Início Notícias Finanças Pessoais Limite de crédito pessoal: o que é e como funciona

Limite de crédito pessoal: o que é e como funciona

0
(0)

O limite de crédito pessoal é um tipo de empréstimo que bancos e instituições financeiras disponibilizam a seus clientes. Ele pode ser adquirido por meio de análise da conta, como a renda do usuário.

Para entender melhor o que é e como funciona, confira as próximas dicas e sugestões.

Limite de crédito pessoal: o que é e como funciona

O que é limite de crédito pessoal

O limite de crédito pessoal é uma linha de crédito pré-definida pelo banco ou instituição financeira. Diferente do empréstimo mais comum, neste tipo de transação o cliente só começa a pagar os juros quando utilizar o dinheiro.

Os bancos não costumam negar o limite de crédito pessoal, mas é válido lembrar que a empresa não é obrigada a fornecer o valor a seus correntistas.

É possível que um cliente tenha aprovação de R$6 mil e o outro tenha a solicitação negada.

Esta não aprovação pode ser por diversos fatores, sendo os mais comuns o score, a falta de comprovação de renda ou capacidade de arcar com dívidas, informações não atualizadas, idade, ocupação e outros motivos.

A avaliação do limite de crédito pessoal é feita pela instituição. Por ser um empréstimo, o cliente pode utilizar o valor como bem entender, seja para dar de entrada em um financiamento de imóvel ou a compra de roupas, por exemplo.

Não há nenhum tipo de regulamentação de uso.

Como usar a linha de crédito pessoal

O valor disponível pode ser utilizado através de cheques, retirada no caixa eletrônico ou transferência entre contas. Antes de solicitar, é preciso que o cliente esteja ciente de que deverá devolver este dinheiro ao banco com juros.

Por isso, apesar de ser simples a aquisição, a falta de organização financeira pode transformar o processo em muita dor de cabeça. Programe-se para que as finanças fiquem em ordem após a utilização do serviço.

Os juros sobre as linhas de crédito geralmente têm uma taxa mais alta que a dos empréstimos comuns. Por exemplo, caso você tenha a conta negativada, o banco pode oferecer o crédito pessoal, mas com taxas maiores de juros.

Valor das parcelas do crédito pessoal

Quanto melhor o perfil do cliente, mais enxutas serão as taxas e o limite pré-aprovado, além da facilidade de pagamento.

As parcelas são formadas pelo valor solicitado + taxa de juros + IOF (Imposto sobre Operações Financeiras).

É comum que as parcelas tenham valores altos e acabem levanto o cliente à inadimplência. Mas é possível refinanciar e diminuir o valor, e aumentar o prazo de pagamento, que pode ser de 24 a 72 vezes.

Dicas para solicitar o crédito pessoal sem se afundar

É necessário alertar o usuário dos riscos de assumir uma dívida. Inicialmente, analise suas finanças e veja se o valor é mesmo necessário.

Após isso, verifique o valor das parcelas e se é compatível com sua renda.

Pergunte-se: conseguirei arcar com os pagamentos sem deixar de lado minhas prioridades? O dinheiro irá resolver meu problema ou me trará mais problemas?

Ao solicitar o crédito pessoal, fique atento às seguintes dicas:

– Faça apenas quando não houver outras alternativas mais baratas e simples, como pedir dinheiro emprestado aos pais ou a um amigo próximo.

– Não utilize o dinheiro para comprar um bem que pode ser parcelado. Os juros do crédito pessoal certamente serão maiores do que o parcelado do bem.

– Use o crédito pessoal para quitar dívidas que possuem juros mais altos como, por exemplo, o cheque especial.

– Cuidado com as taxas de juros. Pesquise nos bancos e instituições financeiras e contrate a menor do mercado.

– Se couber em seu orçamento, opte pelo pagamento em menor tempo possível. Evitar dívidas longas irá ajudar o planejamento financeiro.

– Entenda o que está contratando para que não se arrependa depois. Leia todo o contrato, veja seus direitos e deveres com o banco.

– Cuidado com a internet. É comum que sites e aplicativos prometam taxas menores que as dos bancos tradicionais e diversas facilidades. O que parece ser muita vantagem, pode se tornar em pesadelo como os golpes de empréstimo online. Atente-se à credibilidade da instituição financeira e veja as avaliações da empresa na Internet antes de fechar qualquer negócio.

– Compare o Custo Efetivo Total (CET), que são todos os encargos que deverá pagar ao banco para conseguir o dinheiro. São os impostos, seguros e demais taxas cobradas pela financeira.

Você tem alguma dúvida sobre o tema? Comente abaixo!

O que achou disso?

Deixei sua classificação

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Seja o primeiro a avaliar este post.

Priscila Gomes
Jornalista. Gosto de abraços, aniversários e do Natal. Atualmente produzo conteúdo para internet e faço assessoria sindical.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Renda Cidadã: governo anuncia programa para substituir Bolsa Família

O governo do presidente Jair Bolsonaro anunciou nesta segunda-feira, 28, o novo programa de transferência de renda: o Renda Cidadã, que vai...

IR 2020: caiu na malha fina? Saiba como regularizar a situação

Se você não teve a declaração do Imposto de Renda 2020 liberada até o último lote da restituição, é bem provável que...

Quanto custa fazer um intercâmbio nos EUA?

Intercâmbio nos EUA continua uma das prioridades para boa parte dos brasileiros que viajam ao exterior para estudar. O país só perde...

5 sinais que você mantém padrão de vida acima da sua renda

Gastar mais do que se ganha e viver um padrão de vida que não condiz com a sua realidade são efeitos da...

10 podcasts sobre investimentos para você ouvir

Não sabe onde aplicar seu dinheiro? Os podcasts sobre investimentos podem ser uma maneira eficiente de absorver conselhos e aprendizados de pessoas...

5 erros mais comuns ao usar cartão de crédito

Você já se complicou alguma vez utilizando o cartão de crédito? Ficou com preocupação com a fatura do próximo mês? Se a...