Veja a cotação do Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.

Economia da América Latina apresenta sinais de melhora

Escrito por: Rafael Massadar em 14 de novembro de 2018

A economia da América Latina melhorou entre julho e outubro. É o que diz o Indicador de Clima Econômico da América Latina (ICE). O estudo foi produzido pelo instituto alemão Ifo e a Fundação Getulio Vargas (FGV).

A melhora, de acordo com o levantamento, foi puxada pelo Indicador das Expectativas (IE), que passou de um saldo zero para um positivo de 21,6 pontos. O Indicador da Situação Atual (ISA) também registrou uma melhora. No entanto, de apenas 1,7 pontos e permanece negativo, com saldo de 38,3 pontos.

Outro dado positivo apresentado no levantamento é que o clima da economia da América Latina não coincidiu com o do mundo, que piorou. Contudo, a piora do ICE do mundo não foi uniforme entre as maiores economias do mundo.

Na União Europeia o ICE recuou 10,2 pontos na comparação dos saldos entre julho e outubro. Nos Estados Unidos, o índice aumentou 8,2 pontos e no Japão, 11,5 pontos.

No caso dos países que compõem o BRICS, todos apresentam clima econômico desfavorável. Exceto a Índia, sendo o maior saldo negativo o do Brasil (-33,8), seguido da África do Sul (-27,0). Porém, em outubro apenas Brasil e África do Sul melhoraram o clima econômico.

Economia da América latina

Por que o ICE do Brasil melhorou?

No Brasil, o ICE continua negativo desde julho de 2013. Contudo, a aprovação da Reforma da Previdência é considerada fundamental para a melhora do índice.

Além disso, outros fatores foram determinantes para a elevação do dado. Um deles é resultado da projeção do crescimento do PIB ao redor de 3%.

O estudo da FGV afirma ainda que a partir de setembro, entretanto, foi ficando clara a vitória do candidato Jair Bolsonaro. Que segundo o mercado, possuía um programa mais afinado com as reformas econômicas, como a tributária, privatizações e abertura comercial.

Quais os resultados da economia da América Latina?

O comportamento do clima econômico da América Latina não coincidiu com o do mundo, que piorou, caindo para 2,2 pontos negativos. Os resultados do ICE para os países selecionados da América Latina levam à identificação de dois grupos.

O primeiro é composto pelas maiores economias da região. Países como Brasil, México, Argentina, Colômbia, Chile e Peru estão neste grupo. Segundo o estudo, todos registraram melhora no clima econômico, exceto a Colômbia.

Já no grupo das economias menores, o ICE melhorou para o Equador, Paraguai e Uruguai. Porém, apenas o Paraguai apresenta saldo positivo.

A melhora do Paraguai e Uruguai é influenciada pelos resultados do Brasil e da Argentina, que são importantes mercados para esses países. Na Bolívia, o clima econômico piorou, mas continuou favorável.

Em relação à economia da América Latina, o estudo diz que a melhora do ICE está fortemente relacionado aos resultados das três maiores economias da região, que juntas explicam 72% do PIB da região.

Economia da América latina

FMI não está otimista com América Latina

O Fundo Monetário Internacional (FMI) reduziu para 3,7% sua previsão de crescimento mundial em 2018 e 2019. Isso representa uma queda de 0,2 ponto em relação à estimativa de julho passado. O motivo é atribuído à reavaliação da guerra comercial entre Estados Unidos e China.

Em seu relatório “Perspectivas da economia mundial”, o FMI mantém inalteradas as previsões de crescimento para 2018 nos Estados Unidos e na China, principais economias do planeta. No entanto, antecipa uma queda em 2019.

O FMI adverte que a guerra comercial entre ambos deve afetar as economias emergentes, como Brasil e Argentina. Portanto, o Fundo também revisou significativamente a previsão de crescimento para a América Latina, para 1,2% (-0,4 ponto) em 2018 e 2,2% (-0,2 ponto) em 2019.

Contudo, o relatório destaca a situação da Venezuela, mergulhada em uma severa recessão e que deve recuar 18% em 2018 e 5,5% em 2019. Já a Argentina, envolvida em uma crise monetária, deve sofrer uma contração de 2,6% em 2018 e de 1,6% em 2019.

No outro extremo, o melhor desempenho econômico será observado no Chile. O país deve crescer 3,8% neste ano com a melhora da confiança de empresários e consumidores.

Em relação ao Brasil, o FMI também estimou crescimento menor que o da última análise. O fundo prevê 1,4% em 2018 e 2,4% em 2019. Esses números representam quatro décimos e um décimo, respectivamente, abaixo dos cálculos de julho.

Rafael Massadar

Jornalista com experiência em redação com pós-graduação em Comunicação Empresarial e Transmídia. Atualmente trabalho como assessor de imprensa.

Deixe uma resposta

Precisa converter?

A calculadora de conversão do FinanceOne fornece os últimos valores cotados para diversas moedas. Acesse agora!

Converter agora

Posts relacionados

investir no mercado financeiro capa
nova CPMF
Investimentos para iniciantes
Crowdfunding Imobiliário
estágio