Mais
    InícioColunistasComo se proteger da inflação investindo em criptomoedas?

    Como se proteger da inflação investindo em criptomoedas?

    5
    (3)

    A inflação não é novidade para os brasileiros. A cada ano, o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), que é o índice de inflação oferecido pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) alcança valores acima da meta estabelecida pelo governo.

    Publicidade

    O que demonstra um péssimo trabalho por parte do governo em manter o poder de compra dos trabalhadores.

    O problema do cálculo do IPCA é que o índice abraça um universo enorme de regiões e cidades de realidades muito distintas, principalmente considerando que o Brasil é um país enorme.

    Desta forma o IPCA demonstra somente uma média de aumento de preços, porém a inflação da vida real pode ser ainda maior.

    O que causa uma alta inflação?

    A influência da pandemia desde 2020 e mais recentemente dos conflitos na Ucrânia no aumento dos preços também é enorme, e vem afetando todo o mundo.

    O monstro da inflação que já era muito conhecido por nós brasileiros, agora também assusta o velho continente e os nossos vizinhos norte-americanos. Mas não só os países ricos vêm sofrendo conosco, a inflação virou um problema global.

    Publicidade

    Uma das maiores causas da inflação é a impressão demasiada de dinheiro. Para se ter uma ideia: 40% dos dólares em circulação foram impressos nos últimos dois anos, o que pela lei da oferta e demanda, corrói em 40% o valor de cada dólar, isto somente nos últimos dois anos. Um absurdo considerando a criação da moeda em há mais de 200 anos, em 1792.

    Os auxílios governamentais oferecidos durante a pandemia ajudaram os trabalhadores no início do problema, mas as consequências da impressão demasiada de dinheiro são desastrosas e acabam por prejudicar ainda mais os trabalhadores. Infelizmente não existe dinheiro gratuito!

    Qual o grande problema do aumento dos preços?

    A resposta para esta pergunta está na própria pergunta, o aumento de preço não é agradável para ninguém, ninguém gosta de ver seu dinheiro valendo menos e de ter menos acesso a itens de consumo ou até de necessidade básica.

    Porém, o problema da inflação vai além de não atendermos nossas necessidades, a inflação atinge a ricos e a classe trabalhadora de formas completamente distintas – assim como os impostos.

    Vamos diferenciar ricos entre aqueles que não possuem passivos financeiros como dívidas, empréstimos e financiamentos, e a classe trabalhadora àqueles que vivem mês a mês com seus salários e suam a camisa para conseguir guardar um pouco de dinheiro, ou seja, mais de 90% da população global.

    Publicidade

    Os ricos se incomodam com a inflação, é claro, pois possuem ativos que ganharão valor através da inflação. Estes ativos podem ser ações, investimentos em imóveis, e com a inflação nos patamares que está, até veículos usados. Portanto a vida do rico é afetada pela inflação sim, no entanto, não transforma a sua condição social.

    Para a classe trabalhadora, os itens básicos de sustento acabam custando mais, e normalmente os aumentos nos rendimentos não acompanham essas variações nos preços, o que empobrece o trabalhador a cada mês.

    Produtos expostos em um supermercado e tomates em caixotes
    Com a inflação, o preço dos produtos básicos aumenta e afeta a população em geral

    Só há uma via para se proteger da inflação

    Não tem jeito, quem escolher viver somente dos rendimentos mensais, está fadado a perder o poder de compra e empobrecer com o tempo. Só há um caminho para se proteger da inflação: investindo em ativos que serão corrigidos de acordo com ela ou superarão estes ganhos.

    Comprar moedas fortes como o dólar e o euro já não basta, pois, o poder de compra também vem sendo perdido nestas moedas. O ouro também é um ativo tradicionalmente conhecido como ativo de proteção de valor, porém se olharmos nas últimas décadas, o ouro vem perdendo para a inflação.

    Dentre as criptomoedas, o Bitcoin e o Ethereum vêm demonstrando uma alta crescente perante todas as moedas do mundo. Além disso o Bitcoin já nasceu protegido de inflação, a quantidade de Bitcoins é limitada e jamais serão impressas ou criadas novas moedas.

    Publicidade

    Já o Ethereum, com a atualização 2.0 também se tornará deflacionário, com uma quantidade limitada de moedas disponível no mercado. E aí, você já utiliza as criptomoedas para se proteger da inflação?

    Conheça Renato Carvalho, colunista do FinanceOne

    Com vasto conhecimento sobre o mercado de moedas digitais, Renato Carvalho é colunista do FinanceOne. Semanalmente, ele traz informações importantes sobre criptomoedas. Fique de olho!

    Renato é administrador com experiência como executivo do setor de educação internacional e empresas de consultoria empresarial e auditoria “BIG 4”.

    Investidor de renda variável desde sua adolescência, produz conteúdo de educação financeira, mostrando o que faz com o seu próprio dinheiro “skin in the game”. Especialista em criptoativos e negócios disruptivos.

    É Bacharel em Administração pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e Université Libre de Bruxelles (Bélgica) e mestre em Administração pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC).

    Confira outros textos de Renato Carvalho, colunista do FinanceOne:

    O que achou disso?

    Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 3

    Seja o primeiro a avaliar este post.

    Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

    Diga-nos, como podemos melhorar?

    Renato Carvalho
    Renato Carvalho
    Renato é administrador com experiência como executivo do setor de educação internacional e empresas de consultoria empresarial e auditoria “BIG 4”. Investidor de renda variável desde sua adolescência, produz conteúdo de educação financeira, mostrando o que faz com o seu próprio dinheiro “skin in the game”. Especialista em criptoativos e negócios disruptivos.

    Artigos Relacionados

    Assine nossa newsletter!

    Páginas Populares

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    InícioColunistasComo se proteger da inflação investindo em criptomoedas?

    Como se proteger da inflação investindo em criptomoedas?

    5
    (3)

    A inflação não é novidade para os brasileiros. A cada ano, o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), que é o índice de inflação oferecido pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) alcança valores acima da meta estabelecida pelo governo.

    Publicidade

    O que demonstra um péssimo trabalho por parte do governo em manter o poder de compra dos trabalhadores.

    O problema do cálculo do IPCA é que o índice abraça um universo enorme de regiões e cidades de realidades muito distintas, principalmente considerando que o Brasil é um país enorme.

    Desta forma o IPCA demonstra somente uma média de aumento de preços, porém a inflação da vida real pode ser ainda maior.

    O que causa uma alta inflação?

    A influência da pandemia desde 2020 e mais recentemente dos conflitos na Ucrânia no aumento dos preços também é enorme, e vem afetando todo o mundo.

    O monstro da inflação que já era muito conhecido por nós brasileiros, agora também assusta o velho continente e os nossos vizinhos norte-americanos. Mas não só os países ricos vêm sofrendo conosco, a inflação virou um problema global.

    Publicidade

    Uma das maiores causas da inflação é a impressão demasiada de dinheiro. Para se ter uma ideia: 40% dos dólares em circulação foram impressos nos últimos dois anos, o que pela lei da oferta e demanda, corrói em 40% o valor de cada dólar, isto somente nos últimos dois anos. Um absurdo considerando a criação da moeda em há mais de 200 anos, em 1792.

    Os auxílios governamentais oferecidos durante a pandemia ajudaram os trabalhadores no início do problema, mas as consequências da impressão demasiada de dinheiro são desastrosas e acabam por prejudicar ainda mais os trabalhadores. Infelizmente não existe dinheiro gratuito!

    Qual o grande problema do aumento dos preços?

    A resposta para esta pergunta está na própria pergunta, o aumento de preço não é agradável para ninguém, ninguém gosta de ver seu dinheiro valendo menos e de ter menos acesso a itens de consumo ou até de necessidade básica.

    Porém, o problema da inflação vai além de não atendermos nossas necessidades, a inflação atinge a ricos e a classe trabalhadora de formas completamente distintas – assim como os impostos.

    Vamos diferenciar ricos entre aqueles que não possuem passivos financeiros como dívidas, empréstimos e financiamentos, e a classe trabalhadora àqueles que vivem mês a mês com seus salários e suam a camisa para conseguir guardar um pouco de dinheiro, ou seja, mais de 90% da população global.

    Publicidade

    Os ricos se incomodam com a inflação, é claro, pois possuem ativos que ganharão valor através da inflação. Estes ativos podem ser ações, investimentos em imóveis, e com a inflação nos patamares que está, até veículos usados. Portanto a vida do rico é afetada pela inflação sim, no entanto, não transforma a sua condição social.

    Para a classe trabalhadora, os itens básicos de sustento acabam custando mais, e normalmente os aumentos nos rendimentos não acompanham essas variações nos preços, o que empobrece o trabalhador a cada mês.

    Produtos expostos em um supermercado e tomates em caixotes
    Com a inflação, o preço dos produtos básicos aumenta e afeta a população em geral

    Só há uma via para se proteger da inflação

    Não tem jeito, quem escolher viver somente dos rendimentos mensais, está fadado a perder o poder de compra e empobrecer com o tempo. Só há um caminho para se proteger da inflação: investindo em ativos que serão corrigidos de acordo com ela ou superarão estes ganhos.

    Comprar moedas fortes como o dólar e o euro já não basta, pois, o poder de compra também vem sendo perdido nestas moedas. O ouro também é um ativo tradicionalmente conhecido como ativo de proteção de valor, porém se olharmos nas últimas décadas, o ouro vem perdendo para a inflação.

    Dentre as criptomoedas, o Bitcoin e o Ethereum vêm demonstrando uma alta crescente perante todas as moedas do mundo. Além disso o Bitcoin já nasceu protegido de inflação, a quantidade de Bitcoins é limitada e jamais serão impressas ou criadas novas moedas.

    Publicidade

    Já o Ethereum, com a atualização 2.0 também se tornará deflacionário, com uma quantidade limitada de moedas disponível no mercado. E aí, você já utiliza as criptomoedas para se proteger da inflação?

    Conheça Renato Carvalho, colunista do FinanceOne

    Com vasto conhecimento sobre o mercado de moedas digitais, Renato Carvalho é colunista do FinanceOne. Semanalmente, ele traz informações importantes sobre criptomoedas. Fique de olho!

    Renato é administrador com experiência como executivo do setor de educação internacional e empresas de consultoria empresarial e auditoria “BIG 4”.

    Investidor de renda variável desde sua adolescência, produz conteúdo de educação financeira, mostrando o que faz com o seu próprio dinheiro “skin in the game”. Especialista em criptoativos e negócios disruptivos.

    É Bacharel em Administração pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e Université Libre de Bruxelles (Bélgica) e mestre em Administração pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC).

    Confira outros textos de Renato Carvalho, colunista do FinanceOne:

    O que achou disso?

    Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 3

    Seja o primeiro a avaliar este post.

    Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

    Diga-nos, como podemos melhorar?