Veja a cotação do Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.

Como transferir o financiamento do carro para outra pessoa

Escrito por: Rafael Massadar em 10 de dezembro de 2019

Transferir o financiamento do carro é mais comum do você pensa e sem complicações. Isso acontece porque cada vez mais os brasileiros estão endividados e não têm mais condições de arcar com as parcelas.

Surpresa ou não, apesar do endividamento e da crise, os brasileiros voltaram a financiar mais veículos. Até o final de março de 2019, por exemplo, foram 642 mil entre novos e usados.

Esses números representam um crescimento de 3,5% em relação ao mesmo período de 2018. Os dados são da Federação Brasileira de Bancos (Febraban).

A pesquisa tem como base as cinco principais instituições bancárias que operam neste segmento e representam 75% do mercado brasileiro.

transferir o financiamento do carro
Financiamento é opção para comprar um carro novo

Em relação ao volume de recursos relacionados a esses contratos, houve um crescimento de 10,5% em comparação aos três primeiros meses de 2018. Foram negociados R$ 15,6 bilhões no ano passado e R$ 17,2 bilhões em 2019.

Segundo dados da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), as vendas de veículos financiados por bancos com maior participação no setor representam 76,5% do total de unidades comercializadas entre janeiro e março.

Apesar do aumento no número de financiamentos, depois de quilômetros rodados e algumas parcelas pagas, muitos brasileiros acabam se apertando no orçamento.

E, em consequência, não conseguem pagar o financiamento até o final. Nessa situação, vender o carro ou transferir as parcelas para outra pessoa surgem como uma saída.

Como transferir o financiamento do carro?

A transferência da dívida de financiamento só pode ser feita entre duas pessoas físicas ou duas pessoas jurídicas. Não é permitido que a mudança seja de uma física para jurídica ou vice-versa.

O repasse exige também que uma quantidade mínima de prestações já tenha sido paga. Essa quantidade varia em cada instituição financeira.

Se você pretende transferir o financiamento do carro, o primeiro passo é entrar em contato com o banco ou instituição financeira credora.

Na ocasião, fale sobre o desejo de passar o financiamento de veículo para outra pessoa e informe sobre o novo candidato.

Consequentemente, o credor avaliará o histórico de crédito e a capacidade financeira da pessoa que assumirá as parcelas.

Depois da aprovação do crédito, é necessária a assinatura de um instrumento. Além da alteração de cláusulas do contrato e o pagamento da tarifa de Aditamento Contratual.

Com o sinal verde, você e a outra pessoa deverão realizar a transferência de modo a deixá-lo livre do pagamento das parcelas. Assim como se livrar de qualquer obrigação com o veículo.

Quais são os requisitos para transferência?

Ao procurar uma instituição financeira para realizar a transferência, é importante conhecer alguns pré-requisitos que serão cobrados para a conclusão do procedimento.

Em geral, os bancos cobram do interessado em trocar o financiamento os mesmos documentos solicitados no ato da compra do carro.

São eles:

– RG;
– CPF;
– Comprovante de renda atualizado;
– Comprovante de residência;
– Holerites;
Imposto de Renda;
– Extrato de movimentação bancária nos últimos três meses;
– Certificado de Registro do Veículo (CRV);
– Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

Quanto ao veículo, é importante que não tenha nenhum débito, como multas e atrasos de impostos. Lembre-se de regularizar o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA).

Até porque pode impedir que a titularidade do automóvel seja alterada. Tenha cuidado, porém, com contrato de gaveta, aquele que é feito sem conhecimento do credor.

Ele é um risco eterno para as partes. Desse modo, o novo devedor não tem seu nome ligado ao bem e à pessoa.

transferir o financiamento do carro
Conheça os pré-requisitos para transferir o financiamento do carro

Uma dica é só passar a chave do carro ao novo comprador depois que a transferência do financiamento for aprovada pelo banco. Imagine só se a análise de crédito não for aprovada e a pessoa já estiver com o veículo?

Por isso, antes de entregar a chave, tenha certeza da aprovação oficial e que as parcelas serão transferidas sem nenhum problema!

Como é feita a renegociação da dívida?

O ideal é evitar transferir o financiamento do carro para outra pessoa. Portanto, negocie o valor da venda do veículo com o credor.

Mas, saiba que cabe à instituição ou banco decidir se aceita ou não o pagamento parcelado para quitação de débitos.

Sempre que esse acordo é realizado, ele deve ser formalizado em contrato, com cópia entregue ao consumidor. Se o contrato é quebrado, normalmente o acordo é desfeito.

Havendo nova negociação, do total anteriormente devido devem ser subtraídas as quantias pagas e acrescentados os encargos relativos ao período de inadimplência.

A partir do resultado, é feito um novo cálculo para quitação do débito. Afinal, é direito do consumidor, assegurado pelo Código, solicitar o cálculo discriminado do total cobrado.

Essa conta, portanto, não pode conter valores relativos à contratação de escritórios de cobrança ou honorários advocatícios.

No caso do comprador de um veículo ainda em financiamento, é necessário pagar uma taxa de transferência da dívida, variável de R$400 a R$600, a depender do banco.

Outro requisito é ir até o Departamento Estadual de Trânsito (Detran) para pagar a taxa de transferência do veículo. Os valores mudam conforme as regiões do país.

A importância do planejamento financeiro

Para evitar a transferência do financiamento do carro para outra pessoa e deixar de usufruí-lo é importante fazer um planejamento financeiro.

Portanto, procure adquirir um carro que caiba no seu bolso, tanto para pagar as parcelas quanto para fazer a manutenção.

Em primeiro lugar, considere que não é recomendado ter dívidas acima de 20% do seu patrimônio. Isso inclui os valores que você já gasta com o seu cartão de crédito, cheque especial e financiamento imobiliário.

O financiamento do carro ou da moto deverá se encaixar nesse limite. Isso sem considerar as suas despesas fixas com alimentação, moradia, transporte e educação, que devem levar até 50% da sua renda bruta.

Isto é, para um bom planejamento financeiro deve sobrar 30% do que você ganha bruto para gastar com lazer e vestuário.

Além de eventualidades como remédios e gastos com tratamentos médicos, caso sejam necessários, e também para investir e ter retorno financeiro.

Por outro lado, considere o gasto com o seguro do carro. Antes de comprar, consulte três ou quatro corretoras sobre o valor do seguro e a forma de pagamento.

Rafael Massadar

Jornalista com experiência em redação com pós-graduação em Comunicação Empresarial e Transmídia. Atualmente trabalho como assessor de imprensa.

Deixe uma resposta

Precisa converter?

A calculadora de conversão do FinanceOne fornece os últimos valores cotados para diversas moedas. Acesse agora!

Converter agora

Posts relacionados

Financiamento estudantil privado
cartão sem anuidade
simpatias para ganhar dinheiro
Como conseguir empréstimo e tudo que você precisar saber
13° salário