultado, é feito um novo cálculo para quitação do débito. Afinal, é direito do consumidor, assegurado pelo Código, solicitar o cálculo discriminado do total cobrado.

Esse cálculo não pode conter valores relativos à contratação de escritórios de cobrança ou honorários advocatícios.

No caso do comprador de um veículo ainda em financiamento, é necessário pagar uma taxa de transferência da dívida, variável de R$400 a R$600, a depender do banco.

Outro requisito é ir até o Departamento Estadual de Trânsito (Detran) para pagar a taxa de transferência do veículo. Os valores mudam conforme as regiões do país.

A importância do planejamento financeiro

Para evitar ter que transferir o financiamento do carro para outra pessoa e deixar de usufruí-lo é importante fazer um planejamento financeiro.

Portanto, procure adquirir um carro que caiba no seu bolso, tanto para pagar as parcelas quanto para fazer a manutenção.

Em primeiro lugar, considere que não é recomendado ter dívidas acima de 20% do seu patrimônio. Isso inclui os valores que você já gasta com o seu cartão de crédito, cheque especial e financiamento imobiliário.

O financiamento do carro ou da moto deverá se encaixar nesse limite. Isso sem considerar as suas despesas fixas com alimentação, moradia, transporte e educação, que devem levar até 50% da sua renda bruta.

Ou seja, para um bom planejamento financeiro deve sobrar 30% do que você ganha bruto para gastar com lazer e vestuário.

Além de eventualidades como remédios e gastos com tratamentos médicos, caso sejam necessários, e também para investir e ter retorno financeiro.

Por fim, considere ainda o gasto com o seguro do carro. Antes de comprar, consulte três ou quatro corretoras sobre o valor do seguro e a forma de pagamento.

Rafael Massadar

Jornalista com experiência em redação com pós-graduação em Comunicação Empresarial e Transmídia. Atualmente trabalho como assessor de imprensa.

Deixe uma resposta

Precisa converter?

A calculadora de conversão do FinanceOne fornece os últimos valores cotados para diversas moedas. Acesse agora!

Converter agora

Posts relacionados

InDriver
Carência no plano de saúde: o que é e como funciona
abrir conta para filhos
falar de dinheiro em casa
consórcio-Yamaha