Cursos que transformam sua vida financeira
Mais
    InícioNotíciasEmpreendedorismoDicas de finanças para profissionais autônomos

    Dicas de finanças para profissionais autônomos

    5
    (1)

    No Brasil, 24 milhões de pessoas trabalham por conta própria. Administrar as finanças para profissionais autônomos nem sempre é uma tarefa fácil.

    Publicidade

    De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o número de autônomos é recorde desde 2012. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, divulgada em junho.

    Um dos motivos para o crescimento dos trabalhadores por conta própria é o desemprego, cuja taxa está em torno de 13% no país.

    Sem emprego ou vínculo, os indivíduos enxergam no próprio negócio como uma opção rentável.

    Mas, com isso, eles se tornam os próprios patrões e precisam gerir as finanças. Para quem não está acostumado com essa área, pode ser um grande desafio.

    Autônomo fazendo cálculos financeiros na calculadora
    O planejamento financeiro para quem é autônomo deve prever ganhos por investimentos para cobrir gastos

    O profissional autônomo deve saber administrar seu dinheiro. Além de dividi-lo entre os custos fixos, fluxo de caixa e a margem de lucro.

    Publicidade

    Não há garantia do mesmo salário todos os meses. Por isso, é preciso estar preparado para diferentes situações.

    Especialistas garantem que os autônomos devem ter o dobro de cuidado quando o assunto é dinheiro.

    Se o trabalhador, por exemplo, ficar doente ou precisar faltar, ele não prestará o serviço deixará de vender.

    O que influencia diretamente no seu fluxo de caixa. Neste artigo, abordaremos tópicos de finanças para profissionais autônomos, tais como:

    Não misture as despesas

    Publicidade

    Tenha cautela com as finanças

    Estabeleça uma reserva de emergência

    Esteja preparado para crises

    Faça contribuições para previdência

    Use o cartão de crédito com inteligência

    Publicidade

    Inclua as férias no planejamento

    Tenha capital de giro

    Não misture as despesas

    Um dos principais erros de finanças para profissionais autônomos é misturar as despesas pessoais com as do trabalho.

    De fato, é fácil confundir quando não há uma divisão. O descontrole surge e, com isso, grandes problemas. A dica, nesse caso, é separar as despesas.

    Tenha uma planilha de gastos da atividade profissional. Escreva, por exemplo, todas as contas e despesas com funcionários, se tiver.

    Em seguida, estabeleça sua margem de lucro. O ideal é que o autônomo tenha um salário fixo por mês.

    Até porque nem sempre é possível ficar com todo o lucro, tendo em vista que o caixa precisa girar.

    Da mesma forma que é necessário fazer investimentos para o negócio girar.

    Sem inovação, não há garantia de sucesso. Por isso, é sempre bom se reinventar, sobretudo pela concorrência.

    Tenha cautela com as finanças

    Em tese, o profissional autônomo tem chances de ganhar mais que um emprego. Isso porque é o dono do seu próprio negócio.

    Por outro lado, se encontra em uma situação diferente de servidor público concursado ou de um trabalhador celetista.

    Mais do que os outros, que contam com salários fixos, os autônomos devem ser mais rigorosos e com cautela nas finanças.

    Antes de gastar, a recomendação é pensar se o produto ou serviço é realmente necessário.

    O trunfo para o sucesso, portanto, é ter equilíbrio financeiro. Sobretudo para aqueles que estão no começo da própria empresa.

    Estabeleça uma reserva de emergência

    Estabelecer um valor para a reserva de emergência é fundamental às finanças para profissionais autônomos.

    Como são donos de seus próprios negócios, a renda depende exclusivamente deles.

    Para casos, por exemplo, de doença, compromisso familiar, entre outras situações, é recomendado ter uma reserva financeira.

    Qualquer trabalhador deve guardar uma parte dos rendimentos, mas para os autônomos isso é ainda mais necessário.

    Eles não possuem os mesmos benefícios de um profissional de carteira assinada, por sua vez.

    Não contam com licença e continuam recebendo em caso de afastamento do trabalho.

    Se isso acontecer com o autônomo, ele deixa de receber. Além disso, há despesas que surgem de tempos em tempos.

    Tais como os materiais escolares dos filhos, o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) e o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU).

    Como o trabalhador por conta própria, em tese, não tem o 13º salário, precisa de uma reserva separada previamente para isso.

    Uma solução pode ser abrir uma caderneta de poupança ou iniciar um investimento de renda fixa. Dessa forma, você ainda terá rendimentos extras.

    Esteja preparado para crises

    Os autônomos, pelos motivos descritos acima, devem estar preparados para crises financeiras.

    A indicação dos especialistas da área, para isso, é ter a reserva de três a seis vezes o valor das despesas mensais.

    Assim, estará seguro para os momentos de crises.

    Caso tenha que fechar o negócio ou ocorra algum problema de saúde, há chance de reorganizar as finanças com a reserva separada.

    Tente, portanto, separar uma quantia todos os meses, de maneira a tornar um custo fixo em seu planejamento financeiro.

    Faça contribuições para previdência

    Outro fator importante é recolher as contribuições para a previdência pública. O que é uma estratégia a longo prazo, com foco no futuro e na aposentadoria.

    Caso seja um Microempreendedor individual (MEI), é bem simples fazer a contribuição.

    Basta acessar o portal do MEI, inserir seu CNPJ e gerar o boleto pelo mês de trabalho.

    Por outro lado dos profissionais com carteira assinada, que têm o depósito do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), os autônomos devem cuidar dessas questões por conta própria.

    Além disso, uma boa alternativa é fazer uma aplicação em títulos públicos a longo prazo. O investimento feito no passado pode ajudar a manter o padrão de vida.

    É imprescindível, dessa forma, entender que o que se poupa no presente é para aproveitar no futuro.

    Use o cartão de crédito com inteligência

    O cartão de crédito é um dos grandes responsáveis pelo endividamento dos brasileiros. Além da modalidade de crédito mais cara.

    Mas, se usados com inteligência pelos profissionais autônomos, os cartões de crédito podem trazer vantagens.

    Os trabalhadores por conta própria podem, assim, receber de forma fragmentada, por serviço prestado e em diferentes dias.

    Nesse caso, usar mais de um cartão pode colaborar no controle financeiro.

    Isso se cada um tiver dias de vencimento diferentes. De modo a programar os gastos ao longo do mês, conforme o dinheiro entrar no caixa.

    Vale lembrar que esses cartões devem estar desvinculados da pessoa física, uma vez que já vimos que as despesas devem ser separadas.

    Por isso, nada de comprar uma blusa no mesmo cartão que usa para comprar materiais com os fornecedores.

    De qualquer maneira, é sempre bom ter disciplina e segurança para usar o cartão de crédito e não extrapolar os gastos.

    Inclua as férias no planejamento

    Tirar férias e um descanso do trabalho é fundamental para saúde. Assim como uma ótima forma de aumentar a produtividade e voltar à ativa com gás total.

    Por mais que os autônomos não tenham esse direito estabelecido em lei, o recomendado é tirar uns dias de descaso.

    No momento que planejar suas finanças do ano, por exemplo, inclusa as despesas com as férias. Tenha uma programação de modo que os dias de recesso não atrapalhem o fluxo de caixa.

    Uma dica é tirar férias no período que seu ramo de atuação esteja fraco ou em baixa temporada.

    Dessa forma, você poderá até mesmo viajar sem gastar muito.

    Tenha capital de giro

    O capital de giro é um dos principais termos de finanças para profissionais autônomos. Ele é essencial para fazer a empresa rodar.

    Nada mais é do que o valor representado pelos itens de consumo rápido e que são necessários para empresa operar.

    Caso tenha funcionários, também é preciso se preocupar com os salários em dia. Para isso, a indicação é ter um planejamento das despesas a pagar.

    Assim como quanto dinheiro para suprir com os compromissos.

    Portanto, para ter as finanças no azul, seja um autônomo organizado e consciente.

    O que achou disso?

    Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 1

    Seja o primeiro a avaliar este post.

    Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

    Diga-nos, como podemos melhorar?

    Bruna Somma
    Bruna Somma
    Jornalista formada pela UFRRJ, com passagens por redações de jornais, sites e Assessoria de Comunicação.

    Artigos Relacionados

    Assine nossa newsletter!

    Páginas Populares

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    InícioNotíciasEmpreendedorismoDicas de finanças para profissionais autônomos

    Dicas de finanças para profissionais autônomos

    5
    (1)

    No Brasil, 24 milhões de pessoas trabalham por conta própria. Administrar as finanças para profissionais autônomos nem sempre é uma tarefa fácil.

    Publicidade

    De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o número de autônomos é recorde desde 2012. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, divulgada em junho.

    Um dos motivos para o crescimento dos trabalhadores por conta própria é o desemprego, cuja taxa está em torno de 13% no país.

    Sem emprego ou vínculo, os indivíduos enxergam no próprio negócio como uma opção rentável.

    Mas, com isso, eles se tornam os próprios patrões e precisam gerir as finanças. Para quem não está acostumado com essa área, pode ser um grande desafio.

    Autônomo fazendo cálculos financeiros na calculadora
    O planejamento financeiro para quem é autônomo deve prever ganhos por investimentos para cobrir gastos

    O profissional autônomo deve saber administrar seu dinheiro. Além de dividi-lo entre os custos fixos, fluxo de caixa e a margem de lucro.

    Publicidade

    Não há garantia do mesmo salário todos os meses. Por isso, é preciso estar preparado para diferentes situações.

    Especialistas garantem que os autônomos devem ter o dobro de cuidado quando o assunto é dinheiro.

    Se o trabalhador, por exemplo, ficar doente ou precisar faltar, ele não prestará o serviço deixará de vender.

    O que influencia diretamente no seu fluxo de caixa. Neste artigo, abordaremos tópicos de finanças para profissionais autônomos, tais como:

    Não misture as despesas

    Publicidade

    Tenha cautela com as finanças

    Estabeleça uma reserva de emergência

    Esteja preparado para crises

    Faça contribuições para previdência

    Use o cartão de crédito com inteligência

    Publicidade

    Inclua as férias no planejamento

    Tenha capital de giro

    Não misture as despesas

    Um dos principais erros de finanças para profissionais autônomos é misturar as despesas pessoais com as do trabalho.

    De fato, é fácil confundir quando não há uma divisão. O descontrole surge e, com isso, grandes problemas. A dica, nesse caso, é separar as despesas.

    Tenha uma planilha de gastos da atividade profissional. Escreva, por exemplo, todas as contas e despesas com funcionários, se tiver.

    Em seguida, estabeleça sua margem de lucro. O ideal é que o autônomo tenha um salário fixo por mês.

    Até porque nem sempre é possível ficar com todo o lucro, tendo em vista que o caixa precisa girar.

    Da mesma forma que é necessário fazer investimentos para o negócio girar.

    Sem inovação, não há garantia de sucesso. Por isso, é sempre bom se reinventar, sobretudo pela concorrência.

    Tenha cautela com as finanças

    Em tese, o profissional autônomo tem chances de ganhar mais que um emprego. Isso porque é o dono do seu próprio negócio.

    Por outro lado, se encontra em uma situação diferente de servidor público concursado ou de um trabalhador celetista.

    Mais do que os outros, que contam com salários fixos, os autônomos devem ser mais rigorosos e com cautela nas finanças.

    Antes de gastar, a recomendação é pensar se o produto ou serviço é realmente necessário.

    O trunfo para o sucesso, portanto, é ter equilíbrio financeiro. Sobretudo para aqueles que estão no começo da própria empresa.

    Estabeleça uma reserva de emergência

    Estabelecer um valor para a reserva de emergência é fundamental às finanças para profissionais autônomos.

    Como são donos de seus próprios negócios, a renda depende exclusivamente deles.

    Para casos, por exemplo, de doença, compromisso familiar, entre outras situações, é recomendado ter uma reserva financeira.

    Qualquer trabalhador deve guardar uma parte dos rendimentos, mas para os autônomos isso é ainda mais necessário.

    Eles não possuem os mesmos benefícios de um profissional de carteira assinada, por sua vez.

    Não contam com licença e continuam recebendo em caso de afastamento do trabalho.

    Se isso acontecer com o autônomo, ele deixa de receber. Além disso, há despesas que surgem de tempos em tempos.

    Tais como os materiais escolares dos filhos, o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) e o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU).

    Como o trabalhador por conta própria, em tese, não tem o 13º salário, precisa de uma reserva separada previamente para isso.

    Uma solução pode ser abrir uma caderneta de poupança ou iniciar um investimento de renda fixa. Dessa forma, você ainda terá rendimentos extras.

    Esteja preparado para crises

    Os autônomos, pelos motivos descritos acima, devem estar preparados para crises financeiras.

    A indicação dos especialistas da área, para isso, é ter a reserva de três a seis vezes o valor das despesas mensais.

    Assim, estará seguro para os momentos de crises.

    Caso tenha que fechar o negócio ou ocorra algum problema de saúde, há chance de reorganizar as finanças com a reserva separada.

    Tente, portanto, separar uma quantia todos os meses, de maneira a tornar um custo fixo em seu planejamento financeiro.

    Faça contribuições para previdência

    Outro fator importante é recolher as contribuições para a previdência pública. O que é uma estratégia a longo prazo, com foco no futuro e na aposentadoria.

    Caso seja um Microempreendedor individual (MEI), é bem simples fazer a contribuição.

    Basta acessar o portal do MEI, inserir seu CNPJ e gerar o boleto pelo mês de trabalho.

    Por outro lado dos profissionais com carteira assinada, que têm o depósito do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), os autônomos devem cuidar dessas questões por conta própria.

    Além disso, uma boa alternativa é fazer uma aplicação em títulos públicos a longo prazo. O investimento feito no passado pode ajudar a manter o padrão de vida.

    É imprescindível, dessa forma, entender que o que se poupa no presente é para aproveitar no futuro.

    Use o cartão de crédito com inteligência

    O cartão de crédito é um dos grandes responsáveis pelo endividamento dos brasileiros. Além da modalidade de crédito mais cara.

    Mas, se usados com inteligência pelos profissionais autônomos, os cartões de crédito podem trazer vantagens.

    Os trabalhadores por conta própria podem, assim, receber de forma fragmentada, por serviço prestado e em diferentes dias.

    Nesse caso, usar mais de um cartão pode colaborar no controle financeiro.

    Isso se cada um tiver dias de vencimento diferentes. De modo a programar os gastos ao longo do mês, conforme o dinheiro entrar no caixa.

    Vale lembrar que esses cartões devem estar desvinculados da pessoa física, uma vez que já vimos que as despesas devem ser separadas.

    Por isso, nada de comprar uma blusa no mesmo cartão que usa para comprar materiais com os fornecedores.

    De qualquer maneira, é sempre bom ter disciplina e segurança para usar o cartão de crédito e não extrapolar os gastos.

    Inclua as férias no planejamento

    Tirar férias e um descanso do trabalho é fundamental para saúde. Assim como uma ótima forma de aumentar a produtividade e voltar à ativa com gás total.

    Por mais que os autônomos não tenham esse direito estabelecido em lei, o recomendado é tirar uns dias de descaso.

    No momento que planejar suas finanças do ano, por exemplo, inclusa as despesas com as férias. Tenha uma programação de modo que os dias de recesso não atrapalhem o fluxo de caixa.

    Uma dica é tirar férias no período que seu ramo de atuação esteja fraco ou em baixa temporada.

    Dessa forma, você poderá até mesmo viajar sem gastar muito.

    Tenha capital de giro

    O capital de giro é um dos principais termos de finanças para profissionais autônomos. Ele é essencial para fazer a empresa rodar.

    Nada mais é do que o valor representado pelos itens de consumo rápido e que são necessários para empresa operar.

    Caso tenha funcionários, também é preciso se preocupar com os salários em dia. Para isso, a indicação é ter um planejamento das despesas a pagar.

    Assim como quanto dinheiro para suprir com os compromissos.

    Portanto, para ter as finanças no azul, seja um autônomo organizado e consciente.

    O que achou disso?

    Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 1

    Seja o primeiro a avaliar este post.

    Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

    Diga-nos, como podemos melhorar?