Mais
    InícioColunistasEthereum 2.0: o que você precisa saber sobre a atualização da criptomoeda?

    Ethereum 2.0: o que você precisa saber sobre a atualização da criptomoeda?

    5
    (3)

    A rede Ethereum (ETH) vai passar por uma grande atualização em breve, provavelmente ainda em 2022. A rede criada por Vitalik Buterin procurou sempre ter o melhor dos mundos no universo cripto: segurança, descentralização e escalabilidade.

    A escalabilidade que, além de uma oportunidade, é uma medida de sucesso e de volume de uso da rede, acabou virando um grande problema. Isso porque a rede começou a congestionar por conta do alto volume de usuários e a demanda de poder computacional para o funcionamento na rede.

    Qual a principal diferença entre a rede 1.0 e a rede 2.0?

    Até o momento, a rede Ethereum funciona por “proof-of-work”, o que demanda muito poder computacional, gasto energético e aumenta os custos de transação, pois para que a rede exista, milhares de computadores ao redor do mundo estão realizando cálculos complexos a todo o tempo.

    Assim que a atualização for implementada, a rede passa a ser “proof-of-stake”, que não demanda tudo o que o “proof-of-work” demanda. Neste caso as pessoas que possuem ETH em custódia serão os validadores da rede, e assim a rede roda sem a necessidade de poder computacional.

    ETH passa a ser deflacionário

    Uma das principais questões onde o Bitcoin leva vantagem perante o Ethereum é que o Bitcoin é deflacionário, tem uma oferta limitada de moeda disponível e jamais terá uma quantidade maior.

    Isso entrega fundamentos contra inflação ao Bitcoin, pois não é possível emitir um número maior de moedas, o que causaria a redução no valor de cada moeda.

    A versão 2.0 da Ethereum vai realizar diversas “queimas” de moeda, que basicamente significa uma diminuição na sua distribuição e disponibilidade. Isso ocorrerá no momento das transações, como forma de validação delas.

    Taxa de transação cairá e transações serão mais rápidas

    A taxa e a velocidade da transação na rede Ethereum é uma das principais causas da atualização para o 2.0. Muitos entusiastas de criptomoedas considerariam a rede Ethereum perfeita, com a exceção do seu problema de velocidade e custo de transação.

    Não à toa surgiram diversas redes “Ethereum killers”, como a Cardano e a Solana, que basicamente corrigem algumas críticas à rede Ethereum, principalmente na questão do gargalo nas transações que ocorrem na rede.

    moeda digital Ethereum
    Atualmente, Ethereum apresenta problema de velocidade e custo de transação

    Porém, a rede Ethereum chegou primeiro no universo cripto, o que ainda a mantém como a segunda rede de blockchain em valor de mercado, somente atrás do Bitcoin.

    Hoje, na rede 1.0 só é possível fornecer suporte para aproximadamente 30 transações por segundo, o que pode parecer um número grande, mas perante os milhões de usuários da rede, este é um número modesto. A rede 2.0 promete processar por volta de 100 mill transações por segundo, atendendo assim à demanda atual e futura da rede.

    Leia também: Como minerar Ethereum? Vale a pena? Veja passo a passo

    Rede fica mais segura

    A descentralização e a segurança são questões chave entre as criptomoedas. As redes têm pouquíssimo histórico de ataques, pois a descentralização as torna complexas e demanda muitos validadores para cada transação.

    Além disso, uma vez validada, a transação fica registrada na rede para sempre e qualquer usuário pode ver este histórico.  

    Com a rede 2.0 a Ethereum vai exigir um número mínimo de 16.384 validadores, o que a torna extremamente complexa, descentralizada e por consequência ainda mais segura. Neste caso, qualquer tentativa de invasão, necessitaria a invasão de 16.384 contas.

    + Loopring: entenda o que é esse protocolo e como funciona?

    E como fica o valor do ETH?

    A atualização da rede já é bastante esperada e precificada pelo mercado, porém caso as mudanças com a atualização tragam de fato tudo o que estão prometendo, e por consequência, mais projetos atrelados à rede e mais usuários, a tendência do valor da criptomoeda é aumentar ao longo dos anos.

    Conheça Renato Carvalho, colunista do FinanceOne

    Com vasto conhecimento sobre o mercado de moedas digitais, Renato Carvalho é colunista do FinanceOne. Semanalmente, ele traz informações importantes sobre criptomoedas. Fique de olho!

    Renato é administrador com experiência como executivo do setor de educação internacional e empresas de consultoria empresarial e auditoria “BIG 4”.

    Investidor de renda variável desde sua adolescência, produz conteúdo de educação financeira, mostrando o que faz com o seu próprio dinheiro “skin in the game”. Especialista em criptoativos e negócios disruptivos.

    É Bacharel em Administração pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e Université Libre de Bruxelles (Bélgica) e mestre em Administração pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC).

    Confira outros textos de Renato Carvalho, colunista do FinanceOne:

    O que achou disso?

    Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 3

    Seja o primeiro a avaliar este post.

    Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

    Diga-nos, como podemos melhorar?

    Renato Carvalho
    Renato Carvalho
    Renato é administrador com experiência como executivo do setor de educação internacional e empresas de consultoria empresarial e auditoria “BIG 4”. Investidor de renda variável desde sua adolescência, produz conteúdo de educação financeira, mostrando o que faz com o seu próprio dinheiro “skin in the game”. Especialista em criptoativos e negócios disruptivos.

    Artigos Relacionados

    Assine nossa newsletter!

    Páginas Populares

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    InícioColunistasEthereum 2.0: o que você precisa saber sobre a atualização da criptomoeda?

    Ethereum 2.0: o que você precisa saber sobre a atualização da criptomoeda?

    5
    (3)

    A rede Ethereum (ETH) vai passar por uma grande atualização em breve, provavelmente ainda em 2022. A rede criada por Vitalik Buterin procurou sempre ter o melhor dos mundos no universo cripto: segurança, descentralização e escalabilidade.

    A escalabilidade que, além de uma oportunidade, é uma medida de sucesso e de volume de uso da rede, acabou virando um grande problema. Isso porque a rede começou a congestionar por conta do alto volume de usuários e a demanda de poder computacional para o funcionamento na rede.

    Qual a principal diferença entre a rede 1.0 e a rede 2.0?

    Até o momento, a rede Ethereum funciona por “proof-of-work”, o que demanda muito poder computacional, gasto energético e aumenta os custos de transação, pois para que a rede exista, milhares de computadores ao redor do mundo estão realizando cálculos complexos a todo o tempo.

    Assim que a atualização for implementada, a rede passa a ser “proof-of-stake”, que não demanda tudo o que o “proof-of-work” demanda. Neste caso as pessoas que possuem ETH em custódia serão os validadores da rede, e assim a rede roda sem a necessidade de poder computacional.

    ETH passa a ser deflacionário

    Uma das principais questões onde o Bitcoin leva vantagem perante o Ethereum é que o Bitcoin é deflacionário, tem uma oferta limitada de moeda disponível e jamais terá uma quantidade maior.

    Isso entrega fundamentos contra inflação ao Bitcoin, pois não é possível emitir um número maior de moedas, o que causaria a redução no valor de cada moeda.

    A versão 2.0 da Ethereum vai realizar diversas “queimas” de moeda, que basicamente significa uma diminuição na sua distribuição e disponibilidade. Isso ocorrerá no momento das transações, como forma de validação delas.

    Taxa de transação cairá e transações serão mais rápidas

    A taxa e a velocidade da transação na rede Ethereum é uma das principais causas da atualização para o 2.0. Muitos entusiastas de criptomoedas considerariam a rede Ethereum perfeita, com a exceção do seu problema de velocidade e custo de transação.

    Não à toa surgiram diversas redes “Ethereum killers”, como a Cardano e a Solana, que basicamente corrigem algumas críticas à rede Ethereum, principalmente na questão do gargalo nas transações que ocorrem na rede.

    moeda digital Ethereum
    Atualmente, Ethereum apresenta problema de velocidade e custo de transação

    Porém, a rede Ethereum chegou primeiro no universo cripto, o que ainda a mantém como a segunda rede de blockchain em valor de mercado, somente atrás do Bitcoin.

    Hoje, na rede 1.0 só é possível fornecer suporte para aproximadamente 30 transações por segundo, o que pode parecer um número grande, mas perante os milhões de usuários da rede, este é um número modesto. A rede 2.0 promete processar por volta de 100 mill transações por segundo, atendendo assim à demanda atual e futura da rede.

    Leia também: Como minerar Ethereum? Vale a pena? Veja passo a passo

    Rede fica mais segura

    A descentralização e a segurança são questões chave entre as criptomoedas. As redes têm pouquíssimo histórico de ataques, pois a descentralização as torna complexas e demanda muitos validadores para cada transação.

    Além disso, uma vez validada, a transação fica registrada na rede para sempre e qualquer usuário pode ver este histórico.  

    Com a rede 2.0 a Ethereum vai exigir um número mínimo de 16.384 validadores, o que a torna extremamente complexa, descentralizada e por consequência ainda mais segura. Neste caso, qualquer tentativa de invasão, necessitaria a invasão de 16.384 contas.

    + Loopring: entenda o que é esse protocolo e como funciona?

    E como fica o valor do ETH?

    A atualização da rede já é bastante esperada e precificada pelo mercado, porém caso as mudanças com a atualização tragam de fato tudo o que estão prometendo, e por consequência, mais projetos atrelados à rede e mais usuários, a tendência do valor da criptomoeda é aumentar ao longo dos anos.

    Conheça Renato Carvalho, colunista do FinanceOne

    Com vasto conhecimento sobre o mercado de moedas digitais, Renato Carvalho é colunista do FinanceOne. Semanalmente, ele traz informações importantes sobre criptomoedas. Fique de olho!

    Renato é administrador com experiência como executivo do setor de educação internacional e empresas de consultoria empresarial e auditoria “BIG 4”.

    Investidor de renda variável desde sua adolescência, produz conteúdo de educação financeira, mostrando o que faz com o seu próprio dinheiro “skin in the game”. Especialista em criptoativos e negócios disruptivos.

    É Bacharel em Administração pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e Université Libre de Bruxelles (Bélgica) e mestre em Administração pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC).

    Confira outros textos de Renato Carvalho, colunista do FinanceOne:

    O que achou disso?

    Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 3

    Seja o primeiro a avaliar este post.

    Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

    Diga-nos, como podemos melhorar?