Conversor de moedas

Veja a cotação do Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.

Por que todo mundo precisa ter uma reserva financeira?

Escrito por: Rafael Massadar em 27 de junho de 2019

Apenas dois em cada dez brasileiros conseguiram fazer uma reserva financeira em abril deste ano.

É o que revela a pesquisa da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil).

Ou seja, o levantamento constatou que apenas 21% fizeram algum tipo de reserva financeira. O valor médio reservado foi de R$ 374.

No entanto, 25% dos poupadores optaram por deixar o saldo reservado em casa, sem rendimentos. Outros 20% colocaram o dinheiro parado em conta corrente.

reserva financeira

De acordo com o levantamento, as principais justificativas para esse comportamento estão ligadas ao perfil conservador do brasileiro:

– 28% preferiram guardar o dinheiro em um destino com facilidade para saque;

– 28% afirmaram não ter sobras suficientes para investir em aplicações mais arrojadas;

– 20% disseram estar acostumados com as modalidades tradicionais;

– 17% relataram medo de perder dinheiro.

Ainda em relação ao mês de abril, 40% dos poupadores habituais tiveram de sacar parte dos recursos guardados.

Boa parte para cobrir despesas com imprevistos (10%), pagar contas (13%) ou saldar dívidas atrasadas (10%).

Por que ter uma reserva financeira?

As famílias brasileiras estão cada vez mais endividadas. O percentual de famílias nessa situação alcançou 63,4% em maio deste ano.

A maioria relatou ter dívidas com cheque pré-datado, cartão de crédito, cheque especial e carnê de loja.

Além de dívidas oriundas do não pagamento de prestações do empréstimo pessoal, prestação de carro e seguro.

A principal dívida dos brasileiros de todas as classes sociais é com o cartão de crédito. Ele representa 78,6% do endividamento.

Nas famílias com renda até 10 salários mínimos, esse percentual é de 79,2%. E naquelas que possuem rendimentos mensais acima de 10 salários, de 76,5%.

Aparecem em seguida:

– Carnês – 15,8%;

Financiamento de carro – 10,5%;

– Crédito pessoal – 8,5%;

– Financiamento de imóveis – 8,5%;

– Cheque especial – 5,5%.

O tempo médio de atraso no pagamento de contas ou na quitação da dívida foi de 62,9 dias em maio de 2019.

Contudo, isso é inferior aos 64,4 dias de maio de 2018.

A importância da reserva financeira

Imprevistos e emergências acontecem. Eles vêm sem avisar e instauram o caos para quem depende única e exclusivamente do salário daquele mês.

Essa é a importância da reserva financeira. Com ela, é possível cobrir situações eventuais e ficar mais tranquilo em relação ao pagamento de todas as contas mensais.

Essa também é uma ótima forma de aumentar a qualidade de vida. Principalmente para as famílias que passam o mês inteiro preocupadas em equilibrar as contas.

E o melhor, se você manteve uma reserva financeira durante o ano inteiro e não precisou utilizá-la, nada mais justo que usar uma parte desse valor para garantir as férias em família, não é?

A reserva financeira também pode ser utilizada para o lazer da família quando acumula um valor considerável.

Como criar uma reserva financeira?

Criar uma reserva financeira é mais simples do que você pensa.

O maior desafio está na disciplina de conseguir guardar uma parte do seu dinheiro todos os meses sem cair nas tentações das compras desnecessárias.

Portanto, veja um passo a passo simples para começar a sua reserva financeira.

1 – Avalie as suas despesas mensais

É importante que você tenha conhecimento sobre todas as despesas que precisa pagar ao longo dos meses.

As principais são: aluguel, contas básicas como luz e água, escola e academia, entre outras.

Com base nessa avaliação, você pode identificar quanto dinheiro é necessário apenas para pagar esses gastos.

2 – Analise o valor restante

Após pagar todas as despesas recorrentes, quanto sobra na sua conta bancária? Esse é o valor destinado para todas as outras compras do mês.

E isso inclui roupas, jantar fora de casa, manutenção do carro e outros gastos supérfluos.

3 – Defina um valor para a sua reserva financeira

Considerando toda a situação financeira que você acabou de analisar, defina um valor mensal para a sua reserva.

O ideal é guardar, ao menos, 10% dos seus ganhos mensais. Mas lembre-se que o importante é começar a guardar dinheiro.

4 – Separe o dinheiro da sua reserva financeira

A reserva é um dinheiro que deve ser aplicado em investimentos de curto prazo. Ou seja, que possibilitem o resgate imediato em casos de emergências financeiras.

Assim, o dinheiro não fica parado, mas rendendo enquanto você não precisa dele.

Na poupança ou em outros produtos financeiros do seu banco, dificilmente o seu dinheiro terá um rendimento real proveitoso. A caderneta pode apresentar até resultados reais (com custos descontados) negativos.

Os investimentos mais utilizados são:

Tesouro Direto Selic;

CDBs;

– Fundos de Renda Fixa.

Em uma aplicação D+1, por exemplo, o resgate do dinheiro será completado em um dia útil após a sua solicitação.

Logo, se o investidor pedir o saque hoje, o dinheiro será depositado em sua conta no dia útil seguinte.

Essas aplicações rendem ao menos a taxa básica de juros, a Selic, equivalente a 100% do CDI. Isso significa que o seu rendimento oscilará conforme os movimentos da economia.

A Selic sempre renderá acima da inflação. Então, independente do ciclo financeiro, a sua reserva de emergência crescerá mantendo o seu poder de compra.

Rafael Massadar

Jornalista com experiência em redação com pós-graduação em Comunicação Empresarial e Transmídia. Atualmente trabalho como assessor de imprensa.

Deixe uma resposta

Precisa converter?

A calculadora de conversão do FinanceOne fornece os últimos valores cotados para diversas moedas. Acesse agora!

Converter agora

Posts relacionados

dívidas
Jovens com nome sujo
Plano de saúde com coparticipação
nome sujo
Estourar o limite do cartão de crédito